Diário Contemporâneo abre exposições em novo ciclo do projeto

Share This:

A 11ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia está pronta para receber o público a partir desta quarta-feira (21), no Museu do Estado do Pará. O visitante poderá conferir de perto a mostra coletiva Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos, com curadoria convidada de Rosely Nakagawa, e O Lago do Esquecimento, individual de Paula Sampaio, com curadoria de Mariano Klautau Filho. O agendamento é feito pelo site do projeto: www.diariocontemporaneo.com.br. Ontem (20), alguns dos artistas participantes desta edição e os realizadores se encontraram para uma abertura reservada. 

Rosely Nakagawa, Mariano Klautau Filho, Camilo Centeno, Armando Sobral e Nilton Lobato na abertura da 11ª edição. Foto: Irene Almeida

Insistir e não desistir. Na ocasião, Mariano Klautau Filho, curador geral do projeto, ressaltou a importância das exposições estarem acontecendo, mesmo com todas as dificuldades impostas pelo ano de 2020. “Eu acredito que esta 11ª edição só está acontecendo hoje devido ao Camilo Centeno, ele não desistiu e batalhou para que ela se realizasse ainda este ano. Hoje iniciamos o que eu chamo de a ‘segunda década do projeto’, onde estamos experimentando algumas novidades para que nós tenhamos um fôlego mais interessante. Pela primeira vez, nós temos uma curadora convidada para trabalhar o tema na mostra principal, a Rosely Nakagawa, uma pessoa que já colabora há muitos anos com a produção do Pará. Eu a escolhi para inaugurar essa curadoria e, a partir daqui, vamos imprimir no projeto uma série de discussões sobre curadoria compartilhada”, disse.

Karina Motoda, Henrique Montagne, Zé Barretta, Melvin Quaresma, Suely Nascimento e Anna Ortega são alguns dos artistas desta edição. Foto: Irene Almeida

Rosely coordenou o júri que fez a seleção dos trabalhos da mostra coletiva e, a partir do tema proposto para 2020, fez a curadoria das obras. Ela contou com a assistência e o projeto expográfico de Flávio Franzosi e com o desenho de luz de Lucia Chedieck. “Eu queria ressaltar algumas coisas, a primeira é a importância do Prêmio, que não é apenas um prêmio que seleciona os melhores trabalhos, mas ele tem a preocupação com a formação. Assim, o Prêmio da forma como ele se estrutura, não me surpreende que seja estabelecida, então, como a primeira ação realizada neste período desastroso que estamos vivendo. Nós estamos vivendo um período convalescente e se não fossem ações como a nossa, eu penso que a cultura não sobreviveria, já que ela está sendo constantemente ameaçada. A ação de abrir uma exposição dessa envergadura neste momento é da maior importância, é para ajudar que a nossa convalescença seja mais rápida e mais saudável”, refletiu.

Mariano Klautau Filho e Paula Sampaio apresentam ao grupo a mostra O Lago do Esquecimento. Foto: Irene Almeida

Camilo Centeno, diretor geral do Grupo RBA, ressaltou que o Diário Contemporâneo é um projeto que se desdobra pelo ano todo, não somente na época das exposições e que, com a pandemia, todo o planejamento feito para esta edição teve que ser reestruturado. Assim, soluções foram estudadas para realizar o Prêmio com segurança e qualidade. “Tivemos que repensar tudo, tudo foi diferente este ano. É a 11ª edição e, como o Mariano disse, este é o primeiro ano de uma nova década. Foram muitas reuniões, planejamentos e eu acredito que a cultura paraense e a arte da fotografia mereciam este esforço todo. Assim, foi algo totalmente novo e pela primeira vez nós estamos inaugurando a visitação virtual, nós vamos permitir que as pessoas, de onde elas estejam, acompanhem tudo o que foi montado aqui. Isso é maravilhoso e é um legado que este momento vai nos deixar”, finalizou.

Mariano Klautau Filho e Paula Sampaio observam a publicação da artista que saiu encartada no Jornal Diário do Pará. Foto: Irene Almeida

Mariano e Rosely fizeram pequenas visitas guiadas pelas exposições nas quais são curadores. Paula Sampaio, que teve uma publicação especial sobre o seu trabalho encartada no Jornal Diário do Pará, também conversou sobre suas obras com os presentes e Rosely ainda aproveitou para conversar com os mediadores do projeto.

Dairi Paixão e Flávio Franzosi acompanhados dos mediadores culturais desta edição. Foto: Irene Almeida

VISITAÇÃO

Até 20 de dezembro de 2020.

📌Terça a sexta: 10 às 16h

📌 Sábado e domingo: 09 às 14h

🗓 AGENDAMENTO

É necessário o agendamento prévio da visitação no site: www.diariocontemporaneo.com.br

😷 VISITA SEGURA

Para visitar as exposições com maior segurança, o visitante deverá cumprir com os procedimentos de prevenção ao contágio do novo coronavírus.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do jornal Diário do Pará com apoio institucional do Museu do Estado do Pará, do Sistema Integrado de Museus, SECULT e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática e patrocínio da Alubar. Informações: (91) 98367-2468 e educativopremiodiario@gmail.com.

11º Diário Contemporâneo está com agendamento de visitas aberto

Share This:

A 11ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia traz diversas novidades ao público. Seja pelas soluções encontradas para a sua realização diante do atual contexto, seja pelos trabalhos que serão apresentados e/ou pelo recorte escolhido, 2020 ficará marcado na memória do projeto. O público poderá conferir de perto as mostras Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos e O Lago do Esquecimento a partir das 10h desta quarta-feira (21), no Museu do Estado do Pará. Como medida de prevenção e segurança, as visitas devem ser agendadas com antecedência no site www.diariocontemporaneo.com.br. A visitação seguirá aberta até 20 de dezembro, de terça a sexta, das 10 às 16h, sábado e domingo, das 09 às 14h.

A temática desta edição partiu do livro de Rubem Fonseca que dá nome a exposição coletiva. Rubem faleceu neste mesmo ano de 2020, enquanto o Brasil estava começando a vivenciar a intensidade do que é a pandemia do Coronavírus. Assim como o resto do mundo, o Diário Contemporâneo também foi impactado pelo que vem acontecendo. O calendário do projeto mudou, a realização da mostra foi transferida para este segundo semestre, a seleção dos trabalhos foi feita online e a formação dos mediadores culturais que irão atuar no museu também. Uma comissão cientifica foi formada e, de forma virtual, está estruturando a programação desta 11ª edição. “Apesar de toda a contracorrente que o ano de 2020 está nos impondo, creio que estamos reagindo bem em não só decidir produzir a 11ª edição, mas produzi-la com as transformações e experiências necessárias ao novo ciclo que o projeto inaugura, sua segunda década. Pela primeira vez iniciamos a experiência da curadoria convidada, Rosely Nakagawa, para a grande mostra e também instituímos um comitê científico para pensar a programação de encontros e palestras constituído por Heldilene Reale, Ceci Bandeira e Savio Stoco, convidados pela curadoria”, afirma o curador geral, Mariano Klautau Filho.

Currais das Almas, de Beto Skeff, selecionado em 2020.

As novas tecnologias foram incorporadas ao processo para que o projeto não deixasse de ocorrer. Com todo isso, até a primeira curadora convidada, Rosely Nakagawa, vem atuando a distância. Os encontros virtuais com a produção e a curadoria do projeto seguem ocorrendo. De São Paulo, Rosely preparou a expografia desta edição, tendo ao seu favor o fato de que é profunda conhecedora da fotografia paraense e dos espaços museais de Belém.

Virtualmente, as salas do Museu do Estado do Pará foram reproduzidas e até a iluminação já veio estudada. Blocos de concreto e ripas de madeira invadiram o museu e o que o público irá ver a partir do dia 21 será uma montagem distinta do tratamento tradicional que normalmente é dado ao MEP, propondo o museu como um espaço mais cênico em que a iluminação, a cargo de Lúcia Chediek, dialoga mais diretamente com as obras. A estética se aliou a necessidade de encontrar soluções para realizar a exposição de maneira adequada diante da atual realidade. “A minha preocupação foi a de colocar os trabalhos na exposição de um jeito que a pessoa que visita se sinta acolhida, se sinta bem-vinda”, disse Rosely.

A mostra Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos exibirá os trabalhos de Alline Nakamura (SP), Andreev Veiga (PA), Arthur Seabra (PA), Beto Skeff (CE), Cecília Urioste (PE), Élcio Miazaki (SP), Fernando Jorge (CE), Hans Georg (RJ), Henrique Montagne (PA), Iezu Kaeru (PE), José Diniz (RJ), Karina Motoda (SP), Lara Ovídio (RJ), Melvin Quaresma (PA), Miriam Chiara (MG), Tetsuya Maruyama (RJ), Vanessa Ramos Carvalho (BA) e Sérgio Carvalho (PI) e Zé Barretta (SP).

Anna Ortega (RS), premiada com a Residência Artística Belém, e Suely Nascimento (PA), premiada com a Residência Artística Recife, também participarão da mostra. As duas embarcam para as suas residências no início de 2021, assim como o grupo formado por Janaina Miranda (DF), Ícaro Moreno Ramos (MG) e Gabriela Sá (RN), Jessica Lemos (BA), Giovanna Picanço Consentini (PA) e Marcílio Caldas Costa (PA), vencedores da Residência Farol, que irão para a residência coletiva na Ilha de Mosqueiro sob a coordenação de Lívia Aquino.

O Lago do Esquecimento, de Paula Sampaio, artista convidada nesta edição.

ARTISTA CONVIDADA

A fotógrafa Paula Sampaio é a artista convidada desta edição. Seu trabalho tem forte cunho documental e se debruça sobre temas como ocupação, memória, migração e colonização na região amazônica.

Em 2013, ela lançou o livro O Lago do Esquecimento, fruto de sua pesquisa sobre o impacto do represamento das águas do rio Tocantins para a quarta maior hidrelétrica do mundo: Tucuruí.

Na paisagem transformada pela inundação, Paula encontrou restos de árvores, animais e de histórias afogadas nesse lago de esquecimentos. Também encontrou as pessoas que vivem em torno das águas represadas, antigos moradores que viram a sua vida transformada pela força das águas e da ação humana.

O Lago do Esquecimento nunca havia sido apresentado no formato de uma exposição individual e este foi o recorte escolhido por Mariano Klautau Filho na curadoria desta mostra. “Estou muito contente em poder contar com o trabalho da Paula Sampaio como convidada desta edição, uma artista cuja obra já acompanho desde o final dos anos 1980 e que venho estudando, mais especialmente desde o início dos anos 2000. E creio que a série O Lago do Esquecimento é um trabalho inquietante e bastante atual porque trata do desprezo pela natureza e pelas comunidades que vivem na Amazônia, além de nos provocar um impacto visual que está relacionado diretamente ao aspecto trágico do tema”, finalizou o curador da exposição.

>>> BAIXE AQUI O ENCARTE ESPECIAL DE PAULA SAMPAIO

SERVIÇO: 11º Diário Contemporâneo abre agendamento de visitas. Local: Museu do Estado do Pará. O agendamento de visitas é feito pelo site www.diariocontemporaneo.com.br. A visitação seguirá aberta até 20 de dezembro, de terça a sexta, das 10 às 16h, sábado e domingo, das 09 às 14h. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do jornal Diário do Pará com apoio institucional do Museu do Estado do Pará, do Sistema Integrado de Museus, SECULT e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática e patrocínio da Alubar. Informações: (91) 98367-2468 e educativopremiodiario@gmail.com.

As dinâmicas virtuais do minicurso de formação de mediadores

Share This:

Como, em tempos de distanciamento social, possibilitar as aproximações que a arte demanda? Este e outros dilemas foram debatidos no minicurso de formação de mediadores culturais ocorrido na última semana. Com o tema “Como mediar emoções e ficções? A formação do mediador cultural na contemporaneidade”, a ação educativa deste ano refletiu sobre o papel do mediador neste e em diferentes contextos.

Dairi Paixão, coordenadora da ação educativa, trouxe as práticas, poéticas e dinâmicas para o virtual e em um chat online os participantes se encontraram por quatro dias. “Para mim, é muito importante esse momento de troca”, disse Dairi.

Já no momento da apresentação, os inscritos dividiram suas experiências anteriores e também aquilo que os motivou a atuarem na mediação cultural. “A arte não tem paredes, ela é um espaço aberto para todo mundo”, lembrou Andreza Machado, participante do minicurso.

Nas conversas, o grupo buscou entender o que é a mediação cultural e a sua importância para a parte pedagógica da arte. “A gente vê o museu como um espaço para o turista, mas, como alguém da área do turismo, eu entendo que primeiro a gente tem que aproximar esse espaço das pessoas daqui”, destacou a participante Ana Flávia Feijó.

Para quem é o museu? Muitos participantes relataram como foi a experiência inicial que tiveram com os espaços museais e como isso os marcou. Que imagens nos acompanham? Dairi debateu com os participantes o fato de que as pessoas já têm seus próprios repertórios visuais e visitam os museus munidos deles. Assim, a mediação amplia a visão educativa nessa atividade onde o visitante é e deve ser estimulado a participar diretamente da troca de conhecimentos. “Esse encontro com o outro sempre vai ser um diálogo, uma escuta, uma provocação”, observou a coordenadora.

Pertencimento foi uma das palavras mais debatidas. “A maior dificuldade entre o público e a exposição é a cultura da elite. A sociedade criou uma cerca sobre os museus que definia quem pertencia e quem não. Tanto em relação ao público quanto em relação ao artista”, destacou o participante Davi Rodrigues.

Em duplas, os participantes tiveram o exercício de apresentar que imagens os acompanham em imagens imaginárias e imagens narradas. Na sequência, conheceram os trabalhos e artistas que compõe a exposição e conversaram sobre cada um deles.

O último dia de curso foi marcado pela presença de Rosely Nakagawa. A curadora convidada desta edição interagiu com os participantes, falou sobre o processo de seleção dos trabalhos, sobre a temática escolhida e sobre a montagem e a curadoria realizadas a distância. “Eu acho muito interessante a relação da literatura com a linguagem visual, porque ela também tem seus sujeitos, seus predicados”, disse Rosely.

As perguntas foram muitas e a conversa seguiu com Rosely abordando seus processos de trabalho e as soluções encontradas para realizar a exposição de maneira adequada diante da atual realidade. “A minha preocupação foi a de colocar os trabalhos na exposição de um jeito que a pessoa que visita se sinta acolhida, se sinta bem-vinda”, frisou a curadora.

Dairi encerrou a ação formativa informando o protocolo de saúde e segurança estabelecido para esta edição, além de tirar as dúvidas dos participantes. Após estes quatro dias de encontros, a coordenadora escolheu a equipe de mediadores que atuará no projeto.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do jornal Diário do Pará com apoio institucional do Museu do Estado do Pará, do Sistema Integrado de Museus, SECULT e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática e patrocínio da Alubar.

Ação educativa realiza ciclo de encontros

Share This:

A edição de 2020 do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia vem fazendo uso das tecnologias digitais para seguir com suas atividades de maneira segura dentro do atual contexto.

A inscrição dos trabalhos e a seleção deles foi feita de maneira digital. Com os dossiês escolhidos pelo júri, a coordenadora da ação educativa, Dairi Paixão, realizou um ciclo de encontros virtuais com os artistas. Tudo isso para conhecer melhor os trabalhos e as inquietações daqueles que os produziram. As conversas serviram de base para a composição das propostas educativas desta edição.

.

Confira a entrevista:

Como que funcionaram esses encontros?

Foi um trabalho de escuta e reflexão para acessar novas informações e pensar como o educativo pode cada vez mais democratizar conhecimentos da arte para o público, tendo em vista a fala dos artistas como mais uma referência para o diálogo no espaço expositivo.

A conversa começou com Irene Almeida, da produção do Diário Contemporâneo, no diálogo sobre a ideias para o educativo deste ano, ela também acompanhou todos os encontros. Na sequência, conversei com Mariano Klautau Filho, curador geral do projeto, sobre o tema e as provocações do título da obra de Rubem Fonseca.

Segui também no diálogo com a curadora convidada da mostra, Rosely Nakagawa, para ouvir e compreender melhor o processo de seleção, a leitura das obras com o contexto que estamos vivenciando hoje, a conexão entre as obras selecionadas e a disposição das obras no espaço expositivo.

Depois do encontro com a Rosely, pensamos de promover esse ciclo de encontros com os artistas da mostra, a partir da localização dos artistas por sala. O ciclo de encontros durou uma semana onde, na prática, fomos adequando também com a disponibilidade de cada um. Mesmo assim, conseguimos promover encontros lindos, ricos de aprendizados, trocas e de fortalecimento com a arte.

.

Como que foi essa troca?

Tivemos sete encontros de uma escuta muito preciosa para esses tempos que estamos vivendo. Cada um na sua casa e, mesmo distantes em diversos pontos do Brasil, nos conectamos por algumas horas. Nos encontramos e trocamos experiências e reflexões sobre as obras, a relação delas com os artistas das salas e o contexto contemporâneo do fazer de cada artista.

Foi possível conhecer um pouco do processo criativo de cada um e quais as sensações e significados que o trabalho tem na vida deles. Sinto que acessamos camadas mais profundas no conhecimento das obras, o que contribui na metodologia de como apresentar as obras para os mediadores durante o minicurso de formação.

.

Qual a importância dessa aproximação, ainda que virtual?

Foi importante principalmente conhecer o processo criativo dos artistas. Por exemplo, ouvir do artista e arte-educador Iezu Kaeru (PE), sobre o projeto Kawa, qual o sentir dele com o rio, quais as cidades em que ele fez as fotos e como é o uso dele da fotografia digital e analógica. No bate-papo fizemos uma conexão de que o trabalho dele traz uma poética das águas. A conversa seguiu nas conexões que esse trabalho tem com o nosso território de Belém.

Para mim, tem sido um exercício pensar como construímos esse processo educativo e, principalmente, da mediação nesse território de Belém, na Amazônia.

.

A conversa seguiu com o trabalho da artista Suely Nascimento (PA) e como nos conectamos com “A Casa de Marlene”. Quando Suely abre sua casa para que possamos sentir seu lar, também abrimos nossa casa interna e revivemos nossas memórias acompanhadas de um cafezinho da tarde.

Entendo também que a conversa entre os artistas se constitui numa potência educativa, de aprender com esse olhar do outro e que conta com muito afeto das subjetividades que constituem as obras. As conexões são múltiplas e a subjetividade de cada pessoa constrói novos signos.

No segundo dia, conhecemos os artistas Vanessa Ramos Carvalho (CE), Sérgio Carvalho (PI) e Beto Skeff (CE). Nesse encontro foi possível ouvir o afeto que Sérgio tem pela cidade de Barra Grande, no Piauí, e como o exercício da fotografia na obra “Um lugar lindo de morrer” atravessou um momento difícil de perda na vida do artista.

.

Temas contemporâneos que muitas vezes nos sufocam nas notícias do dia a dia, como a morte, podem se tornar mais leves de lidar quando temos a arte mediando essa compreensão de sentimentos. O trabalho de Vanessa e Sérgio nos atravessou dessa forma.

Assim como no diálogo com Beto Skeff em que conhecemos a história dos campos de concentração no Ceará, além de quais as coincidências que ele percebe no fato de ter nascido numa cidade próxima a esses espaços.

No trabalho “Currais da Alma”, uma história que poderia se perder no esquecimento nos traz reflexões profundas sobre quantas histórias de opressões são apagadas no país e quais são ouvidas, debatidas, lembradas, além de como os relatos visuais são importantes para essa tomada de consciência da nossa história.

.

Do mesmo modo, somos tocados pelo trabalho de Arthur Seabra (PA). No jogo de luz e sombra, que reflete um sentido espiritual diante das imagens de um ritual de Candomblé à luz de candeeiros, as fotografias nos levam para um tempo outro. Arthur compartilha dos significados da luz dourada referindo-se a realeza africana com muita beleza, cuidado e respeito. Ele nos aproxima da ritualidade sagrada de uma cerimônia de Candomblé.

Conhecemos mais sobre a paixão de José Diniz (RJ) por submarinos. Ele nos contou de seu fascínio desde a infância e sobre as diferentes experiências que viveu durante a pesquisa e criação das imagens do trabalho “O céu vem abaixo”.

.

Como isso será refletido na ação educativa com os mediadores?

Cada encontro trouxe uma riqueza de detalhes do processo criativo, das obras, das escolhas e seleções de narrativa para a inscrição que nos aproximaram e nos trouxeram muitas compreensões, diálogos e debates sobre os trabalhos. Essa escuta fortalece a construção metodológica de apresentação dos trabalhos artísticos durante o curso de formação para mediadores e na construção do material didático presente no tabloide desta edição.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do jornal Diário do Pará com apoio institucional do Museu do Estado do Pará, do Sistema Integrado de Museus, SECULT e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática e patrocínio da Alubar.

Diário Contemporâneo abre seleção para mediadores culturais

Share This:

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia entende a parte educativa como essencial na estrutura do projeto. Com o tema “Como mediar emoções e ficções? A formação do mediador cultural na contemporaneidade” a ação educativa está com inscrições abertas até o dia 27 de setembro para a seleção de mediadores culturais. O público-alvo são alunos universitários de artes visuais, museologia, comunicação e áreas afins, além de fotógrafos e interessados em compor o educativo do projeto. As inscrições são feitas pelo site www.diariocontemporaneo.com.br.

Foto: Irene Almeida

“A formação tem por objetivo refletir e dialogar sobre a imagem como um disparador de múltiplas narrativas reais e ficcionais, além de repensar o papel da mediação cultural no contexto de distanciamento social, nos cuidados com a saúde e no encontro com outro. Desse modo, todo processo de inscrição, seleção e formação será online”, explicou Dairi Paixão, coordenadora da ação educativa.

“Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos”, tema da 11ª edição do Diário Contemporâneo vem da obra homônima de Rubem Fonseca e instiga a fluidez entre as linguagens, além da relação entre o real e a ficção.

Os participantes pré-selecionados participarão do minicurso de formação. “Teremos quatro encontros online, com duração de 02:30h cada. Durante o minicurso iremos fazer leitura de textos sobre a fotografia contemporânea e suas nuances reais e ficcionais; arte-educação e o exercício da leitura de imagem e sobre o papel do mediador no espaço cultural. A partir das leituras iremos dialogar sobre o tema dessa edição e conhecer as obras selecionadas, teremos algumas dinâmicas para promover trocas e afinidades entre os participantes, mesmo nesse espaço virtual”, acrescentou.

Será criado um espaço de aprendizado compartilhado para que “mesmo diante dos desafios que esse ano nos apresenta, iremos reinventar formas criativas de ser, existir e estar no mundo com maior cuidado de si e do outro”. Após o minicurso será escolhida a equipe de mediadores da 11ª edição.

“Um ponto muito importante no papel do mediador do espaço é o exercício da escuta e a abertura para novas formas de ver e escutar as narrativas subjetivas de cada visitante em conexão com as intenções dos artistas”, finalizou Dairi.

CRONOGRAMA
Inscrições: até 27 de setembro
Entrevistas: 29 e 30 de setembro e 01 de outubro
Datas do minicurso: 05, 06, 08 e 09 de outubro em uma plataforma virtual

SERVIÇO: Diário Contemporâneo abre seleção para mediadores culturais. As inscrições são feitas pelo site www.diariocontemporaneo.com.br até 27 de setembro. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do jornal Diário do Pará com apoio institucional do Museu do Estado do Pará, do Sistema Integrado de Museus, SECULT e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática e patrocínio da Alubar. Informações: (91) 98367-2468 e educativopremiodiario@gmail.com.

Paula Sampaio é a artista convidada do 11º Diário Contemporâneo

Share This:

Nascida em Belo Horizonte, Paula Sampaio migrou para a Amazônia ainda criança com a família. Formou-se em Jornalismo pela UFPA e atuou como fotojornalista por muitos anos.

Seu olhar atento registrou diversas transformações ocorridas na região, seja no dia a dia como repórter fotográfica ou em seus ensaios documentais.

Seus projetos de fotografia falam sobre as migrações na Amazônia, bem como as comunidades e vivências que são atravessadas por grandes estradas abertas na região, como as rodovias Belém–Brasília e Transamazônica.

Ocupação, colonização da região, memórias orais e patrimônio imaterial são alguns dos temas recorrentes em seu trabalho. Suas séries são reflexões sobre a natureza e a fragilidade dos seres.

Foto: Paula Sampaio

Atualmente é responsável pelo Núcleo de Fotografia do Centro Cultural Sesc Ver-o-Peso e continua desenvolvendo seus projetos. No momento, dedica-se a organizar seu arquivo pessoal.

Paula Sampaio é a artista convidada da 11ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia.

Confira a entrevista:

Você é alguém que migrou, que saiu de Belo Horizonte e veio para Belém. Seus trabalhos têm muito desse olhar sobre os trajetos, os percursos. Acredita que há uma ligação com a sua própria vivência?

Pois é, sou parte de uma família migrante. Quando viemos para a Amazônia nos anos de 1970, já partimos de Rio Preto/SP, só nasci em Minas. Passei a minha infância mudando de lugar. Moramos em vários municípios ao longo das rodovias Belém-Brasília (nos estados do Maranhão, Pará e Goiás) e perto de Carolina, na Transamazônica. Então, trago em mim essa vivência e também esse espírito viajante. As estradas são a minha casa.

Você atuou por muitos anos como repórter fotográfica. Pode falar um pouco dessa rotina? Sente falta?

Foram quase 30 anos de um cotidiano intenso. Fotografando praticamente todo dia, uma ação visceral, onde tive a chance de atravessar em questão de horas muitas existências, além do prazer de ver essa produção chegar na vida de milhares pessoas, – às vezes bem, e em outras mal – o que também é um grande aprendizado. Essa partilha foi um exercício incrível e eu aproveitei e me entreguei a esse ofício com muita intensidade sempre, aprendi muito e utilizo essa experiência para tudo que faço. Se sinto falta? Da prática sim, mas a forma como isso se dá cotidianamente nas redações atualmente, que foram o espaço das minhas experiências, não. Com certeza fiquei muito mais exigente. Claro que o jornal impresso me fascina, até faço os meus (risos). Criei um projeto, o ‘Folhas Impressas”, que é o reflexo da minha paixão.

O fotojornalismo tem uma pressa em comunicar o agora. No fotodocumentarismo o tempo é um pouco mais generoso com os projetos. É isso mesmo?

Muitas vezes me perguntaram isso e eu sempre respondia que sim, o tempo era um diferencial determinante. Mas hoje, ando desconfiada desse senhor “O Tempo”, ele tem revelado novas faces para mim. Então, talvez seja o espaço e a dinâmica da prática e como isso se resolve no” tempo da comunicação”, a grande questão. E também porque esses conceitos de fotojornalismo, documentarismo, vão sendo acrescidos de muitas camadas no curso da história. Deixo essa provocação e não uma resposta.

Virgínia Feitosa atravessando atoleiro no momento em que desiste de viver na Transamazônica. Foto: Paula Sampaio

Seus ensaios e pesquisas falam muito sobre memória, migração, natureza e ocupação. Quanto tempo leva uma pesquisa como a da Transamazônica ou do Lago do Esquecimento?

Esses trabalhos todos estão na minha vida, então o tempo é a duração da minha própria existência. É curioso isso, mas de verdade não sinto que tenha terminado nada, estou sempre encontrando um novo começo dentro de cada uma dessas temáticas e também uma nasce da outra. “O Lago do Esquecimento” é um bom exemplo, é “filho” do trabalho nas estradas (Transamazônica e Belém-Brasília, que realizo desde 1990 e nunca acabei). Nasceu das minhas viagens em busca de comunidades alagadas no trecho da Transamazônica, no município de Novo Repartimento, que desapareceu com a inundação provocada pelo represamento do Rio Tocantins durante a construção da Hidrelétrica de Tucuruí. Na busca pelos atingidos pela barragem acabei encontrando outros seres, as árvores fossilizadas, que formam essa paisagem trágica e todo o mundo que vive nesse lugar inacreditável e suas histórias.  E do “Lago do Esquecimento” nasceu a fotoinstalação “Árvore” e por aí vai. Então, para mim, o tempo de um trabalho é enquanto eu viver e sentir vontade de revisitar esses espaços todos, reencontrar as pessoas…. Assim, a única coisa que finalizo são as etapas, batizo com um nome e sigo com tudo no meu coração. Nesse aspecto a fotografia é uma linguagem muito generosa porque ela sempre nos oferece a possibilidade de renascimento.

Há muito da relação com o outro em seus ensaios, com as pessoas e as comunidades. Como que se dão essas relações?

Sempre foi natural. Trabalho em áreas de migração onde encontro pessoas com quem me identifico. Tem muito mineiro, baiano, maranhense, então, é como se eu estivesse frequentando a casa de conhecidos e o ambiente também. Desde criança vivo na amazônia, tudo é familiar.

Há também a denúncia. Qual o peso da responsabilidade em comunicar as desigualdades e ocupações que vêm acontecendo?

A responsabilidade é tentar tratar essas questões a partir da experiência de quem está mergulhado nelas: os protagonistas dessas histórias. Buscar meios para que eles mesmos falem sobre sua condição, por isso trabalho com relatos, memórias. Foi a forma que encontrei de tentar comunicar tudo isso de forma partilhada e com relação às imagens, elas se impõem, eu só tenho que estar disponível. Agora, nos últimos três anos tenho me dedicado a estudar e rever meu arquivo que está se perdendo, então, não estou presente na cena. Ocorre que essas temáticas que são a base do trabalho que faço estão no nosso presente, assim acabam servindo de referência para pesquisas (TCCs, teses, dissertações, livros didáticos) e outras criações como, por exemplo, o filme “O Reflexo do Lago” do Fernando Segtowick, baseado no livro “O Lago do Esquecimento” que tem tido uma ótima repercussão. E assim as responsabilidades vão sendo divididas. Aliás, o movimento fotográfico em Belém sempre teve essa característica meio híbrida e partilhada, isso é uma sorte, nunca estamos sozinhos.

PAULA SAMPAIO

Nascida em 1965, em Belo Horizonte (MG), veio ainda menina para a Amazônia com sua família e em 1982 escolheu viver e trabalhar em Belém (PA). Durante o curso de Comunicação Social, na UFPA, descobriu a fotografia e, em seguida, foi aluna de Miguel Chikaoka, na Associação Fotoativa. Optou, então, pelo fotojornalismo. A sua principal referência nessa área foi o Jornal O Liberal, onde trabalhou como repórter fotográfica entre 1988 e 2015. Desde 1990 desenvolve projetos de documentação fotográfica e ensaios autorais sobre o cotidiano de trabalhadores, em sua maioria, migrantes que vivem às margens dos grandes projetos de exploração e em estradas na Amazônia, principalmente nas rodovias Belém-Brasília e Transamazônica. Além de imagens, também guarda sonhos e histórias de vida (escritos e/ou contados) de pessoas que fotografa nesses caminhos.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do jornal Diário do Pará com apoio institucional do Museu do Estado do Pará, do Sistema Integrado de Museus, SECULT e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática e patrocínio da Alubar.

Diário Contemporâneo divulga premiados e selecionados da 11ª edição

Share This:

Em 2020, o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia se reinventou mais uma vez. No decorrer dos últimos meses, com a realidade do coronavírus, foi preciso se reconfigurar. As inscrições já são realizadas online e, desta vez, a seleção dos trabalhos também foi. Os dois júris trabalharam nos últimos dias em reuniões virtuais para definir os escolhidos entre os 414 dossiês enviados no total.

“Foi um processo diferente. Nos reunirmos virtualmente, mas trabalhamos coletivamente com muito espaço para troca e para escuta do outro. Foram es escolhidos projetos com poéticas e falas potentes, o que vislumbro uma residência bem interessante, efervescente”, disse a artista Keyla Sobral, integrante da comissão da Residência Farol.

Comissão de seleção da Residência Farol. Foto: Irene Almeida.

Novas dinâmicas que aproximaram, por meio da internet, aqueles que há muito não se viam e puderam, então, se reunir para se debruçar sobre a arte. “O encontro virtual com Lívia e Keyla foi muito produtivo. Tivemos reuniões em alguns dias onde, primeiramente, líamos as proposições, as cartas de intenções e analisávamos trabalhos já realizados pelos artistas inscritos. Tomamos alguns princípios norteadores para nossas escolhas. Essencialmente consideramos que, apesar das pesquisas pessoais e das questões motivadoras de cada proponente, as propostas deveriam se colocar suficiente abertas ao contato com o lugar e com os outros participantes para efetivamente ‘ganhar corpo’. Isso por vezes era perceptível nas propostas de trabalho propriamente ditas mas, outras vezes, se evidenciava na carta de intenções – uma busca por diálogo, por troca, por ser afetadx pelo lugar. Ficamos felizes por chegar a um grupo, ao nosso ver, plural e rico de possibilidade de trocas, colaborações e aprendizados“, contou o professor e artista Alexandre Sequeira, do mesmo júri.

ABRAÇOS E ENCONTROS VIRTUAIS

“Para mim, foi uma experiência gratificante para esse período de quarentena, quando estava, de certa forma, emocionalmente desestruturada. Senti que são novas formas trabalho que chegaram para ficar. A seleção ocorreu tranquila, sem mudanças do presencial. Apenas, sem os abraços! Agradeço a oportunidade de conhecer trabalhos de muitos artistas”, disse a galerista Makiko Akao, que esteve na seleção dos trabalhos para a mostra Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos.

Comissão se seleção da mostra 2020:
Luiz Braga (Foto: Juliany Ledo),
Rosely Nakagawa (Foto: Lana Soares) e
Makiko Akao (Foto: Irene Almeida)

A arte vem como uma resposta ao que se vive, mas ela também traz os seus próprios questionamentos. “A seleção deste ano foi muito peculiar e surpreendente. A primeira surpresa foi o número de inscritos. Por conta da pandemia eu esperava menos trabalhos. Mas o número foi uma média dos últimos prêmios. A segunda surpresa foi a qualidade dos trabalhos e a abrangência nacional dos inscritos. O processo de seleção, graças à tecnologia não foi difícil. Os arquivos dos projetos sempre são enviados por PDF e os aplicativos de comunicação permitiram e facilitaram as diversas reuniões dos curadores e jurados. Foi peculiar a avaliação dos projetos diante da disposição e energia dos envolvidos. A pandemia e o desgoverno estiveram presentes o tempo todo nas discussões, contextualizando as nossas escolhas. Não tinha como ser indiferente”, analisou Rosely Nakagawa que este ano é curadora convidada da mostra.

O Diário Contemporâneo reorganizou seu calendário trazendo a realização das mostras e residências para o segundo semestre, nos meses de outubro e novembro, garantindo assim mais cuidado com a saúde de todos.

“O ato de se prosseguir com a realização do prêmio este ano é um ato de resistência e de valorização da arte e dos artistas. O conjunto de trabalhos escolhidos é uma teia que reforça o papel da arte em trazer esperança ao mundo. A presença da Rosely, como primeira curadora convidada, é também mais um elemento importante e positivo. Ela é uma pessoa muito acolhedora que certamente vai conduzir isso muito bem”, finalizou o fotógrafo Luiz Braga.

Confira o resultado da seleção:

PREMIADOS E SELECIONADOS 2020

  • Anna Ortega (RS) – PRÊMIO RESIDÊNCIA ARTÍSTICA BELÉM
  • Suely Nascimento (PA) – PRÊMIO RESIDÊNCIA ARTÍSTICA RECIFE
  • Alline Nakamura (SP)
  • Andreev Veiga (PA)
  • Arthur Seabra (PA)
  • Beto Skeff (CE)
  • Cecília Urioste (PE)
  • Élcio Miazaki (SP)
  • Fernando Jorge (CE)
  • Hans Georg (RJ)
  • Henrique Montagne (PA)
  • Iezu Kaeru (PE)
  • José Diniz (RJ)
  • Karina Motoda (SP)
  • Lara Ovídio (RJ)
  • Melvin Quaresma (PA)
  • Miriam Chiara (MG)
  • Tetsuya Maruyama (RJ)
  • Vanessa Ramos Carvalho (BA) e Sérgio Carvalho (PI)
  • Zé Barretta (SP)

RESIDÊNCIA FAROL

  • Janaina Miranda Lima Silva (DF)
  • Ícaro Moreno Ramos (MG) e Gabriela Sá (RN)
  • Jessica Lemos (BA)
  • Giovanna Picanço Consentini (PA)
  • Marcílio Caldas Costa (PA)

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do jornal Diário do Pará com apoio institucional do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus, SECULT e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática e patrocínio da Alubar.

Diário Contemporâneo inscreve até hoje

Share This:

Não reagente, de Priscilla Buhr, selecionada em 2019

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia encerra hoje as inscrições para sua 11ª edição. O candidato interessado tem só até a meia-noite para enviar o seu dossiê por meio da ficha de inscrição disponível no site www.diarioconteporaneo.com.br. Serão concedidos três prêmios de residência artística a serem realizadas entre os meses de outubro e novembro deste ano, mesmo período das exposições. Ao todo, participarão da mostra 20 artistas, entre os premiados individuais e selecionados.

O tema escolhido “Vastas emoções e pensamentos imperfeitos” é uma referência direta ao romance de Rubem Fonseca. Uma provocação literária para uma interpretação do real.

“Propomos aos artistas, seja pelo impacto poético do título do livro, ou por um mergulho investigativo nas nuances do romance, que se deixem tomar por estratégias diversas em que as linguagens sejam um modo lírico, ficcional de interpretar as experiências concretas”, explicou Mariano Klautau Filho, curador do projeto.

Dois dos prêmios desta edição são na forma de residências individuais divididas entre as cidades de Recife/PE (com orientação de Ana Lira) e Belém/PA (com orientação de Alexandre Sequeira), e a Residência Artística Farol, uma experiência coletiva para cinco artistas que será realizada na Ilha de Mosqueiro (sob a coordenação de Lívia Aquino). Esta última residência é uma atividade autônoma, não integrada à mostra expositiva.

JURÍ

Para selecionar os premiados com as residências em Belém e Recife e participantes da mostra coletiva foi formada uma comissão integrada por Rosely Nakagawa, que também é a curadora convidada para a mostra principal da edição de 2020; Luiz Braga, fotógrafo paraense; e Makiko Akao, sócia da Agência Kamara-Kó de Fotografias.

A Residência Artística Farol tem uma comissão própria composta pela coordenadora da ação, Lívia Aquino; a artista visual Keyla Sobral; e Alexandre Sequeira, artista visual e professor da UFPA.

O PROJETO

Em 2020, o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia propõe atividades mais compartilhadas nas suas experiências curatoriais e programação.

Criado em 2010, é aberto a todos os artistas brasileiros ou residentes no país. Trata-se de um projeto nacional, que em seus anos de atuação contribuiu para a consolidação do Pará como lugar de reflexão e criação em artes, além de proporcionar o diálogo entre a produção local e nacional.

SERVIÇO: 11º Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia inscreve até hoje. Contatos: (91)98367-2468 e diariocontemporaneodfotografia@gmail.com. Edital e inscrições no site:  www.diariocontemporaneo.com.br. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do jornal Diário do Pará com apoio institucional do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus, SECULT e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática e patrocínio da Alubar.

Lívia Aquino fala sobre a Residência Artística Farol

Share This:

Em 2020, o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia concederá todos os seus prêmios no formato de residências artísticas, uma delas será coletiva com as suas atividades realizadas na llha de Mosqueiro. Serão cinco premiados, dois paraenses e/ou residentes no Pará por pelo menos três anos e três artistas de outros estados. A Residência Artística Farol será coordenada por Lívia Aquino, artista e professora. As inscrições para a 11ª edição do Diário Contemporâneo terminam nesta segunda-feira (25) e são realizadas somente pelo site do projeto www.diarioconteporaneo.com.br.

Uma residência na Praia do Farol será o atelier e local para hospedagem do grupo em ações como encontros, conversas e atividades de experimentação e criação sob a orientação de Lívia. Essa residência tem um caráter autônomo, não sendo integrada à mostra expositiva. Os interessados em participar da atividade deverão inscrever-se exclusivamente para ela. O dossiê com carta de intenção/proposição para residência, currículo e portfólio de trabalhos será anexado na ficha de inscrição devidamente preenchida no link: http://bit.ly/InscricaoResidenciaFarol.

Amazônia, de Rodrigo José, premiado em 2019

Confira a entrevista com a coordenadora da ação:

Como foi o convite para coordenar a Residência Artística Farol? Como que surgiu a ideia? Ela foi construída a muitas mãos?

Numa das vezes que estive em Belém fui presenteada por Alexandre (Sequeira) com uma ida a Ilha do Mosqueiro, foi um dia muito especial, de muita conversa e afetividade. Conheci parte da ilha, da praia, dos casarios históricos e da ponta do Farol. Na volta, comentei com Mariano (Klautau Filho) sobre algumas impressões e lancei uma proposta de ocupar uma casa específica apresentada a mim com uma residência artística. Isso foi há uns dois anos e vez ou outra ainda retomávamos a ideia da residência. Nesse ano, Mariano aventou essa possibilidade de alargarmos as experiências de residências individuais, das quais participei duas vezes como orientadora, para um grupo que ocupasse a casa e imediatamente topei. Quando acontecer será um momento muito especial para o projeto, de expansão da residência.

Estamos vivendo um momento em que o distanciamento social é necessário. Como você imagina que será esta vivência coletiva depois de tanto tempo de isolamento?

Imagino que ela só poderá acontecer no momento em que estivermos todas e todos seguros para isso, temos uma previsão mas vamos respeitar o que for necessário para a manutenção das vidas. Não sei o que virá, quais experiências os residentes selecionados terão tido nos seus isolamentos, suas perdas, mas imagino que tudo isso atravessará nosso período de convivência conjunta. Estaremos vivos e juntos, lidando com nossas histórias e com a história do entorno que iremos habitar temporariamente.

Você já participou do Diário Contemporâneo de diferentes maneiras, como artista, tutora e agora coordenadora da residência. Fale um pouco sobre a sua percepção do projeto.

Eu sou imensamente grata a receptividade que tenho nesse projeto, participando como você assinalou, de diferentes maneiras. É um projeto que acontece há muitos anos e que se permite avaliações, revisões, novas perceptivas. Isso é muito rico, mantém viva a perspectiva de que um projeto cultural e artístico pode ser revisto ao longo de sua existência.

LÍVIA AQUINO

Pesquisadora do campo das artes visuais é professora e artista. Doutora em Artes Visuais e Mestre em Multimeios pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Atualmente é coordenadora da pós-graduação em Fotografia e professora da pós-graduação em Práticas Artísticas Contemporâneas e no Tecnólogo em Produção Cultural da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), em São Paulo. Ministra oficinas em diversas instituições culturais.

SERVIÇO: 11º Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia segue com inscrições abertas até dia 25/05. Contatos: (91)98367-2468 e diariocontemporaneodfotografia@gmail.com. Edital e inscrições no site:  www.diariocontemporaneo.com.br. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do jornal Diário do Pará com apoio institucional do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus, SECULT e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática e patrocínio da Alubar.

11º Diário Contemporâneo oferece três prêmios de residência artística

Share This:

alexaaleEm 2020, o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia se abriu ainda mais para as possibilidades das experiências compartilhadas e trouxe todos os seus três prêmios deste ano no formato de residências artísticas. Elas e as mostras estão previstas para serem realizadas entre os meses de outubro e novembro deste ano. As inscrições para esta 11ª edição seguem abertas até 25 de maio, sendo realizas somente pelo site do projeto www.diariocontemporaneo.com.br.

Em 2018, o paraense Ionaldo Rodrigues ganhou no Diário Contemporâneo o então Prêmio Residência Artística São Paulo. Na capital paulistana ele foi acolhido por sua tutora, Lívia Aquino, parceira do projeto e que este ano volta como coordenadora da Residência Artística Farol, uma premiação coletiva com atividades a serem realizadas na Ilha de Mosqueiro. Esta foi a segunda experiência de Ionaldo que anos antes, em 2013, participou de outra vinculada a um edital da FUNARTE.

Baquirivu, de Ionaldo Rodrigues

“Passado algum tempo da realização dessas duas residências, acredito que o momento atual pede que a gente reflita sobre a possibilidade do formato de residência artística, mais do que favorecer a pesquisa e a experimentação, talvez sombreie dificuldades estruturais que enfrentamos na formação do artista e na crítica de arte. Considerando os ataques políticos e a mercantilização das universidades, assim como a precarização de instituições públicas que atuam no acesso à educação pelo sensível e na formação dos artistas, o espaço da residência artística pode ser um formato que mesmo valorizando o processo de trocas, acabe pondo na conta do “em processo” a grave crise que enfrentamos na base educacional e na consolidação da arte como instância relevante pra vida”, observou o artista.

Como observado por Ionaldo, não só a arte vem sofrendo grandes ataques, mas também o artista e todo aquele que busque as provocações e reflexões que a arte traz. Em tempos de coronavírus e isolamento social, o consumo de livros, filmes, músicas e outras produções culturais aumentou, mas isso não significa que os problemas foram superados. Muitas destas obras estão dentro de grandes plataformas de mídia e há pouca ou nenhuma intenção destas de promoverem debates sobre as obras. A lógica toda é baseada no consumo.

“Na prática, o que quero dizer é que o formato de residência artística pode facilmente se ajustar ao funcionamento da agenda de projetos, mesmo que esses projetos cada vez mais se fragilizem com o definhamento das instituições e dos artistas. O perigo é concentrar na agitação cultural um processo mais amplo e que deve ter cada elemento respeitado em sua natureza e temporalidade”, acrescentou Ionaldo mostrando que é preciso fortalecer o campo artístico com estratégias que incluem o pensar, o fazer e o debate não só do que é produzido, mas em que contexto que está inserido.

.

ISOLAMENTO E INTROSPECÇÃO

Neste momento, estamos todos distantes uns dos outros visando a saúde da população. Alguns artistas estão produzindo muito, outros não conseguem produzir nada. Cada um tem um tempo, um processo e uma forma de reagir a tudo isso que está acontecendo. É possível pensar que residência artística pode ser potencializada mais ainda como um momento de encontros e trocas depois de tanto tempo de distanciamento e introspecção?

“Vejo no momento atual uma grande concentração de indefinições. A possibilidade colocada pela pergunta é uma visão esperançosa. Nela, depois do isolamento, o residente tem no deslocamento uma possibilidade de se distanciar ainda mais. Eu quero me juntar a essa visão otimista esperando que a gente, depois de tudo isso, ainda encontre uma forma de escutar melhor o que esse artista tenha para narrar”, finalizou.

.

AS RESIDÊNCIAS

PRÊMIO RESIDÊNCIA ARTÍSTICA BELÉM – Destinado a um artista domiciliado fora do Pará. O premiado receberá uma bolsa para residir e produzir na cidade, sob a orientação do artista e pesquisador Alexandre Sequeira, por meio de seu projeto de pesquisa “Residência São Jerônimo”.

PRÊMIO RESIDÊNCIA ARTÍSTICA RECIFE – Destinado a um artista paraense atuante e/ou domiciliado no Pará por pelo menos três anos. O premiado receberá uma bolsa para residir e produzir na cidade de Recife/PE, sob a orientação da artista visual Ana Lira.

PRÊMIO RESIDÊNCIA ARTÍSTICA FAROL – Destinado a cinco artistas, dois paraenses e/ou residentes no Pará por pelo menos três anos e três de outros estados. Os premiados receberão uma bolsa para residirem e produzirem na Ilha fluvial de Mosqueiro/PA. Eles terão como atelier e local para hospedagem uma residência na Praia do Farol, além da orientação da artista Lívia Aquino.

SERVIÇO:  11º Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia recebe inscrições até 25 de maio. Contatos: (91)98367-2468 e diariocontemporaneodfotografia@gmail.com. Edital e inscrições no site:  www.diariocontemporaneo.com.br. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do jornal Diário do Pará com apoio institucional do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus, SECULT e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática e patrocínio da Alubar.