Uma década dedicada à fotografia

Share This:

Em 2019 o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia comemora uma década de atuação. O edital já foi lançado e as inscrições seguem abertas até 13 de junho sendo realizadas somente pelo site www.diariocontemporaneo.com.br.

Em 2010, na sua estreia, o projeto propôs o tema Brasil, Brasis a partir das diversas identidades contemporâneas que constituem o país. Já em 2014 a temática foi livre e agora, neste ano, o Diário Contemporâneo quer fazer um encontro renovado entre estas edições e propor a livre experimentação artística ao se pensar sobre as transformações que exprimem o país de hoje.

C Nova Feira, de Ionaldo Rodrigues, premiado com a residência artística em 2018.

Em 10 anos de atuação o Prêmio acompanhou diversas transformações na nossa sociedade. Segundo Mariano Klautau Filho, curador do projeto, os trabalhos exibidos “de um modo geral refletem o que ocorre no país, mas sempre a partir das questões propostas em cada edição no sentido de estimular o artista a pensar inicialmente em seus procedimentos e como eles irão traduzir as circunstâncias daquele momento. Esta décima edição toca especialmente em assuntos relacionados às identidades do país propondo um retorno à temática que inaugurou o projeto em 2010. Vamos ver como os artistas reagem a esse contexto”.

.

FORMAÇÃO

O Projeto sempre quis ser mais que um edital, assim o Diário Contemporâneo se esforçou ao longo das edições em proporcionar ações como workshops e oficinas para o público, encontros com os artistas, formação de mediadores culturais e acolhida de turmas escolares nos espaços dos museus. Todo ano, milhares de alunos de nível fundamental e médio passam pelas mostras do Prêmio e são recepcionados por estudantes de Artes Visuais que passaram por um treinamento específico em cima da temática da edição, trabalhos selecionados e formação pedagógica de público crítico.

Um dos maiores exemplos do alcance do projeto é a Mostra Fotográfica “Retratos em Preto e Branco”, realizada há dois anos pelos alunos da Escola de Ensino Médio e Fundamental Cornélio de Barros, do bairro da Marambaia que, inspirados pelo que viram nas exposições, retornam à sala de aula e contam suas próprias histórias através da fotografia.

.

ACERVO

Um dos legados do Diário Contemporâneo é também a sua Coleção de Fotografia Contemporânea que foi formalizada em 2016, após um intenso trabalho de organização sistemática dos trabalhos que o Projeto vinha reunindo desde a sua primeira edição. São fotografias, vídeos, instalações e outras linguagens produzidos por mais de 40 artistas de todas as regiões do país. Uma coleção de fotografia contemporânea que está sob a guarda das duas instituições públicas parceiras do projeto: o Espaço Cultural Casa das Onze Janelas e o Museu da UFPA.

“A coleção criada associa o Prêmio a um projeto mais duradouro e estabelece uma consciência museológica para a produção contemporânea na medida em que o Prêmio só existe na sua relação com os museus e a preservação do patrimônio público. E creio que deve ser uma poucas coleções de fotografia contemporânea brasileira com esse perfil, ainda que seja embrionária”, observou Mariano.

Além disso, no mesmo ano e incorporada à Coleção, através de uma parceria entre o projeto, o Museu da UFPA e a Tenda de Livros, da artista curitibana Fernanda Grigolin, o Diário Contemporâneo constituiu uma biblioteca que reflete um mapeamento da produção artística nacional. São fotolivros de artistas iniciantes e consagrados, muitos deles resultados de pesquisas acadêmicas. A equipe da biblioteca do Museu da UFPA realizou, inclusive, um estudo para aprender como catalogar esse formato novo.

Ionaldo Rodrigues e Ricardo Ribeiro, premiados com a residência, conversam sobre seus trabalhos e as experiências vividas. Foto: Irene Almeida

INTERCÂMBIO ARTÍSTICO

Ao longo dos anos o Diário Contemporâneo descentralizou os debates. “O Projeto vem contribuindo bastante com a circulação de uma produção nacional quando reúne artistas e pesquisadores em torno de atividades das mais diversas desde workshops até conferências e cursos”, disse Mariano.

O fotógrafo paraense Ionaldo Rodrigues acompanhou de perto a trajetória do Prêmio e analisou que “sendo também um projeto de debate e estímulo à produção artística desenvolvido a partir da estrutura de um jornal, eu percebo um diálogo entre o Diário Contemporâneo e o Suplemento Literário publicado na Folha do Norte entre 1946 e 1951. A partir de um outro contexto, acho que o Diário Contemporâneo segue uma linha  de valorização da formação, do debate crítico e da produção estética que coloca Belém numa interação muito produtiva com a cena nacional e internacional. A atenção que o projeto dedica à documentação e à memória do que é produzido durante as edições e a formação de uma Coleção vai oferecer uma base pra no futuro a gente entender a contribuição do Diário na pesquisa e produção fotográfica do nosso tempo, sem localismos ou regionalismos”.

Ionaldo participou da história do Prêmio de diferentes formas, desde como público na primeira edição, até ano passado, quando foi premiado com a residência artística em São Paulo. “Eu estudei sociologia na UFPA e tive o meu primeiro contato com fotografia como forma de expressão na Fotoativa durante a graduação, desde esse momento o que mais me atraiu foi perceber que fotografia podia ser um dispositivo de pensamento e expressão, um laboratório de experimentos em trabalho manual e intelectual. Ter participado do Diário Contemporâneo como público nas oficinas, exposições e atividades formativas, ministrando oficina e como fotógrafo nas mostras foi, pra mim, uma chance de experimentar várias possibilidades do fotográfico e construir um percurso. A publicação de dois trabalhos nos catálogos do projeto com uma mediação crítica foram, também, muito importantes pra mim”, finalizou.

SERVIÇO

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do jornal Diário do Pará com apoio institucional do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática e patrocínio da Alubar.

Diário Contemporâneo abre inscrições para edição de aniversário

Share This:

Estão abertas as inscrições para a 10ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia. Serão oferecidos três prêmios no valor de R$ 10.000,00 cada e as inscrições seguem até 13 de junho sendo realizadas somente pelo site www.diariocontemporaneo.com.br.

A décima edição é um encontro renovado das experiências curatoriais dos anos de 2010 e 2014. Segundo Mariano Klautau Filho, curador do projeto, “em 2010, propusemos pensar o Brasil como uma trama intricada de modos, atitudes, paisagens e falas que se opõem e se complementam.  E em 2019, como andam esses Brasis? Como andam as poéticas visuais atravessadas pela fotografia e as imagens técnicas?”.

Série Palacete Pinho. Foto: Luiz Braga.

>>> Baixe aqui o Edital 2019

Em 2010 o mote foi Brasil, Brasis e o projeto fez o convite para pensar o país e as identidades contemporâneas que o constituem. Já em 2014 a temática livre trouxe a maior diversidade de trabalhos e propostas artísticas em um recorde de inscrições.

“Se por um lado, voltamos, dez anos depois, à temática das identidades do Brasil, tema que marcou a inauguração do projeto, por outro, propomos um campo livre para experiências poéticas que reflitam o país de hoje com suas pautas e urgências a desafiar mais uma vez o artista e as questões identitárias, sejam elas de natureza cultural, social ou estética”, acrescenta.

O JÚRI

A comissão de seleção e premiação será formada por Isabel Gouveia, mestre em Artes Visuais pela UFBA e fotógrafa formada pela ECA/USP, integrante do Fórum dos Produtores Culturais da Fotografia Baiana e da diretoria nacional da Rede de Produtores Culturais da Fotografia no Brasil; Dirceu Maués, doutorando em Artes na Universidade Federal de Minas Gerais e que desenvolve um trabalho autoral nas áreas da fotografia, cinema e vídeo que tem como base de pesquisa a desconstrução do dispositivo fotográfico; e Heldilene Reale, doutoranda do programa de pós-graduação em Artes da UFMG, mestre em Comunicação, Linguagem e Cultura  pela UNAMA, artista, pesquisadora e professora do Curso de Artes Visuais e Tecnologia da Imagem da UNAMA.

INSCRIÇÕES ONLINE

Outra grande novidade desta edição é a inscrição exclusivamente online. Não será mais necessário o envio de dossiês pelo serviço de correios. O candidato interessado deve preencher a ficha de inscrição disponível no link http://www.diariocontemporaneo.com.br/sobre/ e em seguida anexar o dossiê em PDF contendo os seguintes itens: portfólio com as imagens da série proposta, breve apresentação sobre o trabalho, currículo resumido, minibio e dados técnicos de montagem, formato e dimensões para a apresentação da obra. Todos os detalhes sobre a inscrição estão descritos no item 2 do edital.

O PRÊMIO

2019 marca os 10 anos de atuação do Diário Contemporâneo. Ao longo da sua trajetória, o projeto premiou dezenas de artistas, selecionou centenas deles e recebeu milhares de visitantes em suas exposições. O Prêmio também contribuiu para a descentralização das questões sobre arte no país. Há uma década vem lançando proposições e chamando os artistas para o debate, consolidando o Pará como um espaço de criação e reflexão em artes.

O Diário Contemporâneo abre espaço também para propostas em vídeo, instalações, projeções e trabalhos que misturam suportes. O artista poderá inscrever-se livremente e concorrer a qualquer um dos prêmios de acordo com a sua linha de trabalho. Serão selecionados no máximo 18 artistas, incluindo os três premiados. Esta edição comemorativa contará com um número maior de artistas convidados pela curadoria dentre aqueles que participaram ao longo dos nove primeiros anos. Assim, será exibida uma mostra com aproximadamente 30 participantes entre selecionados, convidados e premiados.

SERVIÇO:  X Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia já está com inscrições abertas. Informações: Rua Gaspar Viana, 773 – Reduto. Contatos: (91) 3184-9310; 98367-2468; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com. Edital e ficha de inscrição no link http://www.diariocontemporaneo.com.br/sobre/. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do jornal Diário do Pará com apoio institucional do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática e patrocínio da Alubar.

Diário Contemporâneo inspira mostra estudantil

Share This:

Prestes a comemorar uma década de atuação, o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia inspirou pelo segundo ano consecutivo os estudantes da Escola de Ensino Médio e Fundamental Cornélio de Barros, do bairro da Marambaia, a contarem suas próprias histórias através da fotografia.

Exposição dos alunos no Teatro Estação Gasômetro. Foto: Irene Almeida

A 2ª Mostra Fotográfica “Retratos em Preto e Branco” contou com a participação de 70 estudantes do 1º ano do ensino médio e do 9º ano do ensino fundamental, dos quais 30 foram selecionados para expor na ultima segunda-feira (19), no Teatro Estação Gasômetro. A iniciativa veio a partir de uma proposição do professor de artes José Carlos Silveira depois das visitas às exposições do Diário Contemporâneo.

O projeto sempre desejou ser mais do que apenas um salão de arte. Em seus anos de atuação, o Diário Contemporâneo trabalha a formação, a reflexão e a criação em artes. O resultado pode ser visto em iniciativas como a realizada com os alunos da Escola Cornélio de Barros, que ao retornarem dos museus utilizam o celular, aparelho visto como o “vilão da sala de aula”, como ferramenta pedagógica e narrativa.

Foto premiada de Rickson Garcia

A novidade desta edição ficou por conta da premiação. Novo na escola, Rickson Garcia teve a sua foto premiada. Através dela ele denuncia a insegurança e a violência no bairro da Marambaia. “Meio que eu já tinha isso em mente há um bom tempo, só não estava tendo a oportunidade de fazer e aí quando o professor falou que nós teríamos que tirar uma foto que representasse algo do bairro, veio logo na minha mente isso”, contou.

Rickson se coloca na foto como personagem, olhando o aviso deixado por criminosos em um muro do bairro. O olhar diário à ameaça constante. “Eu não vejo qualquer coisa e saio fotografando, são mais coisas com que eu me represento e que me identifico”, finalizou.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará com apoio da Vale, apoio institucional do Museu da UFPA, Museu do Estado do Pará, Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e colaboração da Sol Informática.

Hoje é o último dia de visitação do 9º Diário Contemporâneo

Share This:

A 9ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia encerra sua visitação hoje após dois meses de exposições abertas. O Museu do Estado do Pará recebe público interessado em ver “Realidades da Imagem, Histórias da Representação” até às 13h, já o MUFPA tem visitação das mostras “Lapso” e “Audiovisual Sem Destino” até às 14h.

Um público de mais de cinco mil pessoas visitou as mostras, sendo mais de três mil delas só de crianças da rede municipal. O júri composto por Walda Marques, Flavya Mutran e Rosely Nakagawa avaliou 300 dossiês de todas as regiões do país. Foram 03 artistas premiados, 23 selecionados e 04 participações especiais.

 

Visitação. Foto: Irene Almeida

A artista convidada desta edição, Flavya Mutran, apresentou um recorte inédito de suas pesquisas sobre arquivos fotográficos e compartilhamentos de imagens via web. A mostra convidada “Audiovisual Sem Destino”, projeto da artista e professora Elaine Tedesco, trouxe a produção contemporânea de videoarte no Brasil. Além disso, palestras, encontros com artistas e oficinas ampliaram a o debate sobre a arte.

Na entrevista a seguir, Mariano Klautau Filho, curador do projeto, faz um balanço desta edição.

Como você avalia esta 9ª edição do Diário Contemporâneo?
Se eu pudesse resumir um ponto positivo como um balanço desta edição seria o fato de conseguirmos chegar ao nono ano de um projeto artístico e cultural que une iniciativa privada a parceiros institucionais públicos (estadual e federal) em um país muito fragilizado institucionalmente em que essas áreas tem perdido força. Isso é uma vitória! Outra coisa foi o envolvimento dos monitores no processo, o acompanhamento com as visitas das escolas e, especialmente, o tipo de convocatória que a curadoria educativa da Cynthia Marques fez que possibilitou um perfil heterogêneo dos monitores. Isso me pareceu muito saudável por eles serem de origens diferentes de formação. Percebi uma nova experiência de abordagem.

Mediadores culturais atuando durante a visitação escolar. Foto: Irene Almeida

E o que foi exibido e debatido pelo projeto?

Tá aí uma boa questão. Ainda estou digerindo tudo o que foi exibido e debatido no projeto. Senti que os trabalhos selecionados, premiados e convidados responderam criticamente e politicamente às proposições lançadas na edição e que em seus discursos não perderam a dimensão poética. De certa forma, refletem questões das pautas atuais e experiências vividas no Brasil. Agradeço em especial aos participantes que vieram falar, conversar, debater, palestrar, discutir a arte e seus papéis no cotidiano e na sociedade: Elaine Tedesco, Flavya Mutran, Marisa Mokarzel, Rosely Nakagawa, Lívia Aquino, Leandro Lage e Ana Lira.

Como foi pensar a exposição para o espaço do Museu do Estado do Pará?

Foi difícil e um grande desafio. Confesso que fiquei tenso com a responsabilidade de construir uma narrativa expositiva no MEP, um museu grande, eloquente e imponente como espaço expositivo. Creio que conseguimos lidar com um espaço muito diferente da Casa das Onze janelas, com a qual trabalhamos desde 2012. Para mim, o MEP foi uma grande experiência curatorial e que foi possível também graças ao apoio e trabalho de Irene Almeida junto comigo, fazendo assistência ao longo de todo o processo.

Os residentes conversam sobre seus trabalhos e as experiências vividas. Foto: Irene Almeida

Quais as expectativas e planos para a edição do ano que vem? Serão 10 anos de Diário Contemporâneo.

Muitas dúvidas e muita vontade de ampliar algumas experiências recentes como, por exemplo, as residências artísticas. Mas para isso tenho conversado muito com interlocutores sobre tais ampliações. Fora a conversa sempre muito profícua com Irene Almeida, Lana Machado e Camilo Centeno, tenho trocado ideias com Marisa Mokarzel, Lívia Aquino e Ana Lira sobre as experiências recentes do projeto. Espero que em um futuro próximo possa estar acompanhado de mais gente para dialogar sobre mudanças e continuidades para que o projeto tenha vida mais longa.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará com apoio da Vale, apoio institucional do Museu da UFPA, Museu do Estado do Pará, Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e colaboração da Sol Informática.

SERVIÇO: Visitação do 9º Diário Contemporâneo encerra hoje. Locais: Museu do Estado do Pará (Praça D. Pedro II, s/n. – Cidade Velha) até às 13h e Museu da UFPA (Av. Governador José Malcher – esquina com Generalíssimo Deodoro) até às 14h. Informações: (91) 3184-9310; 98367-2468; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com e www.diariocontemporaneo.com.br.

9ª Diário Contemporâneo segue com visitação até este domingo (15)

Share This:

Encerrando seus dois meses de exposições abertas ao público, a 9ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia chega aos seus últimos dias. Em 15 de julho (domingo) será encerrada a visitação das mostras no Museu do Estado do Pará e Museu da UFPA. O MEP recebe público interessado em ver ou rever as obras até sexta das 10 às 17h. No sábado e domingo a visitação será das 09 às 13h. Já o MUFPA tem visitação até sexta das 09 às 17h e no final de semana das 10 às 14h.

Visitação escolar. Foto: Irene Almeida

A mostra do Museu do Estado do Pará exibe os trabalhos premiados de Ionaldo Rodrigues (PA), Ricardo Ribeiro (SP) e Edu Marin (SP), os dois primeiros contemplados com residências artísticas em São Paulo e Belém, respectivamente. Além dos selecionados Ana Lira (PE), André Penteado (SP), Camila Falcão (SP), Élcio Miazaki (SP), Emídio Contente (PA), Fernando Schmitt (RS), Fernando de Tacca (SP), Gabriela Lima (RJ), Ivan Padovani (SP), João Castilho (MG), João Paulo Racy (RJ), José Diniz (RJ), Marcelo Kalif (PA), Marcílio Caldas Costa (PA), Marco Antonio Filho (RS), Maurício Igor (PA), Natasha Ganme (SP), Paulo Baraldi (SP), Pedro Clash (SP), Roberto Setton (SP), Sérgio Carvalho (PI), Thiéle Elissa (RS) e Tiago Coelho (RS). À convite da curadoria do projeto os artistas Armando Sobral (PA), Brenda Brito (PA), Lívia Aquino (CE) e Renata Aguiar (AM) também apresentam seus trabalhos no museu.

Visitação no Museu do Estado do Pará. Foto: Irene Almeida

NO MUFPA

A artista convidada deste ano é Flavya Mutran, que exibe no Museu da UFPA a mostra “Lapso” com um recorte inédito de suas pesquisas sobre arquivos fotográficos e compartilhamentos de imagens via web. O MUFPA também acolhe a mostra de videoarte “Audiovisual Sem Destino”, projeto da artista e professora Elaine Tedesco, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Durante todo o período de visitação das mostras, além do público flutuante (aquele que vem sem agendamento prévio), dezenas de escolas da região metropolitana de Belém transitaram no espaço dos museus. Centenas de alunos foram acolhidos pelos mediadores culturais do projeto que estavam prontos para conversar sobre os trabalhos e artistas.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará com apoio da Vale, apoio institucional do Museu da UFPA, Museu do Estado do Pará, Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e colaboração da Sol Informática.

SERVIÇO: Visitação do 9º Diário Contemporâneo segue até este domingo. Locais: Museu do Estado do Pará (Praça D. Pedro II, s/n. – Cidade Velha) e Museu da UFPA (Av. Governador José Malcher – esquina com Generalíssimo Deodoro). Informações: (91) 3184-9310; 98367-2468; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com e www.diariocontemporaneo.com.br.

O olhar para os processos na oficina de Ana Lira

Share This:

Encerrando a programação formativa da 9ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, a fotógrafa e artista visual pernambucana, Ana Lira, ministrou a oficina “Entre-frestas”.

Foto: Irene Almeida

Ana ensinou a manufatura de cadernos que os participantes usaram como diários de trabalho. A diversidade cromática dos cadernos evidenciava o relacionamento com seus projetos. Tons claros, escuros, quentes, frios. Projetos parados, abandonados e por vir. “A ideia é tentar conectar sua temperatura de cor com os projetos que está desenvolvendo. A cor, a gramatura, o tamanho, tudo isso dialoga com a dinâmica que você está atualmente vivendo no seu trabalho. Tudo aqui é uma escolha sua, eu só sou o dispositivo”, explicou a facilitadora.

Entre costuras e tramas, textos de auxílio foram compartilhados. Ana apresentou o trabalho de Dan Eldon, fotógrafo de guerra que desde muito jovem usava o caderno como recurso de memória e comunicação. “Às vezes, é nessa revisão de cadernos que existe o start para um novo projeto ou para voltar a trabalhar em algo que foi abandonado e não desenvolvido”, disse.

Ela reforçou a importância de criar autonomia nos processos criativos para além das demandas do circuito artístico. Na ocasião, cada participante contou um pouco de si e de como lida com seus projetos, compartilhado anotações, desenhos, críticas e personagens.

Foto: Irene Almeida

No decorrer da oficina, Ana ainda propôs o exercício de mapas mentais para que cada participante pudesse investigar a origem dos seus processos e o que eles têm em comum, o que falam e as questões que trazem. “Nós precisamos observar em nossos trabalhos qual a temática de fundo que atravessa todos eles”, acrescentou.

Os últimos dias foram marcados pelo vídeo “O Evento Racial”, uma proposição da socióloga Denise Ferreira da Silva, assistido com os participantes e que ajudou a debater o circuito da arte, a produção de conhecimento, além das desigualdades sociais. “Cada experiencia está relacionada a uma dinâmica de mundo”, afirmou Ana.

Para pensar em como construímos nossas narrativas e nossas histórias ela sentou individualmente com cada participante, observando seus trabalhos e anotações. O que parecia uma leitura de portfólio tradicional, se mostrou uma conversa franca na qual novas reflexões foram trazidas e cada um teve novas perspectivas e questionamentos acerca do que vem desenvolvendo.

VISITAÇÃO

A exposição “Realidades da Imagem, Histórias da Representação” exibe os trabalhos premiados, selecionados e participações especiais da 9ª edição do Diário Contemporâneo. As obras ficam no Museu do Estado do Pará – MEP. Além disso, o Museu da UFPA recebe a mostra individual “Lapso”, com trabalhos de Flavya Mutran, artista convidada e a mostra de videoarte “Audiovisual Sem Destino”, projeto de Elaine Tedesco. A visitação segue até dia 15 de julho.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará com apoio da Vale, apoio institucional do Museu da UFPA, Museu do Estado do Pará, Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e colaboração da Sol Informática.

A fotografia relacional em Roda de Conversa com Ana Lira

Share This:

Ana Lira, fotógrafa e artista visual pernambucana, compartilhou com o público de Belém sua trajetória e pesquisas artísticas. “Narrativas em presentificação: um diálogo com o projeto Terrane” ocorreu na ultima quarta-feira (04), no Museu do Estado do Pará.

Na ocasião, Ana contou sobre seu trabalho e história de vida, situando o público em seus percursos artísticos e pessoais que são constantemente entrelaçados. Antes de abordar “Terrane”, projeto que foi selecionado nesta edição e que é  um diálogo com a trajetória das cisterneiras do semiárido brasileiro, a artista falou sobre “Mandala”, projeto anterior e que trouxe muitos dos questionamentos atuais da fotógrafa. “A industria da seca vende o Nordeste como um território de impossibilidades e o povo nordestino como alguém que precisa ser tutelado pelo estado”, disse.

Foto: Irene Almeida

Ela decidiu compartilhar um pouco do seu incomodo em relação à imagem que o Brasil carrega dos nordestinos. A fotógrafa busca contar outras histórias para reverter essa imagem que vem sendo construída pela industria da seca. Trabalhos de artistas que usam a fotografia como facilitadora na construção de relações afetivas a inspiraram e ela destacou nomes como Miguel Chikaoka, Mateus Sá e Ricardo Peixoto.

Outro tema abordado por Ana foi o circuito artístico. As exigências dele excluem as relações humanas, o que causa um profundo conflito, pois nem sempre um trabalho de vivência e relacional cabe no formato de um edital. “É um questionamento para entender como essas preposições podem ser agregadas às dinâmicas dos concursos”, observou.

Ela conta que mantém uma relação constante com as mulheres cisterneiras e que a internet e as novas tecnologias possibilitaram a manutenção do contato apesar da distancia. “A minha presença na vida delas não era necessária. A gente está juntas porque se gosta. Elas mesmas já se fotografavam e compartilhavam suas fotos. Eu não sou necessária nesse processo, mas a gente construiu um dialogo tão forte que elas me permitem fotografá-las e participar desse processo de pensar um outro Nordeste”, explicou.

Foto: Irene Almeida

Ana pensa seus projetos como experiências de vida. “Eu não desenvolvo projetos artísticos, eu estou vivendo e os projetos estão vivendo comigo. O trabalho se dá à medida em que as relações vão se construindo. Além disso, eu tento fazer uma conexão entre a experiência e a meterialidade dela”, finalizou”

VISITAÇÃO

A exposição “Realidades da Imagem, Histórias da Representação” exibe os trabalhos premiados, selecionados e participações especiais da 9ª edição do Diário Contemporâneo. As obras ficam no Museu do Estado do Pará – MEP. Além disso, o Museu da UFPA recebe a mostra individual “Lapso”, com trabalhos de Flavya Mutran, artista convidada e a mostra de videoarte “Audiovisual Sem Destino”, projeto de Elaine Tedesco. A visitação segue até dia 15 de julho.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará com apoio da Vale, apoio institucional do Museu da UFPA, Museu do Estado do Pará, Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e colaboração da Sol Informática.

Selecionados para oficina com Ana Lira

Share This:

“Entre-frestas”, oficina com a fotógrafa e artista visual Ana Lira, visa promover uma reflexão sobre os circuitos de criação, pensando no cotidiano como espaço de construção permanente.

Foto: Ana Lira

Confira a lista dos selecionados:

  • Andressa Rodrigues Dos Reis
  • Angelica Francisca De Araujo
  • Breno Luz Morais
  • Dairi Paixão
  • Débora Cinthia Rodrigues Monteiro
  • Heldilene Guerreiro Reale
  • Jorge David Ramos
  • Karina Da Silva Martins
  • Lorena Tamyres Trindade Da Costa
  • Mauricio Igor Neves Almeida De Almeida
  • Myrna Castelo Reis
  • Ramon Reis Souza
  • Raphael Da Luz Melo
  • Raphaella Marques De Oliveira (raphíssima)
  • Véronique Isabelle

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará com apoio da Vale, apoio institucional do Museu da UFPA, Museu do Estado do Pará, Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e colaboração da Sol Informática.

Ana Lira participa de roda de conversa pelo 9º Diário Contemporâneo

Share This:

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia encerra sua programação de encontros com os artistas com uma roda de conversa com Ana Lira, fotógrafa e artista visual. “Narrativas em presentificação: um diálogo com o projeto Terrane” ocorrerá no dia 04 de julho, às 19h, no Museu do Estado do Pará. A entrada será franca.

Terrane. Foto: Ana Lira

A artista integra a mostra “Realidades da Imagem, Histórias da Representação” com “Terrane”, um diálogo com a trajetória das cisterneiras do semiárido brasileiro. “Homens migravam para outras regiões em busca de trabalho e não retornavam. Ficavam comunidades formadas por mulheres e crianças à mercê de um imaginário que alimentava relatos de dor e violência, sem oferecer outras perspectivas; e uma cultura que dificultava a atuação de mulheres em profissões de construção, carpintaria, transporte, etc.”, conta

Ana Lira acompanhou o trabalho da Casa Mulher do Nordeste, uma reação à essa cultura que as estagnava em trabalhos que não condiziam com o cenário socioeconômico da região. Centenas de cisterneiras foram formadas. Porém, a falta de espaço no mercado de trabalho e os silenciamentos seguidos produziram um hiato de 10 anos sem formações até o retorno em 2017.

“A roda de conversa abordará as experiências do projeto Terrane como práticas de discussão e abandono do conceito de representação, dialogando sobre outras possibilidades de pensar a imagem como resultado de uma vivência coletiva”, finaliza.

SOBRE

Ana Lira é fotógrafa e artista visual que vive e trabalha em Recife. Seus trabalhos se debruçam sobre relações de poder e implicações nas dinâmicas de comunicação. Os projetos articulam narrativas visuais, material de imprensa, mídias impressas, publicações independentes, intervenções urbanas, textos e projetos educacionais especiais. É especialista em Teoria e Critica de Cultura e, nos últimos anos, também desenvolveu trabalhos de pesquisa independente, curadoria e projetos educacionais articulados com projetos visuais.

SERVIÇO: Roda de Conversa com Ana Lira. Data: 04 de julho de 2018, às 19h. Local: Museu do Estado do Pará. Endereço: Praça D. Pedro II, s/n. – Cidade Velha. Entrada franca. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará com apoio da Vale, apoio institucional do Museu da UFPA, Museu do Estado do Pará, Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e colaboração da Sol Informática. Informações: (91) 3184-9310;98367-2468; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com. Site: www.diariocontemporaneo.com.br.

A força política das imagens em conferência com Leandro Lage

Share This:

O 9º Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia recebeu ontem (28) o professor Leandro Lage para uma conferência com o público de Belém. “Imagem, Política e a Sobrevivência do Desejo” foi realizada no Museu da UFPA.

Ele contou que a vontade de conversar sobre o tema se deu a partir de uma visita à exposição desta 9ª edição e que suas pesquisas atuais dialogam muito com “Realidades da Imagem, Histórias da Representação”, temática escolhida pelo Diário Contemporâneo. “O ponto de partida é o espirito de indignação que não é só meu, mas de todos neste momento que a gente tem vivido”, explicou.

Foto: Irene Almeida

Leandro trouxe fotografias retiradas das páginas dos jornais para debater a força e a necessidade das imagens. “Qual será a dimensão política dessas imagens? Como elas conseguem isso? Como elas se mantém assim? É como se a luta política dependesse de um campo de aparições e visibilidades”, observou.

A ação política instaura o espaço público, ela instaura essa visibilidade pública. A imagem transcende a representação. “De que modo as imagens conseguem capturar e preservar esse espirito de indignação e seus sujeitos?”, questionou.

São imagens que não se detém na representação, não emanam somente um referente, mas o incorporam. O desejo não é só individual, ele é coletivo. Mesmo os levantes individuais vêm de indignações coletivas. “Ha um sentimento que surge e provoca essa resistência, independe de estado e partidos políticos”, disse.

Não basta ser coletivo no sentido de muitos, mas que sejam juntos, unidos. É assim que se perturba o que já está consolidado. A ação política incomoda. O espaço de fluxos se torna o espaço de paradas e de redistribuição de identidades. “As imagens são políticas porque atuam no campo da visibilidade e da sensibilidade”, afirmou.

A resistência é a recusa dos sujeitos de seguir o que lhes foi imposto. Nesse sentido, as imagens atuam agem como lugar de sobrevivência do desejo e se constituem espaços visíveis dessa resistência. “É importante preservar esse espirito de que os corpos possam atuar em aliança”, observou.

A vulnerabilidade deve ser entendida como parte da ação política. “A imagem não é um campo resolvido, ela é um campo de tensões. Então, além de olharmos como as imagens são produzidas, é preciso olhar como elas circulam, pois elas são incorporadas aos diferentes discursos”, finalizou.

VISITAÇÃO

A exposição “Realidades da Imagem, Histórias da Representação” exibe os trabalhos premiados, selecionados e participações especiais da 9ª edição do Diário Contemporâneo. As obras ficam no Museu do Estado do Pará – MEP. Além disso, o Museu da UFPA recebe a mostra individual “Lapso”, com trabalhos de Flavya Mutran, artista convidada e a mostra de videoarte “Audiovisual Sem Destino”, projeto de Elaine Tedesco. A visitação segue até dia 15 de julho.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará com apoio da Vale, apoio institucional do Museu da UFPA, Museu do Estado do Pará, Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e colaboração da Sol Informática.