Seminário “Olhos de Assombro” debateu a necessidade da formação artística e cultural

Share This:

Por: Debb Cabral

Na ultima sexta-feira (27) foi realizada a ultima ação da 5ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia. O seminário educativo “Olhos de Assombro” reuniu estudantes de Artes Visuais, Museologia e funcionários de espaços culturais.

Entre os assuntos abordados estavam a mediação cultural e a importância de se atentar para as necessidades do outro. Essas ideias foram trabalhadas na forma de uma dinâmica, na qual, em duplas, um participante tinha os seus olhos vendados e precisaria da ajuda do outro para guia-lo e cuidar dele, num exercício de confiança.

Fotos: Debb Cabral

Das experiências com as visitas escolares, a Equipe do Educativo percebeu a necessidade de trabalhar o espaço do museu como um lugar que acrescente conteúdos diversos aos estudantes. É importante que educadores e alunos atentem para isso, bem como os espaços culturais. “O papel do museu é explorar os conteúdos da sala de aula”, observou Milena Claudino.

Adriele Silva, Coordenadora da Ação Educativa, ressaltou a importância da arte na educação. “É muito curioso perceber que o primeiro contato com a arte é um momento de encantamento. A questão é: como manter esse encantamento atrelado ao entendimento? Os conhecimentos estão acontecendo simultaneamente”, disse.

Foi unânime a conclusão de que o educador deve encarar o contato com a arte não como um exercício disciplinar, mas como um exercício de experimentação, trabalhando a percepção e a sensibilidade dos alunos. “Quando o professor para de pensar no tradicional e trabalha a experiência a turma tem muito mais a ganhar”, acrescentou Gladis Brito.

Estudante fez uma releitura da foto "Homens brigando na seca", da vencedora série "Ao Lado" de Diego Bresani

A ação encerrou com a ideia de que é necessário discutir os diferentes olhares e que trabalhar isso nas ações educativas é um processo importante de construção de significados.

Criado em 2010, o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é um projeto nacional que incentiva a cultura, a arte e a linguagem fotográfica em toda a sua diversidade.

Diário Contemporâneo convida para bate-papo com Equipe do Educativo

Share This:

Por: Debb Cabral

Desconstruindo o formato tradicional de apresentações de seminários, uma roda de conversa entre o público e os comunicadores do educativo, intitulada “Olhos de Assombro”, debaterá os assuntos apresentados nos resumos de ação dos mediadores. Pretende-se compartilhar o processo de trabalho da Ação Educativa no 5º Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, mesclando as trocas entre teoria e prática. A mesa será constituída por André Vitor Silva Lima, Paula Fernanda Silva de Almeida, Silvia Cruz Peixoto, Vanessa Malheiro Moraes, Ala Lúcia dos Santos Ribeiro, tendo a mediação de Adriele Silva da Silva. O evento ocorre nessa sexta-feira (27), das 14 às 18h, no Museu da UFPA. A entrada é franca.

Abertura Mostra convidada V Prêmio Diário de Fotografia
Foto: Irene Almeida

Durante o período vivido nos espaços culturais (Casa das Onze Janelas e Museu da UFPA) os mediadores tiveram contato com diferentes tipos de público, diferentes obras fotográficas e diferentes leituras. A ação educativa é uma grande troca, e foi isso que os mediadores perceberam nesses dois meses de exposição. A cada nova escola que visitava as mostras, novas leituras e novos conceitos de artes eram trabalhados. No encontro com o público, a Equipe do Educativo mostrará, através da experiência deste ano, que a interação e inserção em diferentes contextos educacionais contribuem para o ensino e para uma vivência artística. A ação objetiva proporcionar um debate entre os estudantes de Artes Visuais, professores e educadores a sobre arte, fotografia, patrimônio e reflexões sobre a cultura. Um novo olhar sobre os espaços expositivos que possibilitaria uma maior interação e aproveitamento dos conteúdos educacionais proposto pelo educador a partir do Museu, espaço alternativo e complementar à escola. SERVIÇO: Diário Contemporâneo convida para bate-papo com Equipe do Educativo. Data: 27 de junho de 2014. Horário: 14 às 18h. Local: Museu da UFPA (Av. Governador José Malcher (esquina com Generalíssimo Deodoro). O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do jornal Diário do Pará, com patrocínio do Shopping Pátio Belém e Vale, apoio institucional da Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus/ Secult-PA, Sol Informática, Instituto de Artes do Pará (IAP) e Museu da Universidade Federal do Pará (MUFPA). Informações: Rua Aristides Lobo, 1055 (entre Tv. Benjamin Constant e Tv. Rui Barbosa) – Reduto. Contatos: (91) 3355-0002; 8367 -2468; premiodiario@gmail.comhttp://www.diariocontemporaneo.com.br.

Horário de funcionamento dos espaços expositivos no feriado

Share This:

Casa das Onze Janelas
Quinta-feira: 10 as 14h
Sexta-feira: horário normal.
Museu da UFPA
Quinta-feira: 10 as 14h
Sexta-feira: normal.

Três perguntas para: Michel Pinho

Share This:

Por: Debb Cabral

A série “Patrimônio” de Michel Pinho, convidada para integrar a Mostra Especial “Pequenas cartografias (e duas performances)” nesta 5ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia apresenta  um relato sobre os campos de concentrações nazistas na Europa.

Confira a entrevista:

Forca de Auschwitz, Polônia. Foto: Michel Pinho

Debb Cabral – Tuas fotografias tem um caráter documental muito forte. Como que é apresentar um trabalho sobre política e história em um prêmio de arte?

Michel Pinho – O trabalho é uma reflexão sobre os espaços que marcaram o século XX, marcaram mesmo com arames, com cimento e dor. A fotografia nesse caso é uma tentativa de levantar uma discussão sobre o que queremos lembrar e o que queremos esquecer. O prêmio de arte é um espaço privilegiado para isso.

Debb Cabral – É uma série que é um questionamento sobre o estado de barbárie pelo qual a humanidade passou. Como falar isso através de imagens?

Michel Pinho – As imagens são reflexos de uma dor, de uma condição humana. Fiquei abalado alguns meses depois que voltei da Polônia, demorei para abrir os arquivos com as fotografias. Elas passaram a ser referência de um incomodo pessoal em relação a dor alheia. Sinto que elas me silenciam.

Debb Cabral – Este ano o Prêmio está completando cinco anos. Como você o avalia?

Michel Pinho – Vi o prêmio nascer, sinto-me honrado de ser convidado pela magnitude que ele ganhou nesses curto prazo. A fotografia paraense chegou em um nível de excelência tal que o prêmio diário é um dos seus maiores interlocutores. Vida longa.

A “Mostra dos artistas premiados e selecionados”, no Espaço Cultural Casa das 11 Janelas; e as exposições “Cidade Invisível”, de Janduari Simões; e “Pequenas cartografias (e duas performances)”, com trabalhos de Marise Maués, Michel Pinho, Cinthya Marques, Rodrigo José, Marco Santos e Luciana Magno; no MUFPA, seguem com visitação até o dia 22 de junho de 2014. A entrada é franca.

Três perguntas para: Felipe Bertarelli

Share This:

Por: Debb Cabral

A série “As Paisagens” de Felipe Bertarelli, selecionada nesta 5ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, mostra lugares da cidade de São Paulo que são fotografados de modo que uma grande massa de escuridão envolva pontos de luminosidade e somente alguns elementos possam ser vistos. Estar perdido é uma sensação constante ao visualizar as fotografias.

Confira a entrevista:

Da série "As Paisagens" de Felipe Bertarelli

Debb Cabral – Nas suas fotografias, as paisagens mostram uma cidade que quase ninguém nota em meio à correria do dia-a-dia. Que cidade é essa?

Felipe Bertarelli – Uma questão recorrente do meu trabalho é registrar a cidade nos momentos onde não existe qualquer presença humana, onde podemos nos deixar levar pelos detalhes que deixamos de prestar atenção. “As Paisagens” retratam os espaços dessa cidade de uma forma quase cênica, onde podemos ver as luzes compondo detalhes, revelando ou ocultando partes desses lugares, mostrando caminhos, possibilidades e nuances que não são perceptíveis durante o dia.

Debb Cabral –  Como que é o processo de produção dessa série? Você tem que observar muito antes de realizar a fotografia, olhar, conhecer a cidade…

Felipe Bertarelli – Durante as séries que produzi anteriormente (os pontos, os carros, os relógios, os túneis, as rotatórias), sempre acabo observando algum detalhe e isso vai se formatando aos poucos, até o momento que realizo os primeiros testes. A partir disso, todos esses lugares que passei começam a ser visitados novamente e fotografados. A série “As Paisagens” foi produzida durante dois anos, gerando um acervo rico de imagens, e após a edição, 33 imagens foram selecionadas para representar este extenso trabalho.

Debb Cabral – Este ano o Prêmio está completando cinco anos. Como você o avalia?

Felipe Bertarelli – A importância do Prêmio é apresentar e dar acesso a imagens que são produzidas nos mais diversos lugares do país, por grandes expoentes da fotografia contemporânea brasileira em um importante polo cultural.

A “Mostra dos artistas premiados e selecionados”, no Espaço Cultural Casa das 11 Janelas; e as exposições “Cidade Invisível”, de Janduari Simões; e “Pequenas cartografias (e duas performances)”, com trabalhos de Marise Maués, Michel Pinho, Cinthya Marques, Rodrigo José, Marco Santos e Luciana Magno; no MUFPA, seguem com visitação até o dia 22 de junho de 2014. A entrada é franca.

Três perguntas para: Rodrigo José

Share This:

Por: Debb Cabral

Pelo segundo ano, além da individual do artista convidado, o Museu da UFPA recebe, também, uma coletiva que traz um recorte do que de novo está se produzindo na fotografia paraense. Veteranos e jovens fotógrafos apresentam ao público seus mais recentes trabalhos. A mostra “Pequenas cartografias (e duas performances)” acentua mais ainda a intenção do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia de valorizar e fomentar a cultura paraense.

“Primavera”, de Rodrigo José é um trabalho desenvolvido no ambiente interno de uma casa, em que as fotografias procuram investigar o lado afetivo de um lugar que estava em via de desaparecer. É uma série em que a fotografia trabalha como um vetor de descobertas que possibilita a reflexão de um universo particular.

Confira a entrevista:

Público observa as imagens de Rodrigo José durante a abertura da exposição. Foto: Irene Almeida

Debb Cabral – Primavera é uma época em que nem o sol e nem a sombra imperam. Como foi o processo de produção do teu trabalho para chegar nessa ideia?

Rodrigo José – “… é necessário sair da ilha para ver a ilha, que não nos vemos se não nos saímos de nós próprios…” trecho do livro “O Conto da Ilha Desconhecida” de José Saramago.
Foi isso o que senti (e pude talvez enxergar) quando passei um tempo longe de Belém, onde se deu o início de tudo. O trabalho não teve um processo de criação definido, ou tampouco questões conceituais, ele nasceu a partir de um necessidade de vida, foi emotivo e visceral.

Debb Cabral – Você participa de uma exposição que apresenta um recorte do que de novo está se produzindo na fotografia paraense. Como você observa isso?

Rodrigo José – Eu não me observo. Faço fotografia por que gosto, ou por que preciso, precisar num sentido de necessidade interior, talvez como uma necessidade existencial. Afinal, costumo dizer que me conheci mais através da fotografia do que em anos de terapia, rs.

Debb Cabral – Este ano o Prêmio está completando cinco anos. Como você o avalia?

Rodrigo José – Eu tenho acompanhado desde seu início, o tempo passou rápido demais, é um prêmio relativamente novo, mas que já possui sua notoriedade dentro do cenário nacional.
A “Mostra dos artistas premiados e selecionados”, no Espaço Cultural Casa das 11 Janelas; e as exposições “Cidade Invisível”, de Janduari Simões; e “Pequenas cartografias (e duas performances)”, com trabalhos de Marise Maués, Michel Pinho, Cinthya Marques, Rodrigo José, Marco Santos e Luciana Magno; no MUFPA, seguem com visitação até o dia 22 de junho de 2014. A entrada é franca.

Três perguntas para: Diego Bresani

Share This:

Por: Debb Cabral

Vencedor do Prêmio Diário de Fotografia, Diego Bresani (DF) é fotógrafo e diretor de teatro, formado em Artes Cênicas. Sua pesquisa atual constitui uma experimentação com as fronteiras entre a fotografia documental e a encenação.

Confira a entrevista:

Público observa as imagens de Diego Bresani durante a abertura da exposição. Foto: Irene Almeida

Debb Cabral: Em que constitui a série “Ao Lado”?

Diego Bresani: A série “Ao Lado” surgiu de uma questão constante que tem em Brasília. Eu sou de Brasília, nascido e criado lá, numa cidade que foi feita para os  carros, a partir da ideia de que a coluna vertebral dela são as vias. Lá, a vida de criança e de adulto é, basicamente, sempre dentro de um carro se locomovendo em Brasília de um lado para o outro. Então, é sempre normal a gente, pela janela do carro, ver situações que acontecem na cidade com pessoas que não estão no carro. Eu comecei a guardar essas imagens.

Debb Cabral: Então todas essas imagens de fato aconteceram?

Diego Bresani: Todas essas imagens existiram de verdade, são imagens reais. O que acontecia, é que eu não andava com a câmera, então parava e anotava num caderno o que tinha na imagem que tinha acabado de ver. Depois eu retorno a esse lugar e com atores reenceno a mesma imagem que vi quando estava passando de carro.

Eu destaco da cronologia real da coisa uma ação que estava acontecendo e isolo-a. A partir dessa ação absolutamente banal, corriqueira ou ordinária eu realoco-a em outro lugar e proponho ao espectador a experiência de criar cada um a sua história, seja um antes ou depois.

Debb Cabral: Você é de Brasília, como que é estar expondo aqui em Belém, mostrar a tua fotografia a partir do olhar daqui do Pará?

Diego Bresani: Eu respeito à fotografia que vem sido feita em Belém há muitos anos. Ela é muito respeitada no Brasil inteiro, a fotografia, as figuras, os fotógrafos e as pessoas que trabalham com fotografia aqui. Pra mim é muito importante e muito especial estar aqui, pois sempre tive Belém como referência e a vi com muito respeito. Esse prêmio foi uma surpresa, porque foi a primeira vez que eu mandei alguma coisa pro Prêmio.

Quando eu recebi a noticia da premiação foi num sábado à tarde, eu fui pra casa, tomei um banho e fui numa vernissage de uns fotógrafos amigos meus. Quando cheguei a vernissage foi como se eu tivesse ganhado o Oscar: todo mundo sábia do prêmio, todo mundo me parabenizou e foi ai que eu vi como o Prêmio tem uma importância nacional, ele é muito reconhecido e é muito valorizado.

A “Mostra dos artistas premiados e selecionados”, no Espaço Cultural Casa das 11 Janelas; e as exposições “Cidade Invisível”, de Janduari Simões; e “Pequenas cartografias (e duas performances)”, com trabalhos de Marise Maués, Michel Pinho, Cinthya Marques, Rodrigo José, Marco Santos e Luciana Magno; no MUFPA, seguem com visitação até o dia 22 de junho de 2014. A entrada é franca.

Janduari Simões e sua fotografia transversal em palestra no MUFPA

Share This:

Por: Debb Cabral

Ocorreu na terça-feira (27) um bate-papo entre Janduari Simões e o público do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, o artista que é o convidado desta 5ª ediçãofalou sobre sua trajetória no Museu da UFPA, lugar que abriga a exposição individual “Cidade Invisível”, que apresenta série inédita de restos da Fábrica Palmeira, em 1975, e a grafia de fachadas populares e apartamentos no centro da cidade.

Janduari começou projetando alguns de seus ensaios, contou como foi a experiência de morar e estudar em Roma, cidade que o encantou. “Foi em Roma que eu comecei a fotografar a rua. Eu comprava filme 35mm pra fotografar a rua”, disse. Nascido em Itabuna, no interior da Bahia, teve de ir para o exterior para poder estudar fotografia como desejava. Autodidata, aprendeu muito do que sabe hoje devorando livros e revistas de fotografia, como a Revista Realidade, que o deixou impressionado com as grandes reportagens fotográficas.

Quando voltou ao Brasil, em Salvador, trabalhou como fotojornalista, mas também buscou participar de grupos de debate sobre fotografia. Com uma trajetória plural e marcada pela inquietação, Janduari se lançou mais uma vez ao novo, ingressou no curso de Artes Visuais.

“A universidade precisa muito de pessoas como você lá dentro. A Acadêmia quase sempre se nutre das coisas que vem do mundo para depois refletir”, observou Alexandre Sequeira e Janduari refletiu que “o curso de Artes Visuais pode ajudar a escolher que caminho tomar, como melhorar a minha visão”.

Na exposição do MUFPA, um recorte da transversalidade do seu arquivo, onde o tradicional e o contemporâneo se encontram e se completam. “Me encantou muito em ver a cidade e eu fiquei me perguntando como isso acontece na cabeça do Janduari”, comentou Maria Christina e o fotógrafo respondeu, “as vezes eu saio de casa sem rumo e a luz me chama a atenção para alguma coisa”.

Ao falar da exposição, Alexandre Sequeira comentou, “eu fiquei muito feliz em ver a Palmeira, mas é incrível o quanto a arquitetura modernista de Belém se perdeu e o paraense parece que tem uma paixão pela memória, apesar de insistir em não valorizar”. O registro da destruição da quadra que abrigava a Fábrica Palmeira foi feito no final dos anos 70, hoje a realização de trabalhos como esse se tornou mais difícil, ao falar sobre a violência em Belém, Janduari concluiu, “a cidade está ficando cada vez mais opressora”.

Criado em 2010, o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é um projeto nacional que incentiva a cultura, a arte e a linguagem fotográfica em toda a sua diversidade.

A “Mostra dos artistas premiados e selecionados”, no Espaço Cultural Casa das 11 Janelas; e as exposições “Cidade Invisível”, de Janduari Simões; e “Pequenas cartografias (e duas performances)”, com trabalhos de Marise Maués, Michel Pinho, Cinthya Marques, Rodrigo José, Marco Santos e Luciana Magno; no MUFPA, seguem com visitação até o dia 22 de junho de 2014. A entrada é franca.

Três perguntas para: Yukie Hori

Share This:

Por: Debb Cabral

A série de cinco crônicas, intitulada “Dedicatórias”, da paulista Yukie Hori, foi a vencedora desta 5ª edição, na categoria Prêmio Diário Contemporâneo. As fotografias recriam memórias, estabelecidas na revisita ao arquivo pessoal, quando são percebidas também, as referências formativas da poética da autora.

Confira a entrevista com a artista:

Da série Dedicatórias, de Yukie Hori

Debb Cabral: Como foi o processo de produção dos teus trabalhos? Cada crônica tem suas características, como foi produzir cada uma?

Yukie Hori: As cinco crônicas foram compostas por fotografias tomadas entre 2008 a 2013 em viagens ao Japão.

A criação dos trabalhos teve início com a seleção das imagens, em revisita ao meu arquivo pessoal. Nesse processo, pude perceber referências que, de alguma maneira, estão presentes em minha poética e achei justo citá-los, dedicando uma crônica para cada autor, respeitando suas respectivas “personalidades”, tentando demonstra-las na escolha do papel, da moldura, da montagem das fotos…

Como não se trata de um ensaio de tema único, mas histórias curtas de duas ou três imagens chamo cada conjunto fotográfico de crônica.

Debb Cabral: Todo ano o Prêmio tem um tema que norteia as mostras, mas este ano não teve. Como foi trabalhar com o Não-tema?

Yukie Hori: Não acho que não houve entre os artistas da mostra um “trabalhar com o Não-tema”. Imagino que essa ausência de tema permitiu aos artistas uma escolha mais livre do trabalho que seria submetido ao Prêmio, liberdade que percebi na variedade de assuntos e misturas de linguagens e meios presentes nas obras selecionadas para a mostra. Acho essa diversidade dá mais conta de um possível panorama da fotografia atual do que uma mostra com algum tema definido.

Debb Cabral: Este ano o Prêmio está completando cinco anos. Como você o avalia?

Yukie Hori: Fiquei surpresa com o número alto de inscritos nesta edição e saber como a boa qualidade dos trabalhos dificultou a seleção do júri. Isso é sinal de que o Prêmio está amadurecendo no circuito da fotografia brasileira e de que a qualidade dos fotógrafos, principalmente dos jovens artistas, esta cada vez melhor.

Participei da primeira edição e agora do quinto, fico muito feliz de fazer parte da história do Prêmio Diário.

A “Mostra dos artistas premiados e selecionados”, no Espaço Cultural Casa das 11 Janelas; e as exposições “Cidade Invisível”, de Janduari Simões; e “Pequenas cartografias (e duas performances)”, com trabalhos de Marise Maués, Michel Pinho, Cinthya Marques, Rodrigo José, Marco Santos e Luciana Magno; no MUFPA, seguem com visitação até o dia 22 de junho de 2014. A entrada é franca.

Tabloide da 5ª edição pode ser baixado gratuitamente

Share This:

Por: Debb Cabral

Desde a sua primeira edição o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia disponibiliza ao público um Tabloide com matérias sobre Premiados, Selecionados, Artista Convidado e Mostra Especial, além de outras mais, produzidas somente para essa mídia.

Foto: Ivan Padovani

A capa desta edição se valeu da estética da série “Campo Cego”, de Ivan Padovani, numa capa minimalista  que destacou a fotografia.

O Tabloide é encartado no Jornal Diário do Pará no final de semana que antecede a abertura das exposições, sempre no domingo, dia de maior circulação e tiragem do jornal; além disso, ele é distribuído na abertura e visitação das exposições e possui o material educativo da edição para ser trabalhado em sala de aula por professores e educadores.

Baixe gratuitamente AQUI!

Criado em 2010, o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é um projeto nacional que incentiva a cultura, a arte e a linguagem fotográfica em toda a sua diversidade.

A “Mostra dos artistas premiados e selecionados”, no Espaço Cultural Casa das 11 Janelas; e as exposições “Cidade Invisível”, de Janduari Simões; e “Pequenas cartografias (e duas performances)”, com trabalhos de Marise Maués, Michel Pinho, Cinthya Marques, Rodrigo José, Marco Santos e Luciana Magno; no MUFPA, seguem com visitação até o dia 22 de junho de 2014. A entrada é franca.