Selecionados para o minicurso de formação para mediadores

Share This:

Por: Debb Cabral

A convocatória para atuar na mediação do VII Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia foi um sucesso. Mais de 90 candidatos se inscreveram. São profissionais, alunos e pessoas interessadas em ajudar, através do diálogo com as obras da Coleção de Fotografias, a propiciar um ambiente favorável para a formação do olhar e uma reflexão entre a arte e o mundo.

Educadores em ação durante a visitação escolar em 2013. Foto: Irene Almeida
Educadores em ação durante a visitação escolar de 2013. Foto: Irene Almeida

O processo seguiu diversas etapas: uma seleção foi realizada, seguida de entrevistas com os interessados. Assim foram selecionados os 18 candidatos que participarão do minicurso “Trajetórias Educativas: por um olhar em expansão”.

São eles:

  • Ana Carolina Reis Farias
  • André Luis Lima Parente
  • Andreia Souza da Silva
  • Andresa Carvalho Lopes Pires
  • Dairilani Paixão de Souza
  • Eliana Benassuly Bogéa
  • Felipe Samir Tavares Damasceno
  • Gisele Rodrigues Guedes
  • Inia Bernadete Pantoja Costa
  • Juliana Dos Santos Martins
  • Lucas da Silva Negrão
  • Maria Ceci Leal Bandeira
  • Paloma Silva da Costa
  • Rodrigo José Castro Correia
  • Shayanne Thays Sousa Duarte
  • Tiago Antunes Freitas
  • Victoria Correa Sampaio
  • Wederson Miguel Lobato Moura

Segundo Cinthya Marques, coordenadora da Ação Educativa, no minicurso “serão abordados os aspectos da Coleção proposta para esta edição e que compõem o projeto deste ano, bem como serão discutidos textos e realizadas dinâmicas de integração do grupo para o desenvolvimento dos percursos educativos e metodológicos que serão adotados durante o período da mediação educativa”.

Desta forma, o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia pretende “consolidar um grupo de educadores que facilitem o diálogo entre as obras e o público visitante da exposição, bem como capacitar estes profissionais para o mercado profissional com a entrega de certificados com carga horária de 12h para todos os participantes do minicurso”, finalizou.

 

Minicurso “Trajetórias Educativas: por um olhar em expansão”

Datas: 12 e 13 de março de 2016

Horário: de 09 às 12h e 14 às 17h (sábado) e 09 às 12h (domingo)

Local: Auditório do Museu de Arte Sacra

Diário Contemporâneo convoca mediadores culturais

Share This:

[INSCRIÇÕES ENCERRADAS]

Por: Debb Cabral

Os museus se dedicam à preservação e divulgação das diversas manifestações artísticas, mas cabe a ação educativa fazer com que esse conteúdo seja disseminado de uma forma criativa e inteligente. O primeiro suporte que o público que visita exposições artísticas encontra é o dos mediadores culturais. Os serviços educativos constituem uma grande importância dentro da democratização cultural, daí a necessidade de se estar bem preparado para receber os visitantes. Pensando nisso, o VII Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia convoca os interessados em desenvolver um trabalho de aproximação do público com as obras que integram a Coleção de fotografia contemporânea brasileira que está sendo constituída a partir do acervo do Projeto. As inscrições podem ser feitas pelo site www.diariocontemporaneo.com.br, no período de 15 a 26 de fevereiro.

banner convocatória de mediadores
Sob a coordenação de Cinthya Marques, “Trajetórias educativas: por um olhar em expansão” selecionará mediadores com disponibilidade de trabalhar durante o período das exposições. O público-alvo são alunos universitários (artes visuais, museologia, comunicação social e demais áreas afins) e profissionais. Após as inscrições e entrevistas presenciais, os inscritos selecionados participarão do minicurso cujo objetivo, segundo Cinthya, “será nortear questões essenciais para a formação do debate sobre o tema, através de discussões voltadas para o contexto histórico, a sensibilização do ponto de vista artístico e sócio-político, tornando questionadores ao público visitante que integra o projeto”.

Após o minicurso serão selecionados os mediadores que irão atuar no projeto pelos próximos meses. Através do trabalho desses educadores, “durante o período de exposição serão propostos percursos educativos para as visitas em prol da sensibilização do olhar a partir das obras do acervo, de modo que o público conheça a Coleção constituída e observe um panorama do Prêmio enquanto espaço de discussão sobre fotografia contemporânea na região Norte”, finalizou.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia realiza em 2016 a sua 7ª edição. Trata-se de um projeto nacional, que em seus anos de atuação contribuiu para a consolidação do Pará como lugar de reflexão e criação em artes, além de proporcionar o diálogo entre a produção local e nacional.

CRONOGRAMA
Inscrições: de 15 a 26 de fevereiro
Seleção/Entrevistas: 04 e 05 de março
Datas do minicurso: 12 e 13 de março, de 09 às 12h e de 14 às 17h
Local: Miniauditório do Museu de Arte Sacra

SERVIÇO: Diário Contemporâneo convoca mediadores culturais. As inscrições podem ser feitas pelo site www.diariocontemporaneo.com.br, no período de 15 a 26 de fevereiro. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do jornal Diário do Pará, com patrocínio da Vale, apoio institucional da Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus/ Secult-PA, Sol Informática e Museu da Universidade Federal do Pará (MUFPA). Informações: Rua Aristides Lobo, 1055 (entre Tv. Benjamin Constant e Tv. Rui Barbosa) – Reduto. Contatos: (91) 3355-0002, 98367-2468, premiodiario@gmail.com e contato@diariocontemporaneo.com.br.

7ª edição nas palavras do curador do Projeto

Share This:

Por: Debb Cabral

Na noite da última terça-feira (02), ocorreu no Museu da UFPA o lançamento da 7ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia. Artistas, curadores, pesquisadores e parceiros do Projeto estiveram presentes para conferir as novidades para este ano de 2016. Na ocasião também foi distribuido o catálogo da 6ª edição.

Confira as imagens:

[nggallery id=43]

Esse ano a edição será especial e diferente de todas já realizadas. Não haverá edital de seleção. A edição de 2016 será especialmente dedicada à Coleção que vem sendo formada desde 2010 e o Diário Contemporêno nunca teve a oportunidade de expor em conjunto. As obras que serão expostas foram doadas para as duas instituições parceiras do Projeto: o Espaço Cultural Casa das Onze Janelas e o Museu da UFPA.

Além das mostras, a programação que contará com oficinas, palestras, workshops e encontros com artistas, terá início a partir da segunda quinzena de março.

Saiba mais sobre a 7ª edição através das palavras do curador do projeto, Mariano Klautau Filho:

Nós chegamos à conclusão de que esse era o momento certo para lançar essa coleção. Tem algo que sempre norteou o projeto: o Diário Contemporâneo não é apenas um evento. Ele tem o objetivo de ser um lugar de formação, para isso realizamos as oficinas, as palestras, os cursos. É um projeto que gera conteúdo para pesquisa em arte e fotografia.

Então, ao instituir a coleção é um ciclo que se fecha. Ao longo desses anos reunimos um conjunto significativo de trabalhos de artistas de diversas regiões do Brasil, incluindo a produção do Pará. Nós só conseguimos realizar isto porque existem duas instituições públicas que têm profissionais capacitados nas áreas de museologia e preservação: o Museu da Universidade Federal do Pará e a Casa das Onze Janelas da Secretaria de Cultura do Estado.

Para possibilitar a exposição dessa produção é muito importante dedicar toda a energia para a organização desse material e, assim, exibi-lo pela primeira vez no seu conjunto. Essa não é uma tarefa fácil. Então, ou nós nos dedicavámos ao edital ou à formalização da coleção com todos os processos que são necessários para o acervo de um museu de arte. É a nossa oportunidade, portanto nesse momento, de lançar a coleção e propor uma programação mais extensa para o VII Diário Contemporâneo de Fotografia.

A base da programação desta nova edição será constituída pelos encontros com os artistas. Teremos sempre um artista de outra região conversando com um artista paraense e mais a presença de um pesquisador para mediar o encontro com o público. Nesse momento, cada artista vai mostrar seus trabalhos, e especialmente aquele que pertence à coleção, bem como sua trajetória. Esse será o eixo principal da programação que contará com oficinas, minicursos e palestras com artistas de Belém e de outras cidades do país.

 

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia trata-se de um projeto nacional que, em seus anos de atuação, contribuiu para a consolidação do Pará como lugar de reflexão e criação em artes, além de proporcionar o diálogo entre a produção local e nacional.

É promovido pelo jornal Diário do Pará e conta com o patrocínio da Vale, além das parcerias da Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus/ Secult-PA, Sol Informática e Museu da Universidade Federal do Pará (MUFPA)

Use a hashtag #DiarioContemporaneo2016 e compartilhe suas publicações

Share This:

Por: Debb Cabral

O VII Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, que tem como destaque a constituição oficial de sua Coleção, está prestes a ser lançado e junto dele vem uma programação imperdível.

Use a hashtag

Oficinas e minicursos ministrados por artistas, pesquisadores e professores; palestras e debates sobre arte, museu, imagem e cidade; além da ação educativa com as escolas, são somente alguns dos destaques dessa edição.

Quem vai participar dessa programação pode dividir, pelo segundo ano consecutivo, os seus cliques e opiniões conosco. Use a hashtag #DiarioContemporaneo2016 em suas publicações nas redes sociais e diga o que você achou.

O álbum da 6ª edição está no nosso site e também em nossa página no Facebook. Ajude-nos a fazer a edição de 2016!

Participe!

Edição de 2016 será lançada nesta terça

Share This:

Por: Debb Cabral

A edição de 2016 do Diário Contemporâneo tem como destaque a constituição oficial da Coleção Diário Contemporâneo de Fotografia. O lançamento ocorre no dia 02 de fevereiro (terça-feira), às 19h, no Museu da UFPA.

Banner 2016

A política de acervo pensada desde a concepção, foi ampliada a partir de 2012, passando a se desenvolver de modo sistemático. O Museu da UFPA e o Espaço Cultural Casa das 11 Janelas, parceiros do projeto, recebem obras de artistas convidados e premiados, respectivamente. Além disso, outros artistas que participaram do Prêmio ao longo de sua existência também doaram obras. Em 2016 o público poderá ver o resultado do processo de unificação desse conjunto de trabalhos sob a guarda das instituições parceiras.

Entre os fotógrafos paraenses que integram a Coleção, podemos destacar alguns nomes como Luiz Braga, Emídio Contente, Wagner Almeida, Ionaldo Rodrigues e Ana Mokarzel. E já no âmbito nacional, artistas como Tuca Vieira, Pedro Clash, Mateus Sá, Renan Teles e Ivan Padovani são alguns dos 46 fotógrafos que possuem obras no acervo.

Confirme presença no evento AQUI.

Criado em 2010, o Diário Contemporâneo chega a sua 7ª edição em 2016. A cada ano um tema foi escolhido, exceto em 2015, cuja temática livre foi permitida. Nesta edição será visto algo totalmente novo.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é um projeto nacional, que em seus anos de atuação contribuiu para a consolidação do Pará como lugar de reflexão e criação em artes, além de proporcionar o diálogo entre a produção local e nacional.

SERVIÇO: Diário Contemporâneo lança edição de 2016. Data: 02 de fevereiro de 2016. Horário: 19h. Local:Museu da UFPA (Av. Governador José Malcher (esquina com Generalíssimo Deodoro). Entrada franca. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do jornal Diário do Pará, com patrocínio da Vale, apoio institucional da Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus/ Secult-PA, Sol Informática e Museu da Universidade Federal do Pará (MUFPA). Informações: Rua Aristides Lobo, 1055 (entre Tv. Benjamin Constant e Tv. Rui Barbosa) – Reduto. Contatos: (91) 3355-0002; 98367-2468; contato@diariocontemporaneo.com.brpremiodiario@gmail.com .

Edição de 2016 será lançada em fevereiro

Share This:

capa evento lançamento

Em 2016 o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia realiza sua 7ª edição. O projeto nacional que incentiva a cultura, a arte e a linguagem fotográfica em toda a sua diversidade, contará com uma extensa programação de palestras, encontros com artistas, oficinas e atividades educativas com as escolas.

O lançamento da edição de 2016  está marcado para o dia 02 de fevereiro, às 19h, no Museu da Universidade Federal do Pará – MUFPA. Após essa data o público encontrará no site www.diariocontemporaneo.com.br mais detalhes sobre a edição.

Diário Contemporâneo 2015 chega à sua reta final

Share This:

Por: Debb Cabral

Depois de dois meses com exposições abertas ao público, a 6ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia chega aos seus últimos dias. No dia 28 de junho (domingo), se encerram as visitações das mostras “Tempo Movimento”, com trabalhos dos artistas premiados, selecionados e participações especiais, no Espaço Cultural Casa das 11 Janelas; e “Diante das cidades, sob o signo do tempo”, de Jorane Castro, artista convidada desta edição, no MUFPA. Toda a programação tem entrada franca.

Foto: Marcelo Costa

O grande destaque do projeto é, com certeza, a sua ação educativa, que leva os alunos das diversas escolas da região metropolitana de Belém para o espaço do museu. Lá eles são recebidos por estudantes universitários que atuam na mediação dos espaços expositivos do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia. É uma constante troca, pois tanto os mediadores, quanto o público, encontram no próximo uma nova maneira de se relacionar com as obras, enxergando-as pelo olhar do outro.

Silvia Nádia Machado, professora da E.M.E.F. Rotary, do bairro da Condor, contou que essa é a quarta vez que ela traz suas turmas para visitarem as mostras do Diário Contemporâneo. Os adolescentes da 7º série quando retornam para a sala de aula fazem relatórios do que viram, “houve um ano em que eles fizeram até maquetes”, contou Silvia.

O Diário Contemporâneo atua em cooperação com essas escolas, para que cada vez mais os alunos tenham a oportunidade da vivência extraclasse. “Eles são carentes dessas atividades voltadas para a sensibilização artística, então o Prêmio tem sido uma grande parceria nesses anos em que estamos vindo”, ressaltou a educadora.

Foto: Luana Leal

Jailson Gonçalves, estudante de Artes Visuais da UNAMA, está atuando pela primeira vez na mediação do Diário Contemporâneo, ele ressaltou a importância de respeitar o tempo de cada um. É um trabalho de equipe, e diariamente os mediadores lidam com o novo, pois cada pessoa é uma experiência diferente e se deslumbra com algo em especifico. “A gente gosta que os alunos interajam, tem sempre aqueles que não gostam de falar, mas é bom estimular a curiosidade. Teve também a vez que nós recebemos uma turma de idosos de surpresa e foi uma experiência muito agradável”, concluiu.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do jornal Diário do Pará, com patrocínio do Shopping Pátio Belém e Vale; apoio institucional da Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus/ Secult-PA, Sol Informática, e Museu da Universidade Federal do Pará (MUFPA).

Três perguntas para: Felipe Ferreira

Share This:

Por: Debb Cabral

Felipe Ferreira (RJ), foi selecionado nessa 6ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, com o trabalho “Sem título (flores e borrifador)”, no qual tenta trabalhar a destruição da imagem como uma ação poética, sugerindo uma fricção entre a representação presente na imagem e a material idade de sua superfície. Através do tensionamento do código fotográfico o vídeo busca trazer uma dimensão contemplativa ao que seriam, inicialmente, gestos banais e efêmeros.

Confira a entrevista com o artista:

De onde surgiu a ideia para realizar esse trabalho?

Eu faço uma pesquisa  sobre uma ideia de uma natureza representada, uma natureza na qual você raramente lida com o selvagem. São representações, objetos de decoração do lar, brinquedos ou imagens, como no caso do vídeo que foi selecionado. Sobre esse trabalho, especificamente, eu tenho essa reflexão sobre o que aquilo está representando e o que aquilo é realmente, eu trabalho geralmente com elementos que já estão pré-associados, mas que acabam gerando uma separação.

Essa pesquisa ainda está em andamento ou já encerrou?

Eu comecei em 2013, o trabalho que foi selecionado é de 2014 e a pesquisa ainda está em andamento.

Cada interferência na imagens dos seus trabalhos usa um material diferente. Como que é o processo até chegar no suporte escolhido?

Varia muito. Às vezes eu já tenho uma ideia dos elementos que eu quero utilizar e como utilizar, mas às vezes é muito aleatório. No caso do trabalho selecionado, a solução saiu de uma pesquisa de outro trabalho que acaba dando certo para esse.  Eu testei tudo o que eu tinha em casa, fui experimentando em cima da fotografia e no final eu cheguei no resultado que queria com essa mistura de água sanitária e água. O borrifador dá bem a ideia do derretimento que eu buscava, pois ele solta as gotículas e não dissolve tudo de uma vez.

——

Criado em 2010, o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é um projeto nacional que incentiva a cultura, a arte e a linguagem fotográfica em toda a sua diversidade.

As mostras “Tempo Movimento”, com trabalhos dos artistas premiados, selecionados e participações especiais, no Espaço Cultural Casa das 11 Janelas; e “Diante das cidades, sob o signo do tempo”, de Jorane Castro, artista convidada desta edição, no MUFPA; seguem com visitação aberta até o dia 28 de junho de 2015. A entrada é franca.

Público lotou o Museu da UFPA no bate-papo com Jorane Castro

Share This:

Por: Debb Cabral

Na ultima quarta-feira (10), ocorreu no Museu da UFPA, o bate-papo “Fotografia, cinema e o tempo”, com a cineasta Jorane Castro, artista convidada desta edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia.

Foto: Luciana Medeiros

Mariano Klautau Filho, que mediou o encontro, acrescentou à atividade cinematográfica de Jorane Castro sua prática artística no campo da fotografia com intensa participação em projetos e exposições especialmente nos anos 80 e 90 e em projetos desenvolvidos pela Fotoativa. “A prática e a percepção fotográficas fundaram de certo modo toda a formação em cinema da Jorane, e a fotografia que ela exercitou naquelas décadas possuía um traço muito forte de ficção, hibridismo de linguagens, experiências narrativas e posturas, digamos assim, anti-documentais. Esse tipo de poética é muito afinado com os trabalhos que muitos artistas realizam hoje com a fotografia. Quando convidei a Jorane para ser artista convidada da 6ª edição do Diário Contemporâneo, pensei especialmente em trazer para o contexto de hoje a particularidade de um trabalho, pouco visto e pouco exibido para somar ao seu ofício de cineasta, bem mais conhecido pelas novas gerações”, observou.

Jorane que nunca imaginou em exibir os trabalhos que integram a mostra “Diante das cidades, sob o signo do tempo”, contou que acabou conhecendo a produção fotográfica paraense por conta de um trabalho da escola. “Quando eu cheguei na Fotoativa e vi que lá havia a possibilidade de expressão poética, eu fiquei. Assim eu fui me envolvendo cada vez mais”, lembrou.

Belém na década de 80 era bem isolada de informações e grupos de pesquisa se tornaram também grupos de afeto, preenchendo as lacunas que a cidade deixava. A informação era dividida e multiplicada. “A diversidade fotográfica paraense hoje tem muito a ver com isso, com esse modo de se relacionar”, afirmou Jorane.

A Jornadas Fotográficas, o antigo Grupo FotoPará e as Semanas Nacionais de Fotografia eram oportunidades de troca, inclusive com fotógrafos de outras regiões do país. “A agitação era muito forte e dava vontade de criar toda hora. A curiosidade e o apego à fotografia do outro foi também muito formador”, disse.

Mariano contou que se surpreendeu ao encontrar no no acervo de Jorane um cotidiano banal e particular em grande volume, se relacionando muito com o que ela se apropriava de filmes. Ao ser questionada em como o cinema tomou à frente do seu trabalho, Jorane lembrou que sempre esteve envolvida com a ficção e a narrativa em seus trabalhos, porém ” o que existia antes eram tentativas. Quando fui para a faculdade que eu comecei a me aprofundar no cinema”.

Foto: Emanoel Loureiro

Ela foi estudar e morar em Paris, uma cidade muito gentil e propicia para quem gosta de cinema. Ao voltar para o Brasil veio realizar filmes na Amazônia. A cineasta não gosta de fazer filmes que busquem afirmar a identidade amazônida de uma maneira autoritária, isso seria cair no regionalismo, segundo ela “o que interessa é se a história do filme é boa, se as pessoas vão gostar e se envolver com ele por duas horas”.  A obra não deve se bastar pelo fato de apresentar essa região tão pouco vista, isso deve ser somente mais uma camada dentro do filme.

Criado em 2010, o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é um projeto nacional que incentiva a cultura, a arte e a linguagem fotográfica em toda a sua diversidade.

As mostras “Tempo Movimento”, com trabalhos dos artistas premiados, selecionados e participações especiais, no Espaço Cultural Casa das 11 Janelas; e “Diante das cidades, sob o signo do tempo”, de Jorane Castro, artista convidada desta edição, no MUFPA;  seguem com visitação aberta até o dia 28 de junho de 2015. A entrada é franca.