Inscrições abertas para curso com Samuel de Jesus pelo 8°Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia

Share This:

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia abriu inscrições para o curso “O corpo ao limite. Fotografia, cinema e práticas extremas contemporâneas”, que será ministrado pelo professor e pesquisador franco-português, Samuel de Jesus. A programação ocorrerá nos dias 29 e 30 de junho, de 09 às 13h das 15 às 18h, no Auditório do Museu de Arte Sacra. As inscrições, que são gratuitas, serão realizadas até 25 de junho, via ficha de inscrição disponível no site www.diariocontemporaneo.com.br. As vagas são limitadas.

David Nebreda. Sem título. Série Autorretratos, 2001-2003

A temática desta 8ª edição do Diário Contemporâneo é “Poéticas e Lugares do Retrato” e a proposta do curso de Samuel de Jesus irá aprofundar ainda mais os debates. Segundo ele, “o tema do curso tem como propósito maior a abordagem da questão da fisiognomonia, em relação às várias obras contemporâneas que vêm desmistificar, impossibilitar um certo pensamento utópico que buscou ‘medir’, em sua época, o indivíduo em função das suas supostas características físicas. Tudo isso em meio a um panorama iconográfico composto por representações de corpos que assombram, até hoje, numerosas obras fotográficas, cinematográficas ou ideográficas”.

A fisiognomia leva em conta as marcas do rosto como indicadores e registros da vida. A face seria, assim, uma exteriorização do que o indivíduo tem dentro de si. O rosto e a personalidade, uma leitura através da face. Conhecer o outro através de seus traços fisionômicos.

“Além disso, o curso discutirá e analisará certas figuras apresentadas ou entendidas como ‘antifisiognonômicas’. Serão assim examinados alguns exemplos que não se podem considerar apenas simples elementos de um catálogo ilustrativo de representações contemporâneas do corpo levado ao limite porque eles se constituem, de fato, enquanto lugares de experimentação que desafiam toda leitura normativa”, acrescentou.
Nessa metodologia, o curso tem como âmbito a oferta de duas palestras. A primeira será dedicada a questão da presença e da representação do sentimento da saudade na fotografia contemporânea e a apresentação do livro que apresenta a pesquisa sobre o tema. A segunda focará especificamente no tema descrito acima e que norteia a pesquisa desenvolvida por Samuel atualmente. O curso oferecerá igualmente duas sessões de ateliê prático de leitura de portfólio.

SOBRE

Samuel de Jesus possui graduação em Diplome National dArts Plastiques.DNAP – Ecole Supérieure des Beaux – Arts. Tours (1999), graduação em Artes plásticas / Téoria das artes pela Universidade de Paris I, Panthéon-Sorbonne (1999), graduação em História das Artes – Universidade de Tours (Université Francois Rabelais) (1998), mestrado em Artes plásticas / Teoria das artes pela Universidade de Paris I, Panthéon-Sorbonne (2006) e doutorado em cotutela em Études cinématografiques et audiovisuelles – Universidade de Paris III (Sorbonne-Nouvelle) / Universidade Federal do Rio de Janeiro (2010), sob a direção de Philippe Dubois e de Consuelo Lins. Desenvolveu um pós-doutorado em artes plásticas, em torno da questão das práticas extremas do corpo nas artes contemporâneas, sob a direção de Sônia Salzstein Goldberg, na ECA/USP. Atualmente é Professor Doutor em História da Arte Contemporânea, na Faculdade de Artes Visuais da Universidade Federal de Goiás e coordenador da programação das artes visuais no Centro Cultural UFG.

AS EXPOSIÇÕES DO DIÁRIO CONTEMPORÂNEO

A exposição “Poéticas e Lugares do Retrato” exibe os trabalhos premiados, selecionados e participações especiais da 8ª edição do Diário Contemporâneo. As obras ficam divididas entre o Museu da UFPA e o Espaço Cultural Casa das Onze Janelas. Além disso, o MUFPA recebe a mostra individual “Interiores”, com trabalhos de Geraldo Ramos, artista convidado. A visitação segue até dia 30 de junho, no MUFPA e 02 de julho, nas Onze Janelas.

SERVIÇO: Diário Contemporâneo inscreve para curso com Samuel de Jesus. As inscrições são feitas pelo site www.diariocontemporaneo.com.br até 25 de junho. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará, com patrocínio da Vale, apoio institucional do Museu da Universidade Federal do Pará, Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e apoio da Sol Informática. Informações: Rua Gaspar Vianna, 773 – Reduto. Contatos: (91) 3184-9310; 98367-2468; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com e www.diariocontemporaneo.com.br.

Os interiores de Geraldo Ramos em conversa com o artista

Share This:

Seguindo a programação da 8ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, o projeto promoveu uma Conversa com Geraldo Ramos, artista convidado deste ano. O encontro ocorreu na noite de 07 de junho, no Museu da UFPA e teve a mediação de Mariano Klautau Filho e Madalena D’o Felinto.

Na ocasião, foram apresentadas imagens de Jean-Baptiste Debret, artista que em sua vasta obra retratou o cotidiano dos escravos e do Brasil Colônia. As gravuras, as pinturas e a etnografia permaneceram na memória e, de certa forma, influenciaram Geraldo Ramos. “Foi o início da minha vida fotográfica mesmo sem fotografar, apenas observando”, disse.

Fotos: Karina Martins

A motivação documental é uma forte característica do trabalho de Geraldo mas, como pode ser visto na mostra individual “Interiores”, o documento e ficção se cruzam constantemente.

Ele compartilhou imagens de sua infância, nas quais se viu também uma Belém que, em parte, não existe mais.  Como visto nos seus registros, a fotografia proporcionou a ele a aproximação com o outro e o compartilhamento de experiências.

Muitas das imagens que compõem a mostra individual são inéditas, pinçadas do arquivo do artista. “O arquivo é dinâmico, a todo momento nós estamos dando um novo sentido a ele”, refletiu Madalena.

O título escolhido para a exposição no Museu da UFPA também foi debatido. “A opção por usar a palavra interior no plural é para dar um sentido mais amplo, uma visão da paisagem geográfica e humana”, finalizou Mariano.

Confira a galeria:

 

AS EXPOSIÇÕES DO DIÁRIO CONTEMPORÂNEO

A exposição “Poéticas e Lugares do Retrato” exibe os trabalhos premiados, selecionados e participações especiais da 8ª edição do Diário Contemporâneo. As obras ficam divididas entre o Museu da UFPA e o Espaço Cultural Casa das Onze Janelas. Além disso, o MUFPA recebe a mostra individual “Interiores”, com trabalhos de Geraldo Ramos, artista convidado. A visitação segue até dia 30 de junho, no MUFPA e 02 de julho, nas Onze Janelas.

SERVIÇO: O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará, com patrocínio da Vale, apoio institucional do Museu da Universidade Federal do Pará, Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e apoio da Sol Informática. Informações: Rua Gaspar Vianna, 773 – Reduto. Contatos: (91) 3184-9310; 98367-2468; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com ewww.diariocontemporaneo.com.br.

A sensibilização do olhar no minicurso que formou a equipe da Ação Educativa

Share This:

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia reservou, em abril, um final de semana inteiro para a realização do minicurso de formação da sua equipe de mediadores culturais. Intitulada “Olhar e ser visto: práticas educativas na poética do retrato”, a ação educativa, sob a coordenação de Cinthya Marques e Rodrigo Correia, aprofunda a discussão a respeito das “Poéticas e Lugares do Retrato”, tema desta 8ª edição do Projeto.

Os coordenadores iniciaram o encontro com uma proposta de olhar o outro. Lápis e papel foram distribuídos e duplas foram formadas. Os participantes conversaram sobre si, suas memórias, experiências e desejos. Ao final, uma pessoa desenhou a outra como a via depois daquele breve diálogo. Este foi o início do relacionamento daqueles que, desde o mês de maio, trabalham em equipe e convivem diariamente.

Belém, Pará, Brasil. Cultura. Olhar e ser visto: práticas educativas na poética do retrato. Formação de mediadores da VIII edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia sob a coordenação de Cinthya Marques e Rodrigo Correia. 22/04/2017. Foto: Irene Almeida.
Fotos: Irene Almeida

“O retrato é um estilo presente em diversos períodos da história da arte e seu uso é comum a todos aqueles que experimentam retratar a si e ao outro”, explicou Cinthya ao passear pelas outras linguagens, como a pintura, antes de chegar a fotografia.

De que forma se pode trabalhar as práticas educativas no cerne do retrato? Como fazer com que as discussões iniciadas nos expositivos sejam ampliadas para a sala de aula? Estas e outras questões foram debatidas em grupo e, ao final, foi compreendido que o caminho norteador para isso será promover a sensibilização do olhar.

Além disso, os textos “Retrato e Sociedade na arte italiana – ensaios de história social da arte”, de Enrico Costelnuovo; “O destino das imagens”, de Jacques Rancière e “Olhar e ser visto – a figura humana da Renascença ao contemporâneo”, de Teixeira Coelho, foram lidos e debatidos em conjunto.

A forma como a sociedade enxerga o retrato fotográfico também foi pautada, uma vez que esta tem certos rituais com a fotografia, que é guardada com todo o cuidado, exibida com orgulho e descartada de forma passional. “A fotografia acaba sendo a materialização simbólica daquele individuo retratado”, observou Rodrigo.

Belém, Pará, Brasil. Cultura. Olhar e ser visto: práticas educativas na poética do retrato. Formação de mediadores da VIII edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia sob a coordenação de Cinthya Marques e Rodrigo Correia. 22/04/2017. Foto: Irene Almeida.

As obras que integram as mostras da 8ª edição foram apresentadas aos participantes do minicurso. Múltiplos olhares, múltiplas reações. Curiosidade, surpresa, rejeição, inspiração e melancolia foram alguns dos sentimentos despertados quando eles se depararam com a poética do outro.

Lucas Negrão, que integra a exposição deste ano, na condição de participação especial, foi da equipe da Ação Educativa no ano passado. Sobre essa experiência ele comentou que “o mais interessante na mediação é a troca, o diálogo entre dois mundos, dois seres que se prestam a fazê-lo”.

Do minicurso nasceu a equipe que trabalha diariamente na ação educativa desta edição. Eles dão suporte ao público visitante e tem como apoio, durante a visitação escolar, as propostas e dinâmicas pedagógicas que integram o tabloide do projeto, provocando questões e possibilitando que esses alunos se vejam como protagonistas, refletindo sobre si e sobre o outro. Além disso, eles participam de ações especiais, como a ocorrida no ultimo domingo (04), durante o Projeto Circular Campina / Cidade-Velha.

VISITAÇÃO

A exposição “Poéticas e Lugares do Retrato” exibe os trabalhos premiados, selecionados e participações especiais da 8ª edição do Diário Contemporâneo. As obras ficam divididas entre o Museu da UFPA e o Espaço Cultural Casa das Onze Janelas. Além disso, o MUFPA recebe a mostra individual “Interiores”, com trabalhos de Geraldo Ramos, artista convidado. A visitação segue até dia 30 de junho, no MUFPA e 02 de julho, nas Onze Janelas.

SERVIÇO: O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará, com patrocínio da Vale, apoio institucional do Museu da Universidade Federal do Pará, Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e apoio da Sol Informática. Informações: Rua Gaspar Vianna, 773 – Reduto. Contatos: (91) 3184-9310; 98367-2468; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com ewww.diariocontemporaneo.com.br.

Diário Contemporâneo convidou o público a Circular

Share This:

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia promoveu na manhã do último domingo (04), uma programação especial no Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, integrada ao Projeto Circular Campina / Cidade Velha.

Foto: Projeto Circular

Os mediadores do Projeto percorram os espaços do Complexo Feliz Lusitânia convidando todos a visitarem as exposições e sentarem-se à mesa que foi posta na varanda do museu, oferecendo ao público atividades de desenho e pincel de luz.

Adultos e crianças ficaram maravilhados com a técnica do pincel de luz, prática que consiste na realização de desenhos no papel fotográfico que já teve contato com a luz, usando um pincel umedecido com o revelador fotográfico. A “tinta invisível” se mostrou objeto de curiosidade por parte dos participantes.

O público foi formado por famílias que passeavam na manhã de domingo, turistas, participantes do Circular e, ainda, de turmas escolares vindas do interior do estado para participar da XXI Feira Pan-Amazônica do Livro e que aproveitaram a passagem pela capital paraense para visitar os museus.

Confira a galeria:

AS EXPOSIÇÕES DO DIÁRIO CONTEMPORÂNEO

A exposição “Poéticas e Lugares do Retrato” exibe os trabalhos premiados, selecionados e participações especiais da 8ª edição do Diário Contemporâneo. As obras ficam divididas entre o Museu da UFPA e o Espaço Cultural Casa das Onze Janelas. Além disso, o MUFPA recebe a mostra individual “Interiores”, com trabalhos de Geraldo Ramos, artista convidado. A visitação segue até dia 30 de junho, no MUFPA e 02 de julho, nas Onze Janelas.

SERVIÇO: O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará, com patrocínio da Vale, apoio institucional do Museu da Universidade Federal do Pará, Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e apoio da Sol Informática. Informações: Rua Gaspar Vianna, 773 – Reduto. Contatos: (91) 3184-9310; 98367-2468; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com ewww.diariocontemporaneo.com.br.

Selecionados para a oficina com Valério Silveira

Share This:

A oficina “O Retrato e o Tempo”, com Valério Silveira, é uma ação do 8º Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia que tem como objetivo incentivar e fomentar a educação e a pesquisa no campo da fotografia.

Foto: Valério Silveira

Todos os inscritos receberam comunicação via email informado na ficha de inscrição. É imprescindível a confirmação do recebimento do email e a participação na oficina até segunda-feira (05) pela manhã. O não retorno será entendido como desistência.

Confira a lista dos selecionados:

  1. Alesson da Silva Barros
  2. Aline Carneiro Bezerra
  3. Aline da Silva Lima
  4. Amanda Barros Melo
  5. Antônio Augusto Ferreira
  6. Beatriz Araújo
  7. Bethania da Cunha Salgado
  8. Carla Augusta da Silva Barroso
  9. Chrystian Figueiredo
  10. Deia do Socorro Pinheiro Lima
  11. Diego de Queiróz Barbalho
  12. Eder Augusto Coutinho Proença
  13. Eduardo Magalhães de Castro
  14. Felipe Matheus conceição brito
  15. Felipe Samir Tavares Damasceno
  16. Fernando José Paranhos de Almeida
  17. Franciney Carvalho Palheta
  18. German Felipe Tapia Riveros
  19. Helisama Mercês Lobato de Abreu
  20. Jade Pureza Santos
  21. Janderson Costa Gonçalves
  22. João Daniel Ferraz Santos
  23. Karla Rocha de Farias
  24. Letícia Araujo Cordeiro
  25. Lucyeny Maria Carvalho de Abreu Rosa
  26. Luis Gustavo Barros Azevedo
  27. Marcélia Cristina Silva Rosário
  28. Marcelo Kalif
  29. Maria do Socorro Chuva Simonetti
  30. Maria Eliza Marçal Bentes
  31. Nina Daia Carvalho dos Santos
  32. Rafael Augusto Canelas Aguilera
  33. Rafael Fernando Serrão Chaves
  34. Rao Godinho
  35. Rogério Migdon Vieira da Silva
  36. Rosana Maria Rodrigues Crespo Teixeira
  37. Ruan Pinheiro Peçanha
  38. Ursula Bahia
  39. Vanessa Cardoso Gama
  40. Vanessa de Fátima Fernandes Vinagre
  41. Ylen Braga Brito

Diário Contemporâneo realiza Conversa com Geraldo Ramos

Share This:

O jornalista com formação em artes visuais, Geraldo Ramos, é o artista convidado da 8ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia e se destaca como um dos grandes documentaristas da região amazônica. O projeto realiza no dia 07 de junho, às 19h, no Museu da UFPA, uma conversa com o artista. A entrada é franca.

Foto: Geraldo Ramos

Geraldo Ramos exibe, na mostra individual “Interiores”, um passeio pelas suas paisagens da memória. Sobre o nome da exposição, o curador do projeto, Mariano Klautau Filho explicou que “o título partiu de uma característica muito forte no trabalho de Geraldo, que é sua incursão por décadas pela paisagem cultural, pelos rituais, festas e manifestações nas cidades do interior do estado. A Marujada, o Boi, as máscaras utilizadas nas festas de São Caetano de Odivelas, e a própria paisagem humana são cenas fotografadas de maneira muitas vezes intimista. Dessa forma, o sentido da palavra no plural dá a ideia de um interior geográfico, mas também de uma visão mais interiorizada sobre a paisagem humana”.

O Boi, de São Caetano, “é representante da cultura popular do município e, a mais ou menos vinte anos atrás, quando eu o fotografei, já notava que ele era a manifestação mais importante que se tinha lá”, lembrou Geraldo.

“Trata-se de um trabalho de cunho documental, que tem interesse pelo registro dos lugares e ritos, mas também muito refinado na composição e na observação sobre as representações culturais da nossa região. Fazem parte também uma série em preto e branco captada em Belém voltada para o retrato e a cultura visual dos mercados e feiras em bairros mais populares da cidade”, acrescentou Mariano.

Painéis em Cametá. Foto: Geraldo Ramos

Entre as imagens de Belém que integram a mostra o artista destacou as produzidas na Pedreira, desde um bar instalado no mercado, até a Festa de São Pedro, padroeiro do bairro. “O que eu gosto mesmo de fazer é o trabalho em cima da cultura popular. Ir para o interior ou mesmo aqui na cidade, nos bairros mais periféricos, onde ainda se encontram as tradições de um catolicismo popular”, finalizou Geraldo.

-> Confirme presença no evento

No encontro com o artista, Geraldo falará sobre sua trajetória, processos e apresentará ao público alguns dos trabalhos quem vem desenvolvendo.

SERVIÇO: Diário Contemporâneo realiza Conversa com Geraldo Ramos. Data: 07 de junho de 2017, às 19h. Endereço: Av. Governador José Malcher – esquina com Generalíssimo Deodoro). Entrada franca. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará, com patrocínio da Vale, apoio institucional do Museu da UFPA, Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e apoio da Sol Informática. Informações: Rua Gaspar Vianna, 773 – Reduto. Contatos: (91) 3184-9310; 98367-2468; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com e www.diariocontemporaneo.com.br.

Diário Contemporâneo realiza programação especial no Circular

Share This:

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia tem como objetivo ser mais do que uma premiação artística, ele deseja ser um convite a habitar o espaço dos museus. Pensando nisso, o projeto promoverá neste domingo (04), das 09 às 13h, uma programação especial para as crianças no Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, integrando o Projeto Circular Campina / Cidade Velha. A entrada é franca.

Foto: Projeto Aparelho

O Circular é um projeto independente que visa a revalorização do Centro Histórico de Belém, por meio da arte, educação, cultura e trabalho em comunidade. Em junho de 2017 ocorre a sua 17ª edição. O Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, parte integrante da memória da cidade, está tradicionalmente na rota do projeto.

Segundo Cinthya Marques, da coordenação da Ação Educativa do 8º Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, a programação contará “com atividades de desenho voltadas para o público infantil e também com pincel de luz para o público infanto-juvenil. Praticas semelhantes a essa já vem sendo desenvolvidas em visitas especiais como quando recebemos as crianças atendidas pelo coletivo Aparelho do Porto do Sal. A programação contará com a participação de todos os educadores do projeto divididos em dois grupos, atuando no espaço da exposição e no ambiente externo”, explicou.

Foto: Projeto Aparelho

Para participar não será necessário realizar inscrição previa. As atividades serão abertas às crianças e jovens interessados, em livre demanda. Além das propostas já citadas, os dois coordenadores, Cinthya e Rodrigo Correa, desenvolveram outras que se integram às obras exibidas na exposição e que compõem o tabloide do projeto, distribuído gratuitamente na mostra.

AS EXPOSIÇÕES DO DIÁRIO CONTEMPORÂNEO

A exposição “Poéticas e Lugares do Retrato” exibe os trabalhos premiados, selecionados e participações especiais da 8ª edição do Diário Contemporâneo. As obras ficam divididas entre o Museu da UFPA e o Espaço Cultural Casa das Onze Janelas. Além disso, o MUFPA recebe a mostra individual “Interiores”, com trabalhos de Geraldo Ramos, artista convidado. A visitação segue até dia 30 de junho, no MUFPA e 02 de julho, nas Onze Janelas.

SERVIÇO: Diário Contemporâneo realiza programação especial no Circular. Data: 04 de junho de 2017. Horário: 09 às 13h. Local: Espaço Cultural Casa das Onze Janelas (Praça Frei Caetano Brandão s/n – Cidade Velha). Entrada franca. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará, com patrocínio da Vale, apoio institucional do Museu da Universidade Federal do Pará, Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e apoio da Sol Informática. Informações: Rua Gaspar Vianna, 773 – Reduto. Contatos: (91) 3184-9310; 98367-2468; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com e www.diariocontemporaneo.com.br.

[ENCERRADO] “O Retrato e o Tempo” – Oficina com Valério Silveira está com inscrições abertas

Share This:

As mostras do 8º Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia seguem com visitação aberta ao público. Além disso, o projeto inscreve até dia 02 de junho para a oficina “O Retrato e o Tempo”, ministrada pelo professor de artes visuais, desenhista e fotógrafo, Valério Silveira. A programação ocorrerá de 05 a 08 de junho, das 15 às 18h, no Espaço Cultural Casa das Onze Janelas. As inscrições, que são gratuitas, são realizadas via ficha de inscrição disponível no site www.diariocontemporaneo.com.br. As vagas são limitadas.

Foto: Valério Silveira

A temática desta 8ª edição do Projeto é “Poéticas e Lugares do Retrato” e a partir dela Valério irá trazer questões e exercícios usando outros sentidos da percepção visual. O tempo da fotografia é o instante do clique ou ele ocorreu antes, no momento do olhar? Ou depois, na fixação da imagem? Como medir o tempo da fotografia? E que tempo é esse que a fotografia mede?

“A fotografia é um recorte luminoso da vida, no tempo e no espaço. Sendo, na maioria das vezes, o tempo e espaço variáveis que têm níveis desiguais de nossas percepções. A fotografia suscita muitas questões sobre o espaço, e muitas vezes nos esquecemos de questionar o tempo, o seu tempo. Será que a captura fotográfica sempre representará um tempo passado? E no retrato, sempre será pretérito? O alguém que já passou e que já esteve? O que é o tempo no retrato? Sempre um clique será anterior a sua atualidade? Mas em relação a sua memória, o retrato pode ser posterior? Quais os tempos de um retrato? Execução, conservação e existência”, refletiu Valério Silveira.

O objetivo da oficina será proporcionar um diálogo sobre o retrato e suas práticas, usando a interpretação do tempo como elemento prioritário para a discussão e produção da imagem. “Alguns retratos trazem significados temporais que não veremos mais a não ser nele mesmo, e que vai variar de acordo com quem os observa. E é em busca desses significados que essa oficina se propõe a dialogar, exercitar e se materializar sobre o que nos diz ‘O Retrato e o Tempo’”, finalizou.

O FOTÓGRAFO

Valério Silveira é professor de artes visuais, desenhista e fotógrafo, aficionado por imagens e arte. Mestrado em educação na Universidade UFPA, com pesquisa na área da fotografia e da infância na cidade de Belém do Pará, na primeira metade do século XX. Em seu trabalho procura fugir do óbvio, e driblar as convenções da realidade. Sua produção fotográfica tende ao viés artístico.

AS EXPOSIÇÕES DO DIÁRIO CONTEMPORÂNEO

A exposição “Poéticas e Lugares do Retrato” exibe os trabalhos premiados, selecionados e participações especiais da 8ª edição do Diário Contemporâneo. As obras ficam divididas entre o Museu da UFPA e o Espaço Cultural Casa das Onze Janelas. Além disso, o MUFPA recebe a mostra individual “Interiores”, com trabalhos de Geraldo Ramos, artista convidado. A visitação segue até dia 30 de junho, no MUFPA e 02 de julho, nas Onze Janelas.

SERVIÇO: Diário Contemporâneo inscreve para oficina com Valério Silveira. As inscrições são feitas pelo site www.diariocontemporaneo.com.br até 02 de junho. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará, com patrocínio da Vale, apoio institucional do Museu da Universidade Federal do Pará, Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e apoio da Sol Informática. Informações: Rua Gaspar Vianna, 773 – Reduto. Contatos: (91) 3184-9310; 98367-2468; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com e www.diariocontemporaneo.com.br.

Oficina com Alex Oliveira faz a fotografia ocupar a cidade

Share This:

O fotógrafo e artista visual, Alex Oliveira, foi selecionado para participar da mostra “Poéticas e Lugares do Retrato”, do 8º Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia. O Projeto aproveitou a passagem dele pela capital paraense para oferecer ao público uma programação formativa. “Fora do Lugar – Oficina de Fotografia Contemporânea”, foi realizada de 09 a 12 de maio e contou com uma metodologia que foi desde a história da fotografia até a exposição de imagens nas ruas do centro da cidade.

No primeiro dia de atividades, Alex conversou com o grupo, contou sobre sua trajetória e comentou trabalhos de outros artistas como Berna Reale, Edu Monteiro, Cindy Sherman, Alexandre Mury, Duane Michals, Francesca Woodman, Nan Goldin, Shirin Neshat, Ricardo Alvarenga, Nona Faustine e Michelle Mattiuzzi. “A metodologia da oficina é pensada a partir de aulas teóricas e práticas, buscando o compartilhamento de experimentações que derivam da história da fotografia até os diferentes trabalhos de fotógrafos e artistas contemporâneos, numa busca por ampliar as referências visuais dos participantes, apurando o olhar para os acontecimentos cotidianos capazes de nortear uma produção que mescla fotografia, performance e intervenção urbana”, explicou o fotografo.

Fotos: Irene Almeida

No dia seguinte a ação foi na rua. Os participantes saíram do auditório do Museu de Arte Sacra, onde foi realizada a oficina, e partiram rumo ao Ver-o-Peso e ruas da Cidade Velha. “Neste caso específico, a produção de imagens visou estabelecer uma relação direta com o espaço urbano, seja nos possíveis deslocamentos de objetos, pessoas e situações encontrados durante a saída a campo, como também em situações e acontecimentos criados pelos participantes, numa busca por uma atitude que visa dialogar e transmitir diferentes sentidos e informações”, acrescentou.

Quando se sai em busca de imagens deve se estar aberto ao imprevisível. A cidade é como uma grande performance que ocorre ininterruptamente. A fotografia é, então, o registro desse movimento frenético. Marcelo Brasil, professor, contou que “a oficina propôs uma abrangente discussão sobre a produção de imagens na contemporaneidade, passando pela história da fotografia, a relação desta com a performance, a intervenção urbana e o deslocamento de realidades”.

O espaço urbano é vivo e pulsante. “A cidade pode ser considerada a partir de um olhar, ou olhares, que passam a visualiza-la como uma ação que se desenrola sem roteiro pré-estabelecido, no qual cabe o fotógrafo/artista buscar desenvolver um corpo aberto e uma escuta ativa que possa ser atravessada por questões, pessoas e encontros ao acaso, que, de antemão, poderiam passar despercebidas”, disse Alex.

Em sua trajetória, Alex Oliveira tem um trabalho de performance bem extenso, mas a maior característica dele é o fato de que as suas diferentes séries só foram possíveis graças à relação com o outro, aos vínculos e às conexões pessoais estabelecidas. “Meu interesse com a oficina foi nortear um olhar apurado para estas relações, visando uma abertura para as experimentações e processos de criação que utilizem a cidade como um campo aberto, capaz de trazer e levantar questões que falem tanto de si, quanto do outro, ou até mesmo de como estas relações são construídas”, explicou.

Uma vez produzidas as imagens, o terceiro dia da oficina foi dedicado ao olhar conjunto, numa espécie de curadoria coletiva na qual foram compartilhadas impressões, críticas e sugestões.

A fotógrafa, Joyce Nabiça, contou que “o que eu mais gosto é dessa relação de troca de conhecimentos, porque eu sempre vou ter alguma coisa para colaborar e as outras pessoas também sempre terão alguma coisa para me doar. Quando o Alex apresentou o trabalho dele e de outras pessoas que interferem no meio urbano, de certa forma isso acabou abrindo a nossa mente para o lugar onde nós vivemos e que não reconhecemos. Nós começamos a ficar mais sensíveis, como eu, que percebi nas minhas imagens a questão forte dos rios, pois eles fazem parte do espaço urbano de Belém e da dinâmica natural da cidade”.

A fotografia foi, então, o vetor de comunicação direta com o entorno. Assim, retirar as imagens e não as devolver não fazia sentido para a proposta do artista. Segundo ele, a importância dessa ação “vem do interesse por pensar numa produção fotográfica que possa não somente captar, registrar e expor em museus e galerias, mas também no espaço urbano, estabelecendo assim, um ciclo criativo que envolve a produção, edição, curadoria e exposição fotográfica – que passa a ser materializada a partir do retorno das imagens para a cidade. Como estas fotografias são recebidas pelas pessoas que convivem diariamente naquele ambiente? Como as imagens podem despertar o imaginário e a memória dos transeuntes e passantes? Estas e outras questões perpassam as motivações e interesses da oficina”, afirmou Alex.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia expõe as suas obras em dois museus da capital paraense, o Espaço Cultural Casa das Onze Janelas e o Museu da UFPA, e desde a sua primeira edição tem investido no acesso à arte. A oficina de Alex Oliveira vem de encontro a esse propósito, pois o resultado da saída fotográfica e da curadoria compartilhada foi devolvido a cidade em imagens no formato “lambe-lambe”, afixadas próximas aos locais de sua realização.

“A exposição das imagens nas cidades visa democratizar o acesso à arte fotográfica para além dos museus e galerias, que geralmente é habitado por uma grande maioria do público especializado das artes, levando a fotografia para habitar, mesmo que de forma efêmera e temporária, a cidade e seus respectivos espaços. No caso da oficina, as fotografias serão expostas em contextos que são marcados por uma grande produção imagética, como o Ver-o-Peso, a Feira do Açaí e a Cidade Velha”, finalizou Alex.

VISITAÇÃO

A exposição “Poéticas e Lugares do Retrato” exibe os trabalhos premiados, selecionados e participações especiais da 8ª edição do Diário Contemporâneo. As obras ficam divididas entre o Museu da UFPA e o Espaço Cultural Casa das Onze Janelas. Além disso, o MUFPA recebe a mostra individual “Interiores”, com trabalhos de Geraldo Ramos, artista convidado. A visitação segue até dia 30 de junho, no MUFPA e 02 de julho, nas Onze Janelas.

SERVIÇO: O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará, com patrocínio da Vale, apoio institucional do Museu da Universidade Federal do Pará, Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e apoio da Sol Informática. Informações: Rua Gaspar Vianna, 773 – Reduto. Contatos: (91) 3184-9310; 98367-2468; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com ewww.diariocontemporaneo.com.br.

Diário Contemporâneo promoveu o compartilhamento das residências artísticas

Share This:

O último evento da programação da abertura das mostras da 8ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia foi uma “Conversa com os Residentes”, da qual participaram Hirosuke Kitamura e Guido Couceiro Elias, além de seus respectivos tutores, Alexandre Sequeira e Lívia Aquino. O encontro ocorreu na noite de 06 de maio, no Espaço Cultural Casa das Onze Janelas e teve a mediação de Mariano Klautau Filho.

A residência artística, novidade desta edição, surgiu da inquietude do Projeto. “A ideia da residência vem da necessidade de experimentação e do incomodo de poder estar numa espécie de piloto automático, repetindo um modelo. A residência é um procedimento cada vez mais importante para a arte contemporânea”, afirmou Mariano.

Foto: Irene Almeida

A figura de um tutor, ou um pesquisador para acompanhar esse residente foi essencial, pois promoveu o debate e a reflexão. Segundo Lívia Aquino, sua atuação foi de orientação e provocação do artista. “O meu processo com o Guido foi direcionar ele a lugares em que ele pudesse ativar a sua percepção, sempre levando em conta o seu desejo artístico e a sua pratica”, contou.

O que é possível praticar em uma experiência que te desloca para um outro campo de ação e ambiente? Guido Couceiro Elias se relacionou com a cidade de São Paulo através das palavras. Ele escreveu a fotografia. “Eu notei que dava para fazer as imagens que eu estava vendo através da escrita. Comecei a escrever para continuar o processo iniciado pela fotografia e, quando percebi, fiquei mais próximo das pessoas através das palavras”, lembrou o artista.

MERGULHAR NA CIDADE

Em Belém, Alexandre Sequeira recebeu Hirosuke Kitamura em sua casa. O tutor observou que “o Prêmio, através da residência, oportuniza ao artista entrar em contato com um outro território. Os trabalhos que eles inscreveram foram premiados e estão na parede expostos, isso proporcionou um não compromisso com o resultado e sim com a experiência. Para mim, isso é interessante, pois eu também reflito como artista”, disse.

Hirosuke veio a Belém e imergiu na cidade, absorveu dela o máximo que pode, mas sempre com um movimento de retorno e de estabelecimento de relações. Ele conviveu intensamente com pessoas que não costumam habitar o espaço dos museus, mas que também tinham muito a contribuir.

O artista produziu centenas de imagens durante o período da sua residência e disse, “gostei muito de ter vindo na época das chuvas, porque eu pude ver como as pessoas convivem com ela de maneira natural. Eu consigo ter acesso a uma relação mais aberta com as pessoas e com o ambiente, sem máscaras”, finalizou.

Algumas das imagens que Hirosuke fez foram devolvidas a cidade em formato lambe lambe, afixadas em locais próximos aos da sua produção e daqueles com que o artista se relacionou.

VISITAÇÃO

A exposição “Poéticas e Lugares do Retrato” exibe os trabalhos premiados, selecionados e participações especiais. As obras ficam divididas entre o Museu da UFPA e o Espaço Cultural Casa das Onze Janelas. Além disso, o MUFPA recebe a mostra individual “Interiores”, com trabalhos de Geraldo Ramos, artista convidado. A visitação segue até dia 30 de junho, no MUFPA e 02 de julho, nas Onze Janelas.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará, com patrocínio da Vale, apoio institucional do Museu da Universidade Federal do Pará, Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e apoio da Sol Informática. Informações: Rua Gaspar Vianna, 773 – Reduto. Contatos: (91) 3184-9310; 98367-2468; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com e www.diariocontemporaneo.com.br.