Cianotipia encanta alunos

Share This:

> Imagem obtida por meio da Cianotipia: azul intenso

Depois de realizados os procedimentos necessários para a impressão da imagem por meio da técnica da cianotipia, a espera. Por vezes são necessários até dois dias para se obter o resultado desejado da sedutora imagem azul. Durante a oficina “Processos da Cianotipia”, ministrada por Eduardo Kalif, os alunos aprenderam a lidar com o tempo, e também a refletir sobre o tempo. A maneira de obtenção e reprodução de imagens tem pelo menos dois objetivos – se pensado qual o sentido de ensinar um método artesanal do século XIX, já que existe um sem-número de tecnologias digitais disponíveis: aprofundar a reflexão acerca da produção desenfreada de imagens e criar propostas contemporâneas para o uso da técnica secular de impressão negativo-positivo.

O ministrante destacou que “a tecnologia permite pouca reflexão, já que facilita a produção, já a artesania favorece o tempo de construção da imagem em várias etapas”. Kalif também realçou o caráter plástico da técnica  e o diálogo com a arte contemporânea. “Aprender todas as etapas é diferente de apertar um botão. O artesanal tem o encantamento, a magia. A imagem pode nem estar boa, mas o processo é prazeroso”, disse.

Para um público diversificado, Kalif achou prudente iniciar a oficina por meio de uma breve explanação sobre os primeiros processos fotográficos. Inventada por John Herschel, na Inglaterra, em 1840, a Cianotipia funciona com de sais de ferro como substâncias fotossensíveis. Afinal, o laboratório fotográfico é também um laboratório de química. Os produtos utilizados são: água destilada, citrato de ferro amoniacal verde, ferricianeto de potássio e gelatina sem sabor. Em duas soluções, as substâncias misturadas servem para sensibilizar as matrizes como papel e tecido, que ficam com uma cor amarelada. Logo após, a imagem do negativo é colada entre uma chapa de vidro e a o suporte escolhido para impressão.

O próximo passo é a exposição à luz do sol. Com as manhãs nubladas em Belém neste periodo, foi preciso esperar um pouco mais para a revelação das imagens em água corrente. Assim, remove-se os produtos químicos que não foram sensibilizados pela luz, gerando a imagem. Diante da expectativa dos alunos, Kalif minuciosamente avaliava tempo, cor, contraste.

Para a estudante Adriana Cardoso, a obtenção do cianótipo, por ser tão diferente de outras formas fotográficas, é uma maneira de exaltar a imagem. “Acho que a cianotipia valoriza a fotografia e achei isso interessante. Procurei a oficina para ampliar meus conhecimentos e já participei de outras como fotografia P&B, Fotojornalismo e Pin Hole”, disse a estudante.

Para Durval Soeiro, estudante do curso de Biblioteconomia, o interesse por processos artesanais foi o que o levou a inscrever-se na oficina. Ele destaca que a técnica do cianótipo ajuda a desvendar novas possibilidades fotográficas. “Você pode utilizar uma imagem já existente que vai se transformar em outra ou mesmo construir a imagem”, disse. Além disso, Durval destaca que diante das câmeras digitais é importante saber mais sobre a história da fotografia, sobre os processos que originaram tanta tecnologia de produção e reprodução de imagens. “A gente começa a entender como tudo evoluiu. Isso nos dá outro olhar em relação à imagem, nos faz trabalhar melhor com o tempo, que tem que que ser nosso aliado – e não ao contrário”, opina.

Hugo Gomes, estudante de artes visuais, não sabia muito bem o que a era Cianotipia. Tinha vagas informações sobre o processo que origina a imagem anil. Ele acredita que o conhecimento da técnica foi fundamental para a sua formação, já que trabalha também com design e arte gráfica. “Faz parte do desenvolvimento da linguagem. Me descolei um pouco do digital e agora estou fazendo essa  volta às origens, que proporciona praticar a experimentação”, disse.

Participe
II Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia oferece ainda a oficina “Fotografia Documental”, com Guy Veloso. As inscrições podem ser feitas presencialmente, a partir do dia 15/02, no Museu da Ufpa (Av. José Malcher,1192, Nazaré). Período da oficina: 22 a 26/03. Inscrição gratuita. Informações: 3224-0871.

(Texto: Assessoria de  Comunicação)

Entrevista: Tadeu Chiarelli

Share This:

> O crítico de arte, historiador e atual diretor do MAC-USP, Tadeu Chiarelli

“Ao sair de algumas exposições em museus, galerias e bienais, muitas pessoas experimentam certo amargor relacionado à sensação de que não são cultas. A razão desse sentimento reside no fato de que muito daquilo que observaram não possui conexão com aquilo que, durante anos, foram ensinadas a entender como arte”. Tadeu Chiarelli defende: talvez seja esta a grande razão para que muitos deixem de frequentar exposições de arte contemporânea. Apartada do grande público, portanto, a produção atual tende ao ininteligível, à falta de sentido, ao silêncio.

Crítico de arte, historiador e atual diretor do MAC-USP – Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, Chiarelli é considerado um dos mais atuantes curadores de arte brasileira contemporânea. Convidado do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, ele participa do bate-papo “A Fotografia e o Museu Contemporâneo: curadoria e pesquisa”, em que discutirá temas como a inserção cada vez mais forte da fotografia na arte contemporânea e o papel cultural que exerce o museu de arte hoje.

“Um museu de arte contemporânea pode ter um papel mais ativo do que aquele de simples armazém de obras e/ou de balcão para exposições que chegam de qualquer lugar”, apregoa. No encontro, conduzido pela curadora e professora Marisa Mokarzel, Chiarelli também apresentará obras que integram o acervo do MAC-SP e discutirá como este acervo está sendo repensado no novo projeto de mudança espacial do MAC – um dos maiores e mais ousados projetos de museu contemporâneo na América Latina. Confira a seguir o bate-papo.

1. Que papel cultural exerce o museu de arte na sociedade de hoje?

Penso que um museu de arte contemporânea pode ter uma papel mais ativo do que aquele de simples armazém de obras e/ou de balcão para exposições que chegam de qualquer lugar, sem conexão profunda com o acervo já existente e com a política própria do museu. Penso que o museu tem que ser um espaço não apenas de recepção e discussão da arte, mas também, no limite, pode ser também um espaço de produção artística.

2. Você defende que somente com base em um modelo museológico e museográfico atento será possível diminuir o abismo que há entre público e arte contemporânea. Como isso se dá, na prática?

Penso que o museu – e estou pensando em um museu de arte contemporânea – deve explicitar ao máximo sua estrutura, pois, assim, deixará claro os parâmetros que regem a produção contemporânea. Tornando essas estruturas mais cristalinas é possível tornar o museu e a arte que ele expõe em questões de interesse para a sociedade.

3. Não acha que a figura do curador também exerce um papel fundamental nessa conquista?

A figura do curador dentro do museu é fundamental para a sua política. Todo museu deve ter sua equipe de curadores, responsáveis por segmentos específicos da coleção. Repare que não me refiro a curadores independentes, mas a curadores de acervo. Será a equipe de curadores quem estabelecerá a política global da instituição e seus contatos com a sociedade.

4. A mudança no MAC-USP traz vários aspectos simbólicos. O que significa pra você essa fase? Olhando para o futuro, o que vê como seus desafios à frente do novo MAC?

O período que vivemos é muito importante para o MAC-USP: no final do ano passado foi votada a autonomia dos museus da USP e isso obrigará a todos os museus da Universidade a empreenderem mudanças significativas em seus respectivos regimentos. Tal necessidade de mudança estrutural coincide com o período de preparação de mudança física do MAC-USP que deverá em breve ocupar um espaço no Parque Ibirapuera. E o mais interessante é que todas essas mudanças vão ocorrer no início das comemorações dos 50 anos do MAC – que será em 2013. Dá para imaginar o que tudo isto significa e significará para a instituição.

5. Você é professor-doutor da USP há 27 anos, ajudou e ajuda a formar artistas. Que importância dá para a formação nessa área? Por que recomendaria a um aspirante a artista um curso formal?

Eu acredito que a universidade hoje em dia é um dos raros espaços em nossa sociedade em que o debate crítico continua fermentando. É neste sentido que recomendo aos aspirantes a artistas que frequentem a universidade porque ali, mais do que aprender técnicas e procedimentos (que poderiam ser aprendidos em outros estabelecimentos) ele complementará sua formação no diálogo franco e crítico com professores e colegas. Porque o artista hoje em dia – e já faz tempo! – deixou de ser um mero artesão. Ele é um intelectual fundamental para a sociedade e, portanto, sua formação deve conter não apenas as especialidades técnicas (se ele julgar necessário) mas, sobretudo, o estudo, o debate e a crítica.

6. Qual a sua opinião sobre a crítica fotográfica feita hoje no Brasil?

Penso que a crítica, de uma maneira geral, está em baixa. Nós, no Brasil estamos percebendo que, nos jornais, a crítica cedeu lugar para o release ou o “achismo” de repórteres nem sempre bem formados. A crítica migrou para a universidade e lá permanece em grande parte alijada de um contato mais produtivo com a sociedade. No campo específico da fotografia é interessante notar como grande parte do que se escreve parte de preconceitos e de opiniões meramente pessoais sem nenhuma densidade maior.

8. E qual o lugar da fotografia na arte contemporânea brasileira?

Eu não vejo um “lugar” para a fotografia na arte contemporânea. Creio que a arte contemporânea é fotográfica.

7. Você também integra a comissão de seleção do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia. Qual a importância de projetos dessa natureza – que não se encerram enquanto prêmio e envolvem atividades de formação – na cadeia (produtiva, acadêmica, profissional) da fotografia brasileira?

Penso que toda iniciativa que busca pensar na formação profissional de jovens de talento deve ser valorizada. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, a meu ver, redimensiona os aspectos meramente burocráticos que atividades como essas costumam ter, para buscar, de fato, intervir nos rumos profissionais da juventude ou daqueles que estão começando na carreira. Considero isso um valor positivo e que merece ser apoiado.

(Texto: Assessoria de  Comunicação)

Arte que nasce do azul

Share This:

> Imagens derivadas da Cianotipia ou “blueprint”

A cianotipia, um dos mais antigos processos de impressão fotográfica, seduz o olhar do fotógrafo Eduardo Kalif há mais de dez anos. A técnica exige paciência. Banhada na luz do sol por longos minutos, imersa em sais de ferro, a folha de papel é lavada com cuidado em água corrente. Ao secar, origina imagens marcadas por um azul saturado, intenso, vívido. “Os processos fotográficos artesanais do século XIX são excelentes provocadores estéticos contemporâneos, com enorme potencial de expressão plástica para o fotógrafo ou artista visual”, destaca Kalif.

Convidado do II Prêmio Diário Contemporâneo de fotografia – “Crônicas Ubanas”, ele ministra a partir de hoje a oficina “Processos da Cianotipia”, que apresentará a técnica também conhecida como “blueprint” a alunos de arte, fotógrafos profissionais e amadores, trabalhando o conceito de educação ambiental patrimonial.

PESQUISA

O interesse pela cianotipia – a “alquimia luminosa”, como o próprio fotógrafo define – não veio simplesmente como curiosidade histórica, mas a partir da possibilidade da sua utilização como recurso para discussão crítica da imagem. “Entendendo a produção da fotografia, compreendendo a tecnologia que a concebe, você se torna um pouco mais capaz de avaliar os processos ideológicos que a motivam e refletir historicamente seus usos sociais e midiáticos”, defende.

A pesquisa começou na Fundação Curro Velho – onde Eduardo trabalhou por 17 anos à frente da gerência de audiovisual – e foi aprofundada no Instituto de Artes do Pará, onde o artista foi bolsista por duas vezes. Para Kalif, foram oportunidades imprescindíveis na sua trajetória com a livre experimentação. Em 2006, ele desenvolveu o projeto “Identidades Refletidas”, que resultou em trabalhos em grande formato, compostos por imagens “fotografadas cianotipicamente” de pessoas do entorno do centro comercial de Belém. Imagens gigantes em silhueta, enigmas impressos em anil.

“Ali, discutia-se a fotografia como identidade e identificação. Discutia-se também os suportes fotográficos e seus limites, além do conceito mesmo de fotografia, como linguagem liberta dos equipamentos tecnológicos”, explicita.

Outro aspecto suscitado pelos processos artesanais, completa Kalif, é a questão do “momentum fotográfico”, o intervalo de tempo em que a fotografia é produzida ou o time em que é construída a imagem.

“Hoje tudo é tão instantâneo que não há tempo de avaliar e refletir sobre o que se faz. A produção de imagens chega aos zilhões por minuto, no mundo todo. São quase dez bilhões de olhos produzindo ou consumindo imagens.

Hoje quase todo mundo fotografa, no entanto, com pouco ou nenhum poder de proposição e transformação. Cabe agora ao educador visual redirecionar seu olhar para a possibilidade de provocar a reflexão: consumimos ou somos consumidos pelas imagens?”, questiona.

(Texto: Assessoria de  Comunicação)

A fotografia e o museu contemporâneo

Share This:

Na próxima quinta-feira, dia 10, o II Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia inicia o ciclo de bate-papos com “A Fotografia e o Museu Contemporâneo: curadoria e pesquisa”, trazendo a Belém o curador, pesquisador e crítico de arte Tadeu Chiarelli (foto). Considerado um dos mais atuantes curadores de arte brasileira contemporânea, Tadeu discutirá assuntos como a inserção cada vez mais forte da fotografia na arte contemporânea e o papel cultural que exerce o museu de arte hoje.

A conversa com o público, que inicia às 19h no Museu da UFPA, será conduzida pela crítica e curadora paraense Marisa Mokarzel. Tadeu Chiarelli também é professor do Departamento de Artes Plásticas da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo e esteve à frente do MAM-SP – Museu de Arte Moderna de São Paulo entre 1996 e 2000. Tem se dedicado nos últimos anos à pesquisa sobre fotografia na história da arte.

No encontro com o público, Chiarelli irá apresentar obras que fazem parte do acervo do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC-SP) e como este acervo está sendo repensado no novo projeto de mudança espacial do MAC – um dos maiores e mais recentes projetos de museu contemporâneo no Brasil.

PARTICIPE

Bate-papo “A Fotografia e o Museu Contemporâneo: curadoria e pesquisa”, com Tadeu Chiarelli. Mediação: Marisa Mokarzel. Nesta quinta-feira (10), às 19h, no Museu da UFPA. Entrada Franca. Informações: 3224-0871. www.diariocontemporaneo.com.br. Twitter: www.twitter.com/premiodiario

(Texto: Assessoria de  Comunicação)

Oficina de Cianotipia: confira a lista de selecionados

Share This:


Foram divulgados hoje (1) os nomes dos selecionados para a oficina “Processos da Cianotipia”, com o fotógrafo e pesquisador Eduardo Kalif, que irá se debruçar sobre um dos primeiros processos de impressão fotográfica em papel. Ao total, 17 alunos participarão da atividade.

O nome “cianotipia” deriva do intenso azul sobre o qual aparece uma imagem branca, ou a cor branca do papel de suporte. Até hoje, a cianotipia é um dos processos que produz imagens  mais permanentes. A técnica fora utilizada também em cópias de plantas de arquitetura, no século XIX,  e utilizada por muitos artistas visuais contemporâneos. A oficina tem como objetivo oportunizar alunos de arte, fotógrafos amadores e profissionais conhecerem e experimentarem uma técnica da gênese da fotografia, explorando suas possibilidades expressivas contemporâneas.

Teoria e prática irão dialogar, num trabalho construído coletivamente. Cada participante produzirá cerca de cinco imagens sobre papel e tecido, em diversos formatos, podendo ainda surgirem propostas de intervenções do grupo.

Confira abaixo a lista de selecionados:

1. Adriana Jordana de Andrade Cardoso

2. Aída Maria de Mello Neto

3. Anderson José da Costa Coelho

4. Durval Monteiro Soeiro

5. Deborah Cabral Rabelo

6. Francisco Emídio Contente Pereira dos Santos

7. Gilberto Bezerra Mendonça

8. Joyce Dias Nabiça

9. João Alberto Cruz Nunes de Moraes Junior

10. Joábne Oliveira de Santa Brígida

11. Josenete Ferreira Mendes

12. Kelvyn Menezes

13. Leopoldina Maria Souza de Araújo

14. Mayara Lopes da Costa Fonseca

15. Nágila Lima d’Oliveira

16. Silvana Modesto da Silva

17. Tayná Paraense Cardel

(Texto: Assessoria de  Comunicação)

Projeto terá programação intensa

Share This:

O II Prêmio Diário Contemporâneo trará também uma extensa programação paralela às mostras, como palestras, oficinas e visitas monitoradas com alunos de escolas públicas de Belém. Como parte do projeto, serão oferecidas três oficinas: “Processos da Cianotipia”, com Eduardo Kalif; “Fotografia Documental”, com Guy Veloso, que recentemente expôs o trabalho “Penitentes: dos Ritos de Sangue à Fascinação do Fim do Mundo” na 29ª Bienal Internacional de São Paulo; e “Experimentos da Fotografia Contemporânea”, com Alexandre Sequeira.

As palestras, de caráter reflexivo e de elucidação das acepções contemporâneas sobre a linguagem fotográfica, serão proferidas pelo professor da UFPA, Ernani Chaves, que tem reconhecido percurso acadêmico sobre estética; a professora e curadora Marisa Mokarzel, também dedicada à reflexão e análise crítica da arte produzida no Estado; e novamente, o fotógrafo e também professor Alexandre Sequeira, que estabelece o contrapeso, já que produz trabalho autoral. Os temas das palestras ainda serão definidos, de acordo com o tema “Crônicas Urbanas”.

O período para as inscrições, gratuitas, é de 3/1 a 5/2 de 2011. Aguarde a divulgação do número de vagas, horários e locais de realização de cada atividade.

SERVIÇO:

Além do site oficial, acompanhe novidades no twitter @premiodiario.

(Texto: Assessoria de  Comunicação)

Em imagens, a complexidade urbana

Share This:

II Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia propõe olhares sobre a cidade

“A técnica está sempre a serviço de uma ideia”, defende o fotógrafo Alexandre Sequeira. A afirmação, segundo ele, serve para conduzir o trabalho fotográfico, que exige compreensões poéticas e sensíveis acima de quaisquer conhecimentos tecnicistas. É claro que com o domínio técnico o fotógrago amplia suas possibilidades de expressões estéticas, mas Alexandre, que integra a comissão de seleção do II Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, garante que o conceito também é parte primordial da fotografia. Ele e os professores e curadores Marisa Mokarzel e Tadeu Chiarelli ficarão atentos para a capacidade de reflexão dos trabalhos inscritos. A partir do dia 03 de janeiro, artistas do Brasil inteiro poderão inscrever trabalhos no concurso, que tem como tema “Crônicas Urbanas”.

O projeto pressupõe pensar sobre a cidade como elemento fundamental para a constituição da linguagem fotográfica. Os artistas selecionados serão avaliados quanto à diversidade do pensamento e da linguagem, no campo das imagens e histórias geradas e vividas nos espaços urbanos. “A fotografia é um elemento provocador, indutor da reflexão. O tema está ligado à crise das cidades, que buscam suas soluções para problemas do meio ambiente. As artes plásticas em geral são mais herméticas, mas a linguagem fotográfica é mais fácil para propor, pois é uma linguagem artística imbricada com a nossa vida, já que consumimos imagens”, explica Alexandre.

NOVIDADES

Para a segunda edição, algumas novidades foram estabelecidas, ressaltando o aperfeiçoamento do projeto. A primeira delas é a apresentação de Luiz Braga como artista convidado, com uma parte de sua pesquisa e produção fotográfica expostas em mostra particular, em harmonia com o tema do projeto. Pelo incontestável registro da urbanidade da cidade Belém, de maneira peculiar, desde os seus primeiros ensaios na década de 1970, Luiz Braga vai dialogar com a equipe de organização do projeto a fim de decidir, dentro de seu extenso trabalho, o que poderá compor a mostra. “Serão selecionadas de oito a dez fotografias, que vão ocupar uma das salas do museu, como parte da exposição dos trabalhos selecionados. A fotografia do Luiz tem uma atmosfera urbana de um ponto de vista inusitado”, explica Mariano, que destaca o mais recente trabalho do fotógrafo, “Verde-Noite, 11 Raios na Estrada Nova – Fotografia Night Vision”, no qual ele volta a fotografar a Estrada Nova, em Belém.

Além disso, será montada também uma exposição paralela, no Museu Casa das Onze Janelas, com fotografias dos repórteres fotográficos do jornal Diário do Pará. Mariano conta que a ideia foi lançada pela fotógrafa Irene Almeida, que também compõe a equipe de organização do projeto, e foi proposta justamente porque aqueles fotógrafos estão diretamente relacionados com a dinâmica da cidade, registrando-a diariamente. Agora, as fotografias de 14 profissionais sairão dos arquivos e acervos para o museu. “Eles possuem um trabalho que não é mostrado. Vamos aproximar esse universo, trazer o dia-a-dia da cidade para a fotografia contemporânea. É a maneira de chegar até esses arquivos”, explica o curador. É mais um espaço que abarca o Premio Diário Contemporâneo de Fotografia, que este ano terá mais um mês disponível para as visitações, o que vai viabilizar a ampliação das ações educativas. A exposição ocorre de 15 de março a 15 de maio do ano que vem.

LANÇAMENTO

Durante a solenidade de lançamento da segunda edição, ocorrida no último dia 16, alguns pontos fundamentais foram lembrados, como, por exemplo, o pioneirismo do prêmio, o primeiro no estado pensado exclusivamente para a linguagem fotográfica e seus desdobramentos. O diretor-presidente do Diário do Pará, Jader Barbalho Filho, disse que esse foi o motivo fundamental para a realização do projeto, que foi criado para valorizar ainda mais a já reconhecida importância da produção e reflexão acerca da fotografia desenvolvida ao longo dos últimos anos. “Nós idealizamos esse prêmio com a ideia de valorizar a fotografia. Faltava um prêmio exclusivamente para essa linguagem. Com isso, esperamos elevar o reconhecimento da fotografia paraense”, disse.

Ainda durante o lançamento, foi realizada a entrega simbólica da série “Lugares Imaginários”, de Octávio Cardoso, premiada na primeira edição do prrojeto, ao acervo do MUFPA.

A professora Jussara Derenji, diretora do MUFPA, afirmou que nesta segunda edição a parceria com o grupo RBA se consolida. “Esperamos continuar esta e outras parcerias. Queremos resgatar o papel de vanguarda que a Universidade possuía para as artes visuais na Amazônia, que se perdeu um pouco ao longo dos anos”, explicou.

Karla Melo, representante regional da Vale, patrocinadora do projeto, enfatizou a parceria com o grupo RBA e destacou o compromisso com a valorização e estímulo para a arte. “Nós comemoramos essa parceria. O prêmio está sendo realizado com paixão por vencer desafios e para valorizar a cultura local. Nesta segunda edição o projeto está ainda mais belo, com grandes artistas, que procuram olhar para a cidade com outra perspectiva”.

INSCRIÇÕES

O período de inscrição é de 03/01 a 05/02 de 2011. Para os trabalhos enviados por correio, a data limite para postagem será o dia 5/2/2011. Informações: 3224-0871 / 3242 – 8340.

(Texto: Assessoria de  Comunicação)

Passeio pela fotografia brasileira

Share This:

A dinâmica urbana como metáfora da expansão da linguagem fotográfica norteia o II Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, que será lançado hoje, às 19h, no Museu da UFPA. Depois de se debruçar sobre a diversidade cultural brasileira em sua primeira edição, desta vez o projeto toma como ponto de partida a cidade como lugar privilegiado de ação da cultura. E propõe ao artista um exercício sobre o universo urbano, seu cotidiano, suas imagens e representações.

A ideia é exaltar a fotografia em suas múltiplas possibilidades de linguagem, suporte e poética, sob o tema “Crônicas Urbanas”. “O artista contemporâneo é parte importante na reconstrução dos valores urbanos. E a cidade do século XXI é desafiadora para o fotógrafo de hoje, porque é constituída de crise e superação diante das questões sociais, ambientais e artísticas”, diz Mariano Klautau Filho, curador geral do projeto.

As inscrições para o II Prêmio Diário Contemporâneo estão abertas a partir do dia 3 de janeiro e seguem até o dia 5 de fevereiro de 2011. Para ver o regulamento, basta acessar o site do projeto: www.diariocontemporaneo.com.br. O concurso, voltado a artistas de todo o Brasil, oferecerá três prêmios no valor de R$ 10 mil cada: Prêmio Crônicas Urbanas, destinado aos fotógrafos que apresentem trabalhos de abordagem documental, voltada ao cotidiano ou originados de um projeto autoral de documentação; Prêmio Diário Contemporâneo, voltado a todos os artistas selecionados cujo trabalho fotográfico dialogue com a instalação, vídeo, objeto ou performance; e Prêmio Diário do Pará, voltado exclusivamente a fotógrafos paraenses ou atuantes no Pará por pelo menos três anos, abrangendo todas as propostas conceituais.

Os trabalhos serão julgados por uma comissão formada pelo pesquisador e artista visual Alexandre Sequeira, e os pesquisadores e curadores Tadeu Chiarelli e Marisa Mokarzel. A primeira edição do projeto, que recebeu 247 inscrições de 45 cidades brasileiras, consagrou os paraenses Octávio Cardoso e Paulo Wagner Oliveira, e o coletivo Parênteses, de São Paulo, escolhidos nas categorias “Brasil Brasis”, “Diário do Pará” e “Diário Contemporâneo”, respectivamente.

FORMAÇÃO

Além da mostra coletiva, que será realizada no Museu da UFPA com trabalhos dos artistas selecionados e premiados e mais a participação de um fotógrafo convidado pela curadoria, o projeto prevê uma ampla programação que inclui ciclo de palestras, encontros com artistas, oficinas, atividades de arte-educação e publicação de livro. Segundo Jader Barbalho Filho, diretor presidente do Diário, o caráter de formação do projeto, que não se encerra enquanto prêmio, busca incentivar o surgimento de novos artistas.

“Nosso estado sempre se destacou pelo talento dos seus fotógrafos. Entretanto, o público local não tinha tantas oportunidades de apreciar a beleza e talento produzido por esses artistas. O Prêmio Diário Contemporâneo tem o objetivo claro de aproximar artistas do público e, ao mesmo tempo, dar a chance aos paraenses ou residentes no estado de conhecer ainda mais a produção local e nacional. As oficinas e atividades programadas durante o evento permitem a formação, o aperfeiçoamento e a revelação de novos talentos”, diz.

“Em um país que carece tanto de educação, não teria sentido fazermos um projeto que se limitasse a prêmios. O prêmio é muito importante para a sobrevivência do artista, mas este é um projeto de formação e que por isso inclui pesquisa, reflexão e atividades que promovam o encontro do público, do estudante, com a arte fotográfica”, completa Mariano Klautau.

Dentre as novidades desta segunda edição, está uma mostra especial com trabalhos dos fotógrafos do Diário. A exposição, cuja curadoria será assinada por um fotógrafo indicado, será montada no Museu Casa das Onze Janelas, ocupando a Sala Gratuliano Bibas e o Laboratório das Artes. É importante destacar que a participação na mostra não inviabiliza a inscrição dos fotógrafos do Diário como candidatos ao prêmio.

LIVRO

A cerimônia de hoje também marca o lançamento do livro-catálogo da primeira edição do projeto. Além das imagens dos trabalhos que integraram a mostra, a publicação reúne textos críticos, artigos e entrevistas que servirão como referência para quem pesquisa arte no Brasil. “O catálogo do prêmio reflete o seu caráter formativo. Temos, por exemplo, textos como o da [fotógrafa] Cláudia Leão, que atualmente desenvolve tese de doutorado na PUC de São Paulo, e uma parte importante da pesquisa de mestrado do jornalista e curador de fotografia Eder Chiodetto sobre mídia e representação, onde ele analisa a fotografia como informação na imprensa contemporânea. Este trabalho foi defendido no programa da Escola de Comunicação e Artes da USP e foi publicado em primeira mão no catálogo do Prêmio Diário Contemporâneo”, adianta Klautau.

“Destaco também o excelente artigo de Patrick Pardini sobre paisagem e retrato, que nos ajuda a pensar o conjunto de imagens que compuseram a mostra de fotografia da primeira edição do prêmio. Poder fazer uma publicação deste tipo é ainda raro no Brasil e estamos fazendo isso aqui no Pará”, ele ressalta.

Para Karla de Melo, gerente de comunicação regional da Vale, patrocinadora do projeto, “O catálogo proporciona um convite: a partir da visão particular de cada fotógrafo, podemos entender melhor a diversidade que torna nosso país um lugar único. Além disso, cada fotografia proporciona um deleite visual que faz bem ao olhos e à alma”.

PARTICIPE

Lançamento do II Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia. Hoje, às 19h, no Museu da UFPA (Av. Governador José Malcher, esquina com Generalíssimo Deodoro). Entrada franca. Informações: 3224-0871 / 3242–8340 e contato@diariocontemporaneo. com.br. Realização: Diário do Pará. Apoio: Museu da UFPA. Patrocínio: Vale.