Diário Contemporâneo promoveu o compartilhamento das residências artísticas

Share This:

O último evento da programação da abertura das mostras da 8ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia foi uma “Conversa com os Residentes”, da qual participaram Hirosuke Kitamura e Guido Couceiro Elias, além de seus respectivos tutores, Alexandre Sequeira e Lívia Aquino. O encontro ocorreu na noite de 06 de maio, no Espaço Cultural Casa das Onze Janelas e teve a mediação de Mariano Klautau Filho.

A residência artística, novidade desta edição, surgiu da inquietude do Projeto. “A ideia da residência vem da necessidade de experimentação e do incomodo de poder estar numa espécie de piloto automático, repetindo um modelo. A residência é um procedimento cada vez mais importante para a arte contemporânea”, afirmou Mariano.

Foto: Irene Almeida

A figura de um tutor, ou um pesquisador para acompanhar esse residente foi essencial, pois promoveu o debate e a reflexão. Segundo Lívia Aquino, sua atuação foi de orientação e provocação do artista. “O meu processo com o Guido foi direcionar ele a lugares em que ele pudesse ativar a sua percepção, sempre levando em conta o seu desejo artístico e a sua pratica”, contou.

O que é possível praticar em uma experiência que te desloca para um outro campo de ação e ambiente? Guido Couceiro Elias se relacionou com a cidade de São Paulo através das palavras. Ele escreveu a fotografia. “Eu notei que dava para fazer as imagens que eu estava vendo através da escrita. Comecei a escrever para continuar o processo iniciado pela fotografia e, quando percebi, fiquei mais próximo das pessoas através das palavras”, lembrou o artista.

MERGULHAR NA CIDADE

Em Belém, Alexandre Sequeira recebeu Hirosuke Kitamura em sua casa. O tutor observou que “o Prêmio, através da residência, oportuniza ao artista entrar em contato com um outro território. Os trabalhos que eles inscreveram foram premiados e estão na parede expostos, isso proporcionou um não compromisso com o resultado e sim com a experiência. Para mim, isso é interessante, pois eu também reflito como artista”, disse.

Hirosuke veio a Belém e imergiu na cidade, absorveu dela o máximo que pode, mas sempre com um movimento de retorno e de estabelecimento de relações. Ele conviveu intensamente com pessoas que não costumam habitar o espaço dos museus, mas que também tinham muito a contribuir.

O artista produziu centenas de imagens durante o período da sua residência e disse, “gostei muito de ter vindo na época das chuvas, porque eu pude ver como as pessoas convivem com ela de maneira natural. Eu consigo ter acesso a uma relação mais aberta com as pessoas e com o ambiente, sem máscaras”, finalizou.

Algumas das imagens que Hirosuke fez foram devolvidas a cidade em formato lambe lambe, afixadas em locais próximos aos da sua produção e daqueles com que o artista se relacionou.

VISITAÇÃO

A exposição “Poéticas e Lugares do Retrato” exibe os trabalhos premiados, selecionados e participações especiais. As obras ficam divididas entre o Museu da UFPA e o Espaço Cultural Casa das Onze Janelas. Além disso, o MUFPA recebe a mostra individual “Interiores”, com trabalhos de Geraldo Ramos, artista convidado. A visitação segue até dia 30 de junho, no MUFPA e 02 de julho, nas Onze Janelas.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará, com patrocínio da Vale, apoio institucional do Museu da Universidade Federal do Pará, Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e apoio da Sol Informática. Informações: Rua Gaspar Vianna, 773 – Reduto. Contatos: (91) 3184-9310; 98367-2468; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com e www.diariocontemporaneo.com.br.

Conheça os locais de retirada do edital impresso

Share This:

O edital da 8ª edição está disponível no site http://www.diariocontemporaneo.com.br/ e na secretária do Projeto, que fica localizada na Aristides Lobo, 1055 (entre Tv. Benjamin Constant e Tv. Rui Barbosa), no bairro do Reduto.

Além disso, é possível encontrar o edital impresso nos seguintes locais: Museu da UFPA, Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, Recepção do Jornal Diário do Pará, Belém Photos e Associação Fotoativa.

Retire o seu e inscreva-se até 15 de fevereiro!

Diário Contemporâneo realiza Encontro com Gui Mohallem

Share This:

Por: Debb Cabral

Os trabalhos mais recentes de Gui Mohallem serão tema de uma conversa informal com o artista pela programação do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia. O evento ocorre no dia 13 de abril, às 19h, na Varanda do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, com entrada franca.

A série “Welcome Home”, foi selecionada na edição de 2013 do Projeto. Em 2012 ela já havia virado livro através de publicação independente. As fotos são o registro do “Beltane”, uma celebração ocorrida no interior dos Estados Unidos entre o equinócio da primavera e o solstício de verão. Nas palavras do curador Gabriel Bogossian, “em tudo o festival remete aos silenciosos ciclos naturais, desde o momento obscuro das sementes até a nova floração. Este é o lugar em que se festeja; é daí que vêm essas imagens. O fotógrafo se põe no meio da entrega sensual, da partilha da comida; se põe ali, com passos de libélula, contemplando a celebração (e portanto está fora) e participando da sua construção (e portanto está dentro), ao mesmo tempo”.

Welcome Home. Foto: Gui Mohallem
Welcome Home. Foto: Gui Mohallem

O trabalho “Tcharafna” vem da busca do artista pela história da família de seu pai, no Líbano. Segundo o artista, “o ponto de partida foi um poema que meu pai ouviu antes de sair do Líbano, em 1952. Repetiu três vezes para mim. Nos versos, a emigração se confunde com morte. O retorno à pátria se mistura com luto. Tcharafna é o que se diz quando se conhece uma pessoa, como um ‘prazer em conhecê-lo’. A tradução literal seria ‘estamos honrados’. Honra é um conceito ambivalente. Em seu nome, um homem pode matar”. Em 2014, “Tcharafna” se transformou também em um livro, publicado pela Pingado-prés.

>> Confirme presença no evento

A série “Terra” segue uma investigação filosófica feita pelo artista. Gabriel Bogossian, que fui curador da individual em São Paulo, observou que “diferente das séries anteriores do artista, produzidas durante viagens para lugares específicos, o conjunto de fotos e vídeos exibidos aqui tem origem em contextos distintos. São obras que já não anunciam a descoberta de um lugar sagrado; não se trata mais da busca por um lugar de pertencimento – uma terra prometida. Estas paisagens surgem, ao contrário, de uma crise do território, ao mesmo tempo pessoal e política. São a terra que temos, fragmentos da busca pelos nossos lugares – de origem, de destino – insistentemente perseguidos”.

WORKSHOP INTEGRA A PROGRAMAÇÃO

Gui Mohallem também estará em Belém para ministrar o workshop “Na direção do Medo”, nos dias 14 a 15 de maio. A ação formativa, que já está com as inscrições encerradas, teve suas vagas amplamente disputadas. A proposta de Gui para o workshop é convidar os participantes a dar um mergulho interior em busca de suas dificuldades e medos e, por meio de uma produção imagética, se aprofundar em direção às suas questões mais internas. Autoras e autores de trabalhos viscerais, como Nan Goldin, Francesca Woodman, Lawrence Demaison, Robert Frank, também serão discutidos.

O ARTISTA

Gui Mohallem vive em São Paulo. É graduado em Cinema e Vídeo pela ECA/USP. Expôs pela primeira vez em uma individual em Nova York em 2008. Nos anos seguintes, teve exposições no MuBE, no Sesc Pompéia e nas galerias Olido, Babel, Baró Cruz, Luciana Carevello e Emma Thomas. Expôs também nos EUA, na Islândia e na Estônia, participou do programa “Descubrimientos”, do Photoespaña e do 18º Festival Sesc_Videobrasil. Em 2011 ganhou o 2º lugar no prêmio Conrado Wessel. Participou de programas de residência artística em São Paulo e em Beirute, no Líbano. Tem dois livros publicados, ‘Welcome Home’, 2012, publicado independentemente e ‘Tcharafna’, de 2014, publicado pela Pingado-prés. Foi palestrante nos principais festivais de fotografia do país, como Paraty em Foco e Foto em Pauta. Suas obras estão em importantes coleções como: Itaú Cultural, Luiz Chrysostomo, Nilo Cecco, Fernando Abdalla, Alfredo Setúbal, entre outros.

AS EXPOSIÇÕES DO DIÁRIO CONTEMPORÂNEO

A sétima edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é dedicada especialmente à constituição oficial da Coleção de Fotografias do Projeto, exibida no Museu da UFPA e no Espaço Cultural Casa das Onze Janelas até 19 de junho, contando com 46 trabalhos todas as regiões do país. Também faz parte da programação desta edição a exposição “Belém: ressacas, heranças”, que reúne trabalhos de oito artistas atuantes em Belém, os quais apresentam um olhar mais crítico em relação à cidade.

SERVIÇO: Diário Contemporâneo realiza Encontro com Gui Mohallem. Data: 13 de maio de 2016. Horário: 19h. Local: varanda do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas (Praça Frei Caetano Brandão s/n – Cidade Velha). Entrada franca. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do jornal Diário do Pará, com patrocínio da Vale; apoio institucional do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA, Sol Informática e Museu da UFPA. Informações: Rua Aristides Lobo, 1055 (entre Tv. Benjamin Constant e Tv. Rui Barbosa) – Reduto. Contatos: (91) 3355-0002; 98367-2468; premiodiario@gmail.com, contato@diariocontemporaneo.com.br e www.diariocontemporaneo.com.br.

Diário Contemporâneo abre agendamento de visitas às exposições da 5º edição

Share This:

Por: Debb Cabral

O maior impacto que um projeto como o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia deixa, na cidade, não é a premiação, mas a contribuição para a educação visual e cultural daqueles que entram em contato com as obras selecionadas. A ação educativa desta 5ª edição vem olhar cada participante como sujeito e caminho. “Olhos de assombro” é o nome dessa ação que se preocupa com o indivíduo, tido, tal qual a experiência fotográfica, que precisa de diferentes tempos, como o de observação, envolvimento, expectativa, e resultado.

As exposições do 5º Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia ocorrerão em Belém, no período de 22 e 23 de abril a 22 de junho de 2014, no Museu Casa das 11 Janelas e Museu da UFPA, respectivamente. Os interessados em agendar uma visita monitorada e mediada devem fazer via ficha de inscrição que está disponível no site www.diariocontemporaneo.com.br. Informações com Ademar Queiroz, no número 8270-4514 e no email ademarjunior22@gmail.com.

Foto: Irene Almeida

Educadores capacitados atuarão em visitas agendadas ou não, incitando as pessoas a se expressar e saber comunicar-se artisticamente; articulando a percepção, a imaginação, a emoção, a sensibilidade e a reflexão ao entrar em contato com as produções artísticas.

O foco na formação, mais do que nunca esteve presente no direcionamento de esforços do Prêmio Diário, a começar pelo primeiro workshop oferecido nessa edição, “Do visível ao invisível”, com Ana Mokarzel. Seu público-alvo foi o de professores e educadores de arte, numa proposta de sensibilizar as pessoas que estão diariamente em sala de aula, e torná-las multiplicadoras. “A gente tem que vencer o medo e incorporar. As pessoas aprendem na escola a ler e a escrever, mas eu queria muito que as pessoas também tivessem uma educação visual”, comenta o fotógrafo e professor de fotografia, Igor Melo.

Foto: Irene Almeida

Na ação educativa, duas frentes de trabalho. Dois olhares. O primeiro, “Olhar de brinquedo”, é voltado ao público de professores/educadores, desenvolvendo a partir de encontros uma apresentação do material educativo e artístico do desta 5ª edição, a fim de gerar conteúdo e material a ser desdobrado em sala de aula.

O segundo olhar, chamado de “Olhar vagabundo”, é voltado aos educadores dos espaços culturais e suas práticas/experiências transformadas em saber científico compartilhado.

Criado em 2010, o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é um projeto nacional que incentiva a cultura, a arte e a linguagem fotográfica em toda a sua diversidade.

PROFESSOR E EDUCADOR, FAÇA O AGENDAMENTO DA SUA VISITA AQUI

SERVIÇO: Diário Contemporâneo abre agendamento de visitas às exposições da 5º edição. O agendamento de visitas é feito via ficha de inscrição, que está disponível no site www.diariocontemporaneo.com.br. Informações com Ademar Queiroz, no número, 8270-4514 e no email ademarjunior22@gmail.com. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do jornal Diário do Pará, com patrocínio do Shopping Pátio Belém e Vale, apoio institucional da Casa das Onze Janelas do Sistema Integrado de Museus/ Secult-PA, Sol Informática e Museu da Universidade Federal do Pará (MUFPA). Informações: Rua Aristides Lobo, 1055 (entre Tv. Benjamin Constant e Tv. Rui Barbosa) – Reduto. Contatos: (91) 3355-0002; 8367-2468 e premiodiario@gmail.com.

Bate-papo “Diários da Cidade” será nesta quinta

Share This:

> Imagem do fotógrafo Mauro Ângelo, que integra a mostra “Diários da Cidade”

Os fotógrafos que participam da mostra “Diários da Cidade” são convidados a um debate com o público sobre a sua condição de cronistas visuais e as possíveis mudanças existentes na transposição de suas imagens para o espaço da galeria. O bate-papo homônimo, que contará com a participação do fotógrafo Octávio Cardoso, editor de fotografia do Diário do Pará, com mediação da jornalista Dominik Giusti, acontece na próxima quinta-feira (31), às 19h, na Sala Gratuliano Bibas, no Museu Casa das Onze Janelas.

Ao transpor o trabalho das páginas de um jornal para uma galeria de arte, certas intenções e práticas mais factuais abrem espaço para uma leitura mais plástica da ação de registro, livre das legendas e das informações objetivas. Sem perder o embalo do calor das ruas podemos observar, em um tempo mais longo, o trabalho destes fotógrafos e perceber outros tempos superpostos em suas imagens.

PARTICIPE

Bate-papo “Diários da Cidade”, com Octávio Cardoso e fotógrafos do Diário do Pará. Nesta quinta-feira (31), na Sala Gratuliano Bibas, no Museu Casa das Onze Janelas. Informações: 3224-0871 / 3242–8340 / contato@diariocontemporaneo.com.br