Verão nos Museus encerra Diário Contemporâneo

Share This:

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia está em contagem regressiva para o domingo (29), encerramento das exposições da 10ª edição. Mas antes disso, o projeto quer se despedir com os shows do Verão nos Museus. Hoje, às 10h, o projeto Vale Música se apresentará no Museu da UFPA e, às 18:30h, será a vez de Leo Venturieri e do Grupo Marapuama tocarem no Museu do Estado do Pará. Todas as programações têm entrada franca.

A apresentação do Vale Música será do Grupo de Percussão de Câmara. “Ela é uma percussão diferenciada, usando vários teclados, que normalmente são usados mais para a música erudita, só que em um formato voltado para a música popular”, explicou Isabel Boulhosa da Fundação Amazônica de Música.

Leo Venturieri contou que “a apresentação consistirá em uma exploração sonora através de ressonâncias e ambientações criadas por sintetizadores e geradores de ruído. Haverá a execução de um instrumento eletrônico em especial, o theremin, tocado no ar, sem contato do músico com o instrumento”.

Banda Marapuama. Foto: Gabriel Darwich

O duo instrumental Marapuama é composto por Thiago Pires (guitarra) e Emannuel Penna (bateria). Eles inauguraram o Verão nos Museus e retornam, agora, para o encerramento da ação. Esta outra apresentação trará “repertório autoral instrumental, composto com sinceridade e furor”, contou Thiago.

BALANÇO

Este ano o Diário Contemporâneo comemorou 10 anos de atuação em uma edição histórica. “A décima edição refletiu as conquistas e o alcance que o projeto teve no circuito da produção fotográfica contemporânea no Brasil. São aproximadamente 45 artistas expondo em dois museus entre selecionados, premiados e convidados, promovendo uma interlocução da produção de Belém com o território nacional. Refletiu também as conquistas como um projeto de formação: palestras, oficinas, cursos e conversas com artistas que participaram do prêmio e que contribuíram com a sua visibilidade no circuito brasileiro”, disse Mariano Klautau Filho, curador do projeto.

EM NÚMEROS

  • 585 – Inscrições recebidas
  • 2.350 – Estudantes visitantes
  • 1.667 – Visitantes flutuantes
  • 03 – Cursos
  • 03 – Oficinas
  • 04 – Conversas com Artistas
  • 02 – Palestras
  • 01 – Roda de Conversa
  • 01 – Sessão de Leitura
  • 08 – Apresentações do Verão nos Museus
  • 03 – Ações em comunidades com a artista Ceci Bandeira

Ceci Bandeira realizando a colagem do lambe “Ananse” no Espaço Cultural Nossa Biblioteca. Foto: Otavio Henriques

DESDOBRAMENTOS

O Diário Contemporâneo é um projeto de arte contemporânea. Deste modo, está aberto a experimentações e ações que ampliem o seu impacto na formação de público e na construção de um pensamento crítico.

Foi assim que surgiu a parceria com a artista Ceci Bandeira. Seu trabalho “Ananse”, selecionado nesta edição, vem a partir de uma fotografia de autoria desconhecida da professora, Zélia Amador de Deus, encontrada por Ceci em um site de buscas na internet.

Originalmente, a ideia era ter a obra somente no museu, junto dos demais trabalhos contemplados no edital. Mas a mensagem de Ceci foi ampliada, impactando diretamente a Associação Grupo Comunitário Limoeiro (Jurunas), o Cine Club TF (Terra Firme) e o Espaço Cultural Nossa Biblioteca (Guamá).

Estas comunidades visitaram as exposições da 10ª edição e receberam a artista e a equipe do projeto para a colagem do lambes e atividades educativas em suas sedes.

“Para mim, foi muito importante a extensão do campo político do meu trabalho, porque depois de ter sido selecionada, eu, a curadoria e a equipe educacional decidimos que o lambe não deveria ser apenas uma imagem contemplativa na parede do museu, mas ele deveria ir para as ruas. No momento que estamos vivendo um desmonte da cultura, onde o acesso à educação e a arte se torna cada dia mais distante da realidade da maioria dos brasileiros, conseguimos diminuir a distância entre esses bairros, que são lidos como bairros marginalizados, e o museu público. Então, foi uma troca de conhecimento e de vivências que mostrou a importância de se ocupe cada vez mais os museus”, observou Ceci.

VISITAÇÃO ESCOLAR

Um público que tem bastante atenção do projeto é o de alunos das escolas da rede municipal. Diariamente são enviados ônibus que buscam as turmas e as  levam até os museus para conhecerem as exposições.

Quem vivencia tudo isso, todas as trocas e novos olhares, são os mediadores culturais do projeto. Otavio Henriques atuou como educador no Museu do Estado do Pará e ainda acompanhou as ações de Ceci Bandeira nas comunidades. “As principais fontes de conhecimento são as pessoas, mediadores, parceiros, público flutuante, escolas agendadas. Durante esses meses de mediação fui ganhando segurança e maturidade na leitura das obras, através dessa troca de ideias e percepções”, disse.

Visitação escolar no Museu do Estado do Pará. Foto: Otavio Henriques

 

RETA FINAL

Este é o último final de semana de visitação da mostra “Interseções, 2010/2019”, no Museu do Estado do Pará e Museu da UFPA, que segue aberta só até às 13h de amanhã (29).

“Fechamos o ciclo de 10 anos com a realização efetiva desses diálogos, mas seguramente eu acredito que a continuidade do projeto está pautada em futuras mudanças operacionais, curatoriais e de compartilhamento para que ele se consolide como um campo crítico de ideias, produção e pesquisa em arte contemporânea”.

SERVIÇO: Verão nos Museus encerra Diário Contemporâneo. Locais: Museu do Estado do Pará (Praça D. Pedro II, s/n. – Cidade Velha), às 10h e Museu da UFPA (Av. Governador José Malcher – esquina com Generalíssimo Deodoro), às 18:30h. Entrada franca. Visitação até 29 de setembro de 2019. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará com apoio institucional do Museu do Estado do Pará, do Sistema Integrado de Museus e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática, parceria da Alubar e patrocínio da Vale. Informações: (91) 3184-9310; 98367-2400; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com e www.diariocontemporaneo.com.br.

Diário Contemporâneo abre exposições de 10 anos

Share This:

Exposição no MEP. Foto: João Paulo Guimarães

Nos últimos dias 06 e 07, o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia inaugurou as mostras da sua edição comemorativa de 10 anos. As exposições estão abrigadas no Museu do Estado do Pará e Museu da UFPA e seguem com visitação aberta ao público até 29 de setembro.

No MEP, o curador do projeto, Mariano Klautau Filho, fez um paralelo com a primeira edição do projeto. “Em 2010, vivíamos o livre exercício de ideias, comportamento, emancipação da liberdade política e artística”. Democracia, multiplicidade e liberdade deram o tom do discurso que falava de Brasis, um país no plural. “Então, vamos continuar a fazer o que estamos fazendo, tentando sempre pela via da liberdade de expressão e do lugar da arte, expandir as pluralidades das ideias e fortalecer nossas instituições democráticas. O projeto Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia permanece como resistência no campo da arte e da educação na preservação das liberdades”.

Jader Filho, diretor presidente do Diário do Pará, agradeceu à fotografa Walda Marques pela motivação e incentivo para criar o Prêmio. “Eu queria dizer da nossa alegria de hoje estar aqui e ver que este prêmio que, lá atrás, era para reconhecer os fotógrafos paraenses tem, hoje, como a gente viu, mais de três mil inscrições nestes dez anos, de vários estados da federação. Então, já saiu há muito tempo só daqui. Nós tivemos a oportunidade de reconhecer que a nossa fotografia é tão importante para o Brasil, que os fotógrafos de outros estados vêm para cá para participar.

Na ocasião foram entregues os prêmios aos fotógrafos vencedores desta edição: Daniele Cavalcante (CE), Júlia Milward (RJ) e Rodrigo José (PA).

 

Jussara Derenji. Foto: Marcelle Maruska

No dia seguinte, no MUFPA, a diretora Jussara Derenji destacou a felicidade que era receber mais uma vez a exposição do Diário Contemporâneo, projeto que nasceu naquele espaço e que depois se expandiu para outros museus. “Para nós, é uma grande satisfação ter um prêmio deste porte abrigado no museu por tanto tempo. E saber que este prêmio se mantém com qualidade sempre aumentando. As doações são muito importantes para nós, para a constituição dos nossos acervos”. Ela ainda ressaltou ainda a importância das ações de formação de acervo, como a coleção constituída pelo projeto e que tem parte das obras sob guarda do MUFPA.  “A constituição da coleção do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é muito importante para nós. Esperamos que ela seja aumentada e que continue, pois é muito gratificante para nós termos esta qualidade de obras no nosso acervo”, finalizou.

NO MEP

A mostra exibe, além dos trabalhos premiados, os selecionados André Parente (PA), Bruno Zorzal (ES), Ceci Bandeira (PA), Claudia Tavares (RJ), Coletivo Amapoa (SP), Daniela de Moraes (RS), Felipe Fittipaldi (RJ), Francine Lasevitch (RS), Gui Christ (RJ), João Paulo Guimarães (PA), Márcio Vasconcelos (MA), Maria Baigur (BA), Maria Vaz (MG), Paulo Coqueiro (BA), Pedro David (MG), Priscilla Buhr (PE), Rodrigo Pinheiro e Ton Zaranza (RJ).

Os artistas Ana Mokarzel, Danielle Fonseca, Fernanda Grigolin, Flávio Araújo, José Diniz, Keyla Sobral, Letícia Lampert, Marise Maués, Mateus Sá, Paula Sampaio, Renan Teles, Tiago Coelho e Tuca Vieira também exibem seus trabalhos no espaço como convites da curadoria.

Foto: Priscilla Buhr

NO MUFPA

No ano em que comemora uma década de atuação, o Diário Contemporâneo traz para uma exposição todos que foram artistas que foram os convidados das edições anteriores.

Cláudia Leão, Dirceu Maués, Miguel Chikaoka, Luiz Braga, Walda Marques, Janduari Simões, Jorane Castro, Geraldo Ramos e Flavya Mutran retornam em uma coletiva que não se apresenta como retrospectiva, mas como uma outra leitura das suas visualidades.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará com apoio institucional do Museu do Estado do Pará, do Sistema Integrado de Museus e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática, parceria da Alubar e patrocínio da Vale.

X Diário Contemporâneo inaugura exposições em agosto

Share This:

O mês de agosto inicia com a abertura da 10ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia. O vernissage será no dia 06, às 19h, no Museu do Estado do Pará e no dia seguinte (07), às 19h, no Museu da UFPA, será aberta ao público a segunda parte das exposições. A visitação da mostra Interseções, 2010/2019 segue até 29 de setembro.

O projeto se tornou um dos grandes editais de competição do país, além de consolidar o Pará como um espaço de criação e reflexão em artes.

Bruxos e Curandeiros_ A Magia Bantu entre África, Cuba e Maranhão. Foto: Marcio Vasconcelos

A décima edição é um encontro renovado das experiências curatoriais dos anos de 2010 e 2014. Na edição de estreia o mote foi Brasil, Brasis e o projeto fez o convite para pensar o país e as identidades contemporâneas que o constituem. Já em 2014 a temática livre trouxe a maior diversidade de trabalhos e propostas artísticas.

Heldilene Reale, Octavio Cardoso e Isabel Gouvêa foram os integrantes da comissão de seleção deste ano e juntos viram 585 dossiês com trabalhos de diferentes partes do país.

NO MEP

A mostra do Museu do Estado Pará exibirá os trabalhos premiados de Daniele Cavalcante (CE), Júlia Milward (RJ) e Rodrigo José (PA). Além dos selecionados André Parente (PA), Bruno Zorzal (ES), Ceci Bandeira (PA), Claudia Tavares (RJ), Coletivo Amapoa (SP), Daniela de Moraes (RS), Felipe Fittipaldi (RJ), Francine Lasevitch (RS), Gui Christ (RJ), João Paulo Guimarães (PA), Márcio Vasconcelos (MA), Maria Baigur (BA), Maria Vaz (MG), Paulo Coqueiro (BA), Pedro David (MG), Priscilla Buhr (PE), Rodrigo Pinheiro e Ton Zaranza (RJ).

A convite da curadoria do projeto, os artistas Ana Mokarzel, Danielle Fonseca, Fernanda Grigolin, Flávio Araújo, José Diniz, Keyla Sobral, Letícia Lampert, Marise Maués, Mateus Sá, Paula Sampaio, Renan TelesTiago Coelho e Tuca Vieira também exibirão seus trabalhos no espaço.

.

NO MUFPA

No ano em que comemora uma década de atuação, o Diário Contemporâneo traz para uma exposição todos que foram artistas que foram os convidados das edições anteriores.

Cláudia Leão, Dirceu Maués, Miguel Chikaoka, Luiz Braga, Walda Marques, Janduari Simões, Jorane Castro, Geraldo Ramos e Flavya Mutran retornam em uma coletiva que não se apresenta como retrospectiva, mas como uma outra leitura das suas visualidades.

PROGRAMAÇÃO

Os artistas premiados nesta edição Danielle Cavalcante, Julia Milward e Rodrigo José participarão de uma conversa com o público no dia 08 de agosto, às 19h, no MEP. Já no dia seguinte (09), o encontro será com os selecionados Bruno Zorzal e Claudia Tavares, no mesmo horário e local.

SERVIÇO: Diário Contemporâneo abre exposições em agosto. Datas: 06/08, às 19h, no Museu do Estado do Pará e 07/08, às 19h, no Museu da UFPA. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará com apoio institucional do Museu do Estado do Pará, do Sistema Integrado de Museus e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática, parceria da Alubar e patrocínio da Vale. Informações: (91) 3184-9310; 98367-2400; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com e www.diariocontemporaneo.com.br.

Arte e educação em debate no minicurso de formação do educativo

Share This:

Antes de abrir suas exposições, o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia dedica um tempo no seu calendário para formar a sua equipe de mediadores culturais. São eles que receberão os mais diversos públicos no Museu do Estado do Pará e Museu da UFPA. Este ano, a ação formativa ocorreu nos últimos dias 18, 19 e 20 de julho, no Museu da UFPA.

Com a coordenação de Dairi Paixão, a ação educativa desta edição é intitulada “Leituras conscientes, nas entrelinhas do Brasil”. Conversas com a artista Ceci Bandeira, selecionada nesta edição; com o curador do projeto e leituras coletivas foram destaques da programação.

Turma do minicurso de formação de mediadores culturais. Foto: Irene Almeida

 

Durante os encontros, os participantes leram textos como o Arte para uma cidade sensível, de Brígida Campbell, no qual a artista fala sobre arte, retomada e ressignificação do espaço urbano. Imagem, reprodução e mensagem. Na contemporaneidade, as cidades estão cheias de imagens que querem se comunicar a todo o momento. “O que você vê no seu caminho?”, “O que a cidade apresenta a você?”, “Como você dialoga com a cidade?”, “Quais são essas imagens?”, foram algumas das indagações trazidas por Dairi. “Os grupos que a gente recebe são de pessoas que já vêm contaminadas por um excesso de imagens. Então, é pensar como a nossa palavra pode ajudar eles a encontrarem caminhos naquilo que já está posto”, acrescentou.

O artista Lucas Negrão foi mediador cultural na 7ª edição do projeto e decidiu atuar novamente neste ano. “Eu disse para mim mesmo que eu precisava ter essa experiência de novo, porque ela é muito intensa”, afirmou.

Os trabalhos que integrarão as mostras da 10ª edição foram debatidos pelos participantes. O mediador cultural é muito importante para a democratização da arte, pois ele realiza um papel de escuta e provocação.

Mariano Klautau Filho, curador do projeto, conversa com os participantes. Foto: Irene Almeida

A arte traz vários questionamentos e um novo encontro com o curador do projeto será marcado para quando as mostras já estiverem montadas pois, segundo Mariano Klautau Filho, “às vezes, quando os trabalhos já estão prontos, um aciona uma coisa no outro e eles entram em um diálogo que nós nem sequer tínhamos pensado”.

Ao final, uma avaliação coletiva do processo foi realizada. “Eu encaro isso aqui como um grupo de estudos sobre mediação cultural. Acho isso muito bom do Prêmio ter este espaço para pensar a importância da mediação e fico muito preocupada em como pode ter gente produzindo arte sem pensar no lugar do educativo”, observou Dairi. “Em poucos lugares a gente consegue ter essa abertura para falar de assuntos tão tocantes”, finalizou Fernanda da Vera Cruz, participante do minicurso.

O PROJETO

Em 2019, o Diário Contemporâneo comemora uma década de atuação. Ele se tornou um dos grandes editais de competição do país, além de consolidar o Pará como um espaço de criação e reflexão em artes.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará com apoio institucional do Museu do Estado do Pará, do Sistema Integrado de Museus e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática, parceria da Alubar e patrocínio da Vale.