Os interiores de Geraldo Ramos em conversa com o artista

Share This:

Seguindo a programação da 8ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, o projeto promoveu uma Conversa com Geraldo Ramos, artista convidado deste ano. O encontro ocorreu na noite de 07 de junho, no Museu da UFPA e teve a mediação de Mariano Klautau Filho e Madalena D’o Felinto.

Na ocasião, foram apresentadas imagens de Jean-Baptiste Debret, artista que em sua vasta obra retratou o cotidiano dos escravos e do Brasil Colônia. As gravuras, as pinturas e a etnografia permaneceram na memória e, de certa forma, influenciaram Geraldo Ramos. “Foi o início da minha vida fotográfica mesmo sem fotografar, apenas observando”, disse.

Fotos: Karina Martins

A motivação documental é uma forte característica do trabalho de Geraldo mas, como pode ser visto na mostra individual “Interiores”, o documento e ficção se cruzam constantemente.

Ele compartilhou imagens de sua infância, nas quais se viu também uma Belém que, em parte, não existe mais.  Como visto nos seus registros, a fotografia proporcionou a ele a aproximação com o outro e o compartilhamento de experiências.

Muitas das imagens que compõem a mostra individual são inéditas, pinçadas do arquivo do artista. “O arquivo é dinâmico, a todo momento nós estamos dando um novo sentido a ele”, refletiu Madalena.

O título escolhido para a exposição no Museu da UFPA também foi debatido. “A opção por usar a palavra interior no plural é para dar um sentido mais amplo, uma visão da paisagem geográfica e humana”, finalizou Mariano.

Confira a galeria:

 

AS EXPOSIÇÕES DO DIÁRIO CONTEMPORÂNEO

A exposição “Poéticas e Lugares do Retrato” exibe os trabalhos premiados, selecionados e participações especiais da 8ª edição do Diário Contemporâneo. As obras ficam divididas entre o Museu da UFPA e o Espaço Cultural Casa das Onze Janelas. Além disso, o MUFPA recebe a mostra individual “Interiores”, com trabalhos de Geraldo Ramos, artista convidado. A visitação segue até dia 30 de junho, no MUFPA e 02 de julho, nas Onze Janelas.

SERVIÇO: O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará, com patrocínio da Vale, apoio institucional do Museu da Universidade Federal do Pará, Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e apoio da Sol Informática. Informações: Rua Gaspar Vianna, 773 – Reduto. Contatos: (91) 3184-9310; 98367-2468; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com ewww.diariocontemporaneo.com.br.

Diário Contemporâneo realiza Conversa com Geraldo Ramos

Share This:

O jornalista com formação em artes visuais, Geraldo Ramos, é o artista convidado da 8ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia e se destaca como um dos grandes documentaristas da região amazônica. O projeto realiza no dia 07 de junho, às 19h, no Museu da UFPA, uma conversa com o artista. A entrada é franca.

Foto: Geraldo Ramos

Geraldo Ramos exibe, na mostra individual “Interiores”, um passeio pelas suas paisagens da memória. Sobre o nome da exposição, o curador do projeto, Mariano Klautau Filho explicou que “o título partiu de uma característica muito forte no trabalho de Geraldo, que é sua incursão por décadas pela paisagem cultural, pelos rituais, festas e manifestações nas cidades do interior do estado. A Marujada, o Boi, as máscaras utilizadas nas festas de São Caetano de Odivelas, e a própria paisagem humana são cenas fotografadas de maneira muitas vezes intimista. Dessa forma, o sentido da palavra no plural dá a ideia de um interior geográfico, mas também de uma visão mais interiorizada sobre a paisagem humana”.

O Boi, de São Caetano, “é representante da cultura popular do município e, a mais ou menos vinte anos atrás, quando eu o fotografei, já notava que ele era a manifestação mais importante que se tinha lá”, lembrou Geraldo.

“Trata-se de um trabalho de cunho documental, que tem interesse pelo registro dos lugares e ritos, mas também muito refinado na composição e na observação sobre as representações culturais da nossa região. Fazem parte também uma série em preto e branco captada em Belém voltada para o retrato e a cultura visual dos mercados e feiras em bairros mais populares da cidade”, acrescentou Mariano.

Painéis em Cametá. Foto: Geraldo Ramos

Entre as imagens de Belém que integram a mostra o artista destacou as produzidas na Pedreira, desde um bar instalado no mercado, até a Festa de São Pedro, padroeiro do bairro. “O que eu gosto mesmo de fazer é o trabalho em cima da cultura popular. Ir para o interior ou mesmo aqui na cidade, nos bairros mais periféricos, onde ainda se encontram as tradições de um catolicismo popular”, finalizou Geraldo.

-> Confirme presença no evento

No encontro com o artista, Geraldo falará sobre sua trajetória, processos e apresentará ao público alguns dos trabalhos quem vem desenvolvendo.

SERVIÇO: Diário Contemporâneo realiza Conversa com Geraldo Ramos. Data: 07 de junho de 2017, às 19h. Endereço: Av. Governador José Malcher – esquina com Generalíssimo Deodoro). Entrada franca. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará, com patrocínio da Vale, apoio institucional do Museu da UFPA, Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e apoio da Sol Informática. Informações: Rua Gaspar Vianna, 773 – Reduto. Contatos: (91) 3184-9310; 98367-2468; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com e www.diariocontemporaneo.com.br.

Diário Contemporâneo promoveu o compartilhamento das residências artísticas

Share This:

O último evento da programação da abertura das mostras da 8ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia foi uma “Conversa com os Residentes”, da qual participaram Hirosuke Kitamura e Guido Couceiro Elias, além de seus respectivos tutores, Alexandre Sequeira e Lívia Aquino. O encontro ocorreu na noite de 06 de maio, no Espaço Cultural Casa das Onze Janelas e teve a mediação de Mariano Klautau Filho.

A residência artística, novidade desta edição, surgiu da inquietude do Projeto. “A ideia da residência vem da necessidade de experimentação e do incomodo de poder estar numa espécie de piloto automático, repetindo um modelo. A residência é um procedimento cada vez mais importante para a arte contemporânea”, afirmou Mariano.

Foto: Irene Almeida

A figura de um tutor, ou um pesquisador para acompanhar esse residente foi essencial, pois promoveu o debate e a reflexão. Segundo Lívia Aquino, sua atuação foi de orientação e provocação do artista. “O meu processo com o Guido foi direcionar ele a lugares em que ele pudesse ativar a sua percepção, sempre levando em conta o seu desejo artístico e a sua pratica”, contou.

O que é possível praticar em uma experiência que te desloca para um outro campo de ação e ambiente? Guido Couceiro Elias se relacionou com a cidade de São Paulo através das palavras. Ele escreveu a fotografia. “Eu notei que dava para fazer as imagens que eu estava vendo através da escrita. Comecei a escrever para continuar o processo iniciado pela fotografia e, quando percebi, fiquei mais próximo das pessoas através das palavras”, lembrou o artista.

MERGULHAR NA CIDADE

Em Belém, Alexandre Sequeira recebeu Hirosuke Kitamura em sua casa. O tutor observou que “o Prêmio, através da residência, oportuniza ao artista entrar em contato com um outro território. Os trabalhos que eles inscreveram foram premiados e estão na parede expostos, isso proporcionou um não compromisso com o resultado e sim com a experiência. Para mim, isso é interessante, pois eu também reflito como artista”, disse.

Hirosuke veio a Belém e imergiu na cidade, absorveu dela o máximo que pode, mas sempre com um movimento de retorno e de estabelecimento de relações. Ele conviveu intensamente com pessoas que não costumam habitar o espaço dos museus, mas que também tinham muito a contribuir.

O artista produziu centenas de imagens durante o período da sua residência e disse, “gostei muito de ter vindo na época das chuvas, porque eu pude ver como as pessoas convivem com ela de maneira natural. Eu consigo ter acesso a uma relação mais aberta com as pessoas e com o ambiente, sem máscaras”, finalizou.

Algumas das imagens que Hirosuke fez foram devolvidas a cidade em formato lambe lambe, afixadas em locais próximos aos da sua produção e daqueles com que o artista se relacionou.

VISITAÇÃO

A exposição “Poéticas e Lugares do Retrato” exibe os trabalhos premiados, selecionados e participações especiais. As obras ficam divididas entre o Museu da UFPA e o Espaço Cultural Casa das Onze Janelas. Além disso, o MUFPA recebe a mostra individual “Interiores”, com trabalhos de Geraldo Ramos, artista convidado. A visitação segue até dia 30 de junho, no MUFPA e 02 de julho, nas Onze Janelas.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará, com patrocínio da Vale, apoio institucional do Museu da Universidade Federal do Pará, Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e apoio da Sol Informática. Informações: Rua Gaspar Vianna, 773 – Reduto. Contatos: (91) 3184-9310; 98367-2468; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com e www.diariocontemporaneo.com.br.

Diário Contemporâneo promove conversa com João Urban e lançamento de Felipe Barrocas

Share This:

A noite de 05 de maio contou com uma programação dupla realizada pelo 8º Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, no Espaço Cultural Casa das Onze Janelas. João Urban, um dos premiados dessa edição, se encontrou com o público de Belém para uma conversa informal e Felipe Barrocas, artista selecionado, lançou seu livro “O Corpo Neutro”.

Na conversa “A presença do retrato na fotografia documentária”, que foi mediada por Mariano Klautau Filho, João falou sobre a sua história de vida, sua família e sobre o lugar onde ele nasceu. Ele apresentou diversas imagens que compõem o livro “Tu i Tam”, realizado em parceria com Teresa Urban, do qual saiu o recorte premiado pelo Projeto. Tanto o livro quanto a pesquisa realizada foram acolhidos com carinho pela comunidade polonesa do Paraná.

Conversa com João Urban. Foto: Irene Almeida

As fotos de João não mostram apenas a passagem do tempo ou o envelhecimento daqueles que foram retratados, elas apresentam uma mudança social. “Praticamente todos eles acabaram deixando a lavoura, só seus pais que permanecem”, contou.

O estilo de retrato feito por Urban é tradicional, planejado, enquadrado e estudado. Ao se deparar com as diversas possibilidades exibidas nas mostras do Diário Contemporâneo ele comentou, “eu percebi que sou um retratista extremamente tradicional e que os caminhos que o retrato tomou são completamente amplos”, afirmou.

O retrato necessita de uma relação com o outro, uma comunicação que muitas vezes não é verbalizada, além de uma habilidade de aproximação por parte do fotógrafo. Muitas vezes, é do outro e da imersão que vem a clareza em relação a prática que o artista está realizando. “Quando eu comecei a fotografar os Boias Frias eu achava que estava mostrando uma verdade incontestável, mas, na realidade, eu estava mostrando a minha verdade. Com os poloneses aconteceu a mesma coisa”, explicou.

LANÇAMENTO

Felipe Barrocas apresentou seu livro através de um exercício diferente, uma imersão, na qual o vídeo e as vozes dele, de Ruma de Albuquerque e de Oneno Moraes guiaram o público. Essa foi a primeira vez que escolheu essa configuração de apresentação.

Livro “O Corpo Neutro”. Foto: Irene Almeida

Construção de uma ficção. Paisagem sonora. O tempo das coisas e o do estar. O livro se relaciona com o trabalho “Este é aquele que apesar da distância te traz sempre presente na memória em todo o caminho”, que foi selecionado no 8ª Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia. Nele, o artista exibe uma coleção de objetos que carrega consigo e que constituem, de certa forma, seu retrato. “Como o trabalho do Prêmio se entrelaça com o livro, então o livro está na instalação, fazendo parte da mesa e sendo mais uma daquelas coisas que carrego comigo”, finalizou.

VISITAÇÃO

A exposição “Poéticas e Lugares do Retrato” exibe os trabalhos premiados, selecionados e participações especiais. As obras ficam divididas entre o Museu da UFPA e o Espaço Cultural Casa das Onze Janelas. Além disso, o MUFPA recebe a mostra individual “Interiores”, com trabalhos de Geraldo Ramos, artista convidado. A visitação segue até dia 30 de junho, no MUFPA e 02 de julho, nas Onze Janelas.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará, com patrocínio da Vale, apoio institucional do Museu da Universidade Federal do Pará, Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e apoio da Sol Informática. Informações: Rua Gaspar Vianna, 773 – Reduto. Contatos: (91) 3184-9310; 98367-2468; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com e www.diariocontemporaneo.com.br.

A fotografia e o circuito da arte em conversa com Isabel Amado

Share This:

A forte chuva não impediu os interessados em discutir a fotografia de participarem de uma conversa com a curadora e especialista em conservação, Isabel Amado, que é membro da comissão de seleção desta 8ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia. A varanda do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas recebeu na noite de quarta-feira (22), a fala “Fotografia e o Circuito da Arte: entre o museu e a galeria”.

O curador do Projeto, Mariano Klautau Filho, iniciou apresentado Isabel que “é uma pessoa que atua na área da fotografia desde os anos 80”. Ela comentou sobre as mudanças que a fotografia passou e que muitas delas são bem recentes. “A fotografia mudou profundamente de 30 anos para cá. Estamos em um estágio de maturidade que considero impressionante e louvável. Fico feliz em ver isso”, disse a curadora.

Foto: Lana Machado

Quando surgiu, a fotografia não era considerada uma manifestação artística.  Isabel, que tem grande formação empírica, contou que foi um trabalho exaustivo fazer com que a fotografia saísse do lugar apenas do registro documental e colocá-la no universo da arte.

Da fotografia feita no Brasil, ela destacou o trabalho importante do Foto Cine Clube Bandeirante, um dos mais antigos e importantes fotoclubes brasileiros, “um lugar para estudar, ver e falar sobre fotografia”. O ambiente de experimentação tinha fortes influências da fotografia americana e européia.

Isabel mostrou imagens de fotógrafos como Ademar Manarini, Georges Radó, Gertrudes Altchulz, José Yalenti, Marcel Giró, Paulo Pires, Thomaz Farkas e Geraldo de Barros. Ela também destacou a importância do livro “A fotografia moderna no Brasil”, de Helouise Costa e Renato Rodrigues da Silva. “Esse livro é determinante para entender a fotografia no nosso país”, afirmou.

Ao falar sobre o mercado, ela apresentou os critérios para a legitimação da fotografia e a sua entrada em um museu ou coleção, esses critérios são utilizado por coleções como a do MoMA NY e MAC USP. São eles: a figura do curador como especialista, a valorização do vintage, a fotografia de autor enquanto alguém com uma linguagem particular e a afirmação da autonomia.

Durante a sua fala, Isabel destacou os momentos essenciais da entrada e da afirmação da fotografia no mercado da arte. “A apresentação que eu fiz foi para mostrar para vocês o quanto a fotografia se ampliou nos seus espectros, conceitos e espaços”, acentuou.

O incentivo ao colecionismo é fundamental para fazer a fotografia circular e ter seu valor sempre compreendido.  Para finalizar, a curadora destacou o próprio Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, que ano passado apresentou ao público a coleção de fotografia contemporânea que veio construindo desde o seu primeiro ano de atuação. Uma coleção que se forma bem próximo do momento de produção da obra, sendo assim um registro da produção artística da época em que vivemos.

Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia promove encontro com Isabel Amado

Share This:

As inscrições para o 8º Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia encerraram na última sexta (17) e, enquanto o resultado da seleção dos trabalhos ainda não foi decidido, o público de Belém poderá participar de uma conversa sobre a arte fotográfica. A curadora e especialista em conservação, Isabel Amado, que é membro da comissão de seleção deste ano, abrirá a programação formativa do projeto com a fala “Fotografia e o Circuito da Arte: entre o museu e a galeria”.  O evento, que está marcado para o dia 22 de fevereiro, às 19h, na Varanda do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, terá entrada franca.

Do outro lado da Rua, de Luiz Braga. Obra pertencente a Coleção Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia. Foto: Irene Almeida

Hoje, no circuito da arte, existem diversas galerias, museus e feiras que são especializadas em fotografia. O próprio Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é parte deste cenário. Criado em 2010, vem fazendo circular a arte fotográfica nacional, descentralizando os debates sobre ela. Ano passado o projeto apresentou ao público a coleção de fotografia contemporânea que veio construindo desde o seu primeiro ano de atuação. Ela conta com trabalhos de artistas de todas as regiões do país e em diferentes suportes e linguagens.

A fotografia se profissionalizou, se desenvolver e descobriu suas necessidades para se comunicar, mas que acontecimentos marcaram sua entrada no mercado das artes visuais? Segundo Isabel, seu relato começará “pela primeira galeria de fotografia nos Estados Unidos, em 1905, até os dias de hoje, com as galerias atuais e o circuito de feiras de arte contemporânea do Brasil e do mundo. Vou mostrar também algumas importantes coleções de fotografia brasileira”.

Sobre distâncias e incômodos e alguma tristeza, de Alberto Bitar. Obra pertencente a Coleção Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, acervo Museu da UFPA.

Isabel Amado (RJ) é curadora e especialista em conservação. Desde 2000 dirige a empresa Anima Montagens, especializada na organização e na manutenção de arquivos e acervos de fotografia. É sócia da Galeria da Gávea, especializada em fotografia brasileira contemporânea e mantêm um escritório em São Paulo, especializado em fotografias vintage.

SERVIÇO: Diário Contemporâneo realiza Conversa com Isabel Amado. Data: 22 de fevereiro de 2017. Horário: 19h. Local: Varanda do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas (Praça Frei Caetano Brandão s/n – Cidade Velha). Entrada franca. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do jornal Diário do Pará, com patrocínio da Vale; apoio institucional do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA, Sol Informática e Museu da UFPA. Informações: Rua Aristides Lobo, 1055 (entre Tv. Benjamin Constant e Tv. Rui Barbosa) – Reduto. Contatos: (91) 3355-0002; 98367-2468; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com e www.diariocontemporaneo.com>> Confirme presença no EVENTO