Diário Contemporâneo promove conversa com João Urban e lançamento de Felipe Barrocas

Share This:

A noite de 05 de maio contou com uma programação dupla realizada pelo 8º Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, no Espaço Cultural Casa das Onze Janelas. João Urban, um dos premiados dessa edição, se encontrou com o público de Belém para uma conversa informal e Felipe Barrocas, artista selecionado, lançou seu livro “O Corpo Neutro”.

Na conversa “A presença do retrato na fotografia documentária”, que foi mediada por Mariano Klautau Filho, João falou sobre a sua história de vida, sua família e sobre o lugar onde ele nasceu. Ele apresentou diversas imagens que compõem o livro “Tu i Tam”, realizado em parceria com Teresa Urban, do qual saiu o recorte premiado pelo Projeto. Tanto o livro quanto a pesquisa realizada foram acolhidos com carinho pela comunidade polonesa do Paraná.

Conversa com João Urban. Foto: Irene Almeida

As fotos de João não mostram apenas a passagem do tempo ou o envelhecimento daqueles que foram retratados, elas apresentam uma mudança social. “Praticamente todos eles acabaram deixando a lavoura, só seus pais que permanecem”, contou.

O estilo de retrato feito por Urban é tradicional, planejado, enquadrado e estudado. Ao se deparar com as diversas possibilidades exibidas nas mostras do Diário Contemporâneo ele comentou, “eu percebi que sou um retratista extremamente tradicional e que os caminhos que o retrato tomou são completamente amplos”, afirmou.

O retrato necessita de uma relação com o outro, uma comunicação que muitas vezes não é verbalizada, além de uma habilidade de aproximação por parte do fotógrafo. Muitas vezes, é do outro e da imersão que vem a clareza em relação a prática que o artista está realizando. “Quando eu comecei a fotografar os Boias Frias eu achava que estava mostrando uma verdade incontestável, mas, na realidade, eu estava mostrando a minha verdade. Com os poloneses aconteceu a mesma coisa”, explicou.

LANÇAMENTO

Felipe Barrocas apresentou seu livro através de um exercício diferente, uma imersão, na qual o vídeo e as vozes dele, de Ruma de Albuquerque e de Oneno Moraes guiaram o público. Essa foi a primeira vez que escolheu essa configuração de apresentação.

Livro “O Corpo Neutro”. Foto: Irene Almeida

Construção de uma ficção. Paisagem sonora. O tempo das coisas e o do estar. O livro se relaciona com o trabalho “Este é aquele que apesar da distância te traz sempre presente na memória em todo o caminho”, que foi selecionado no 8ª Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia. Nele, o artista exibe uma coleção de objetos que carrega consigo e que constituem, de certa forma, seu retrato. “Como o trabalho do Prêmio se entrelaça com o livro, então o livro está na instalação, fazendo parte da mesa e sendo mais uma daquelas coisas que carrego comigo”, finalizou.

VISITAÇÃO

A exposição “Poéticas e Lugares do Retrato” exibe os trabalhos premiados, selecionados e participações especiais. As obras ficam divididas entre o Museu da UFPA e o Espaço Cultural Casa das Onze Janelas. Além disso, o MUFPA recebe a mostra individual “Interiores”, com trabalhos de Geraldo Ramos, artista convidado. A visitação segue até dia 30 de junho, no MUFPA e 02 de julho, nas Onze Janelas.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará, com patrocínio da Vale, apoio institucional do Museu da Universidade Federal do Pará, Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e apoio da Sol Informática. Informações: Rua Gaspar Vianna, 773 – Reduto. Contatos: (91) 3184-9310; 98367-2468; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com e www.diariocontemporaneo.com.br.

Biblioteca do Diário Contemporâneo foi destaque no encontro com Fernanda Grigolin

Share This:

Por: Debb Cabral

No último sábado (23), o público pode conhecer os livros que constituem a biblioteca do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia. A ação é uma parceria entre o Projeto, o Museu da UFPA e a Tenda de Livros, da artista curitibana Fernanda Grigolin.

Fotos: Lana Machado
Fotos: Lana Machado

Na ocasião, Mariano Klautau Filho, curador do projeto, apresentou Fernanda e observou que objetivo do encontro era, “a partir de uma conversa informal, criar mais um laço com as pessoas que acompanham o Prêmio”.

É o início de uma série de novos desdobramentos do Diário Contemporâneo. Fernanda contou que “a seção de livros foi pensada como um lugar de tensão entre a exposição e a biblioteca”. A escolha dos títulos vem de uma tentativa de mapear a produção nacional. Além disso, “a biblioteca é muito feliz em tentar parear a produção dos homens e das mulheres”, acrescentou. A artista apresentou os livros selecionados, mas também observou o que falta, tanto em relação temática, quanto em relação a geografia.

A Tenda de Livros também teve espaço no debate, chamando a atenção para o seu modo de atuação que busca sempre criar um ambiente pensado para a circulação dos livros e das pessoas. Um espaço de trocas e encontros.

O livro de artista é uma obra que tem como destaque a questão da portabilidade, a qual rompe com os padrões tradicionais de exposição da arte. Os livros da Coleção Diário Contemporâneo de Fotografia foram exibidos em mesas e o público presente pôde ter esse primeiro contato com a biblioteca do Projeto, bem como dialogar com seus propositores e alguns artistas que também estiveram presentes no evento.

>> Participantes da biblioteca da Coleção Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia

01. Abrasiva (Rio de Janeiro/RJ)

02. Adriel Visoto (Campinas – SP/Brasópolis – MG)

03. Alberto Bitar (Belém/PA)

04. Amália Barrio e Cuadra (Campinas-São Paulo/SP)

05. Ana Lira (Recife/PE)

06. Andre Penteado (São Paulo/SP)

07. Amanda Texeira (Porto Alegre/RS)

08. Azulejo Arte Impressa (Porto Alegre / RS)

09. Camila Otto e André Hauck (Belo Horizonte/MG)

10. Carine Wallauer (Porto Alegre/RS)

11. Carolina Cattan (Rio de Janeiro/RJ)

12. Claudia Zimmer (Florianópolis/SC)

13. Edições Tijuana (São Paulo/SP)

14. Elaine Pessoa (São Paulo/SP)

15. Fabio Morais (São Paulo/SP)

16. Felipe Russo (São Paulo/SP)

17. Fernanda Grigolin (Campinas – São Paulo /SP)

18. Franciele Favero (Florianópolis/SC)

19. Francisco Costa Lima (Manaus/AM)

20. Guilherme Gerais (Londrina/PR)

21. Ionaldo Rodrigues (Belém /PA)

22.João Castilho (Belo Horizonte/MG)

23. José Diniz (Rio de Janeiro/ RJ)

24. Jonathas de Andrade (Recife/PE)

25.Pingado Prés (São Paulo/SP)

26. Plataforma Par(ent)esis/ Regina Melim (Florianópolis/SC)

27. Kamikaze (São Paulo/ SP)

28. Laura Del Rey e Alziro Barbosa (São Paulo/ SP)

29. Letícia Lampert (Porto Alegre/RS)

30. Lila Botter e Rafaela Jemmene (São Paulo/SP)

31. Luana Navarro (Curitiba, PR)

32. Lucia Mindlim Loeb (São Paulo/SP)

33. Mariana David (Salvador/ Bahia)

34. Paula Sampaio (Belém/PA)

35.Rafael Adorján (Rio de Janeiro/RJ)

36. Rony Maltz (Rio de Janeiro/RJ)

37. Savant Editora (Brasília/DF)

38. Silvino Mendonça (Brasília/DF)

39. Walda Marques (Belém/PA)

7ª edição nas palavras do curador do Projeto

Share This:

Por: Debb Cabral

Na noite da última terça-feira (02), ocorreu no Museu da UFPA o lançamento da 7ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia. Artistas, curadores, pesquisadores e parceiros do Projeto estiveram presentes para conferir as novidades para este ano de 2016. Na ocasião também foi distribuido o catálogo da 6ª edição.

Confira as imagens:

[nggallery id=43]

Esse ano a edição será especial e diferente de todas já realizadas. Não haverá edital de seleção. A edição de 2016 será especialmente dedicada à Coleção que vem sendo formada desde 2010 e o Diário Contemporêno nunca teve a oportunidade de expor em conjunto. As obras que serão expostas foram doadas para as duas instituições parceiras do Projeto: o Espaço Cultural Casa das Onze Janelas e o Museu da UFPA.

Além das mostras, a programação que contará com oficinas, palestras, workshops e encontros com artistas, terá início a partir da segunda quinzena de março.

Saiba mais sobre a 7ª edição através das palavras do curador do projeto, Mariano Klautau Filho:

Nós chegamos à conclusão de que esse era o momento certo para lançar essa coleção. Tem algo que sempre norteou o projeto: o Diário Contemporâneo não é apenas um evento. Ele tem o objetivo de ser um lugar de formação, para isso realizamos as oficinas, as palestras, os cursos. É um projeto que gera conteúdo para pesquisa em arte e fotografia.

Então, ao instituir a coleção é um ciclo que se fecha. Ao longo desses anos reunimos um conjunto significativo de trabalhos de artistas de diversas regiões do Brasil, incluindo a produção do Pará. Nós só conseguimos realizar isto porque existem duas instituições públicas que têm profissionais capacitados nas áreas de museologia e preservação: o Museu da Universidade Federal do Pará e a Casa das Onze Janelas da Secretaria de Cultura do Estado.

Para possibilitar a exposição dessa produção é muito importante dedicar toda a energia para a organização desse material e, assim, exibi-lo pela primeira vez no seu conjunto. Essa não é uma tarefa fácil. Então, ou nós nos dedicavámos ao edital ou à formalização da coleção com todos os processos que são necessários para o acervo de um museu de arte. É a nossa oportunidade, portanto nesse momento, de lançar a coleção e propor uma programação mais extensa para o VII Diário Contemporâneo de Fotografia.

A base da programação desta nova edição será constituída pelos encontros com os artistas. Teremos sempre um artista de outra região conversando com um artista paraense e mais a presença de um pesquisador para mediar o encontro com o público. Nesse momento, cada artista vai mostrar seus trabalhos, e especialmente aquele que pertence à coleção, bem como sua trajetória. Esse será o eixo principal da programação que contará com oficinas, minicursos e palestras com artistas de Belém e de outras cidades do país.

 

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia trata-se de um projeto nacional que, em seus anos de atuação, contribuiu para a consolidação do Pará como lugar de reflexão e criação em artes, além de proporcionar o diálogo entre a produção local e nacional.

É promovido pelo jornal Diário do Pará e conta com o patrocínio da Vale, além das parcerias da Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus/ Secult-PA, Sol Informática e Museu da Universidade Federal do Pará (MUFPA)

Edição de 2016 será lançada nesta terça

Share This:

Por: Debb Cabral

A edição de 2016 do Diário Contemporâneo tem como destaque a constituição oficial da Coleção Diário Contemporâneo de Fotografia. O lançamento ocorre no dia 02 de fevereiro (terça-feira), às 19h, no Museu da UFPA.

Banner 2016

A política de acervo pensada desde a concepção, foi ampliada a partir de 2012, passando a se desenvolver de modo sistemático. O Museu da UFPA e o Espaço Cultural Casa das 11 Janelas, parceiros do projeto, recebem obras de artistas convidados e premiados, respectivamente. Além disso, outros artistas que participaram do Prêmio ao longo de sua existência também doaram obras. Em 2016 o público poderá ver o resultado do processo de unificação desse conjunto de trabalhos sob a guarda das instituições parceiras.

Entre os fotógrafos paraenses que integram a Coleção, podemos destacar alguns nomes como Luiz Braga, Emídio Contente, Wagner Almeida, Ionaldo Rodrigues e Ana Mokarzel. E já no âmbito nacional, artistas como Tuca Vieira, Pedro Clash, Mateus Sá, Renan Teles e Ivan Padovani são alguns dos 46 fotógrafos que possuem obras no acervo.

Confirme presença no evento AQUI.

Criado em 2010, o Diário Contemporâneo chega a sua 7ª edição em 2016. A cada ano um tema foi escolhido, exceto em 2015, cuja temática livre foi permitida. Nesta edição será visto algo totalmente novo.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é um projeto nacional, que em seus anos de atuação contribuiu para a consolidação do Pará como lugar de reflexão e criação em artes, além de proporcionar o diálogo entre a produção local e nacional.

SERVIÇO: Diário Contemporâneo lança edição de 2016. Data: 02 de fevereiro de 2016. Horário: 19h. Local:Museu da UFPA (Av. Governador José Malcher (esquina com Generalíssimo Deodoro). Entrada franca. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do jornal Diário do Pará, com patrocínio da Vale, apoio institucional da Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus/ Secult-PA, Sol Informática e Museu da Universidade Federal do Pará (MUFPA). Informações: Rua Aristides Lobo, 1055 (entre Tv. Benjamin Constant e Tv. Rui Barbosa) – Reduto. Contatos: (91) 3355-0002; 98367-2468; contato@diariocontemporaneo.com.brpremiodiario@gmail.com .

Edição de 2016 será lançada em fevereiro

Share This:

capa evento lançamento

Em 2016 o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia realiza sua 7ª edição. O projeto nacional que incentiva a cultura, a arte e a linguagem fotográfica em toda a sua diversidade, contará com uma extensa programação de palestras, encontros com artistas, oficinas e atividades educativas com as escolas.

O lançamento da edição de 2016  está marcado para o dia 02 de fevereiro, às 19h, no Museu da Universidade Federal do Pará – MUFPA. Após essa data o público encontrará no site www.diariocontemporaneo.com.br mais detalhes sobre a edição.

Projeto terá programação intensa

Share This:

O II Prêmio Diário Contemporâneo trará também uma extensa programação paralela às mostras, como palestras, oficinas e visitas monitoradas com alunos de escolas públicas de Belém. Como parte do projeto, serão oferecidas três oficinas: “Processos da Cianotipia”, com Eduardo Kalif; “Fotografia Documental”, com Guy Veloso, que recentemente expôs o trabalho “Penitentes: dos Ritos de Sangue à Fascinação do Fim do Mundo” na 29ª Bienal Internacional de São Paulo; e “Experimentos da Fotografia Contemporânea”, com Alexandre Sequeira.

As palestras, de caráter reflexivo e de elucidação das acepções contemporâneas sobre a linguagem fotográfica, serão proferidas pelo professor da UFPA, Ernani Chaves, que tem reconhecido percurso acadêmico sobre estética; a professora e curadora Marisa Mokarzel, também dedicada à reflexão e análise crítica da arte produzida no Estado; e novamente, o fotógrafo e também professor Alexandre Sequeira, que estabelece o contrapeso, já que produz trabalho autoral. Os temas das palestras ainda serão definidos, de acordo com o tema “Crônicas Urbanas”.

O período para as inscrições, gratuitas, é de 3/1 a 5/2 de 2011. Aguarde a divulgação do número de vagas, horários e locais de realização de cada atividade.

SERVIÇO:

Além do site oficial, acompanhe novidades no twitter @premiodiario.

(Texto: Assessoria de  Comunicação)

Em imagens, a complexidade urbana

Share This:

II Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia propõe olhares sobre a cidade

“A técnica está sempre a serviço de uma ideia”, defende o fotógrafo Alexandre Sequeira. A afirmação, segundo ele, serve para conduzir o trabalho fotográfico, que exige compreensões poéticas e sensíveis acima de quaisquer conhecimentos tecnicistas. É claro que com o domínio técnico o fotógrago amplia suas possibilidades de expressões estéticas, mas Alexandre, que integra a comissão de seleção do II Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, garante que o conceito também é parte primordial da fotografia. Ele e os professores e curadores Marisa Mokarzel e Tadeu Chiarelli ficarão atentos para a capacidade de reflexão dos trabalhos inscritos. A partir do dia 03 de janeiro, artistas do Brasil inteiro poderão inscrever trabalhos no concurso, que tem como tema “Crônicas Urbanas”.

O projeto pressupõe pensar sobre a cidade como elemento fundamental para a constituição da linguagem fotográfica. Os artistas selecionados serão avaliados quanto à diversidade do pensamento e da linguagem, no campo das imagens e histórias geradas e vividas nos espaços urbanos. “A fotografia é um elemento provocador, indutor da reflexão. O tema está ligado à crise das cidades, que buscam suas soluções para problemas do meio ambiente. As artes plásticas em geral são mais herméticas, mas a linguagem fotográfica é mais fácil para propor, pois é uma linguagem artística imbricada com a nossa vida, já que consumimos imagens”, explica Alexandre.

NOVIDADES

Para a segunda edição, algumas novidades foram estabelecidas, ressaltando o aperfeiçoamento do projeto. A primeira delas é a apresentação de Luiz Braga como artista convidado, com uma parte de sua pesquisa e produção fotográfica expostas em mostra particular, em harmonia com o tema do projeto. Pelo incontestável registro da urbanidade da cidade Belém, de maneira peculiar, desde os seus primeiros ensaios na década de 1970, Luiz Braga vai dialogar com a equipe de organização do projeto a fim de decidir, dentro de seu extenso trabalho, o que poderá compor a mostra. “Serão selecionadas de oito a dez fotografias, que vão ocupar uma das salas do museu, como parte da exposição dos trabalhos selecionados. A fotografia do Luiz tem uma atmosfera urbana de um ponto de vista inusitado”, explica Mariano, que destaca o mais recente trabalho do fotógrafo, “Verde-Noite, 11 Raios na Estrada Nova – Fotografia Night Vision”, no qual ele volta a fotografar a Estrada Nova, em Belém.

Além disso, será montada também uma exposição paralela, no Museu Casa das Onze Janelas, com fotografias dos repórteres fotográficos do jornal Diário do Pará. Mariano conta que a ideia foi lançada pela fotógrafa Irene Almeida, que também compõe a equipe de organização do projeto, e foi proposta justamente porque aqueles fotógrafos estão diretamente relacionados com a dinâmica da cidade, registrando-a diariamente. Agora, as fotografias de 14 profissionais sairão dos arquivos e acervos para o museu. “Eles possuem um trabalho que não é mostrado. Vamos aproximar esse universo, trazer o dia-a-dia da cidade para a fotografia contemporânea. É a maneira de chegar até esses arquivos”, explica o curador. É mais um espaço que abarca o Premio Diário Contemporâneo de Fotografia, que este ano terá mais um mês disponível para as visitações, o que vai viabilizar a ampliação das ações educativas. A exposição ocorre de 15 de março a 15 de maio do ano que vem.

LANÇAMENTO

Durante a solenidade de lançamento da segunda edição, ocorrida no último dia 16, alguns pontos fundamentais foram lembrados, como, por exemplo, o pioneirismo do prêmio, o primeiro no estado pensado exclusivamente para a linguagem fotográfica e seus desdobramentos. O diretor-presidente do Diário do Pará, Jader Barbalho Filho, disse que esse foi o motivo fundamental para a realização do projeto, que foi criado para valorizar ainda mais a já reconhecida importância da produção e reflexão acerca da fotografia desenvolvida ao longo dos últimos anos. “Nós idealizamos esse prêmio com a ideia de valorizar a fotografia. Faltava um prêmio exclusivamente para essa linguagem. Com isso, esperamos elevar o reconhecimento da fotografia paraense”, disse.

Ainda durante o lançamento, foi realizada a entrega simbólica da série “Lugares Imaginários”, de Octávio Cardoso, premiada na primeira edição do prrojeto, ao acervo do MUFPA.

A professora Jussara Derenji, diretora do MUFPA, afirmou que nesta segunda edição a parceria com o grupo RBA se consolida. “Esperamos continuar esta e outras parcerias. Queremos resgatar o papel de vanguarda que a Universidade possuía para as artes visuais na Amazônia, que se perdeu um pouco ao longo dos anos”, explicou.

Karla Melo, representante regional da Vale, patrocinadora do projeto, enfatizou a parceria com o grupo RBA e destacou o compromisso com a valorização e estímulo para a arte. “Nós comemoramos essa parceria. O prêmio está sendo realizado com paixão por vencer desafios e para valorizar a cultura local. Nesta segunda edição o projeto está ainda mais belo, com grandes artistas, que procuram olhar para a cidade com outra perspectiva”.

INSCRIÇÕES

O período de inscrição é de 03/01 a 05/02 de 2011. Para os trabalhos enviados por correio, a data limite para postagem será o dia 5/2/2011. Informações: 3224-0871 / 3242 – 8340.

(Texto: Assessoria de  Comunicação)

Passeio pela fotografia brasileira

Share This:

A dinâmica urbana como metáfora da expansão da linguagem fotográfica norteia o II Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, que será lançado hoje, às 19h, no Museu da UFPA. Depois de se debruçar sobre a diversidade cultural brasileira em sua primeira edição, desta vez o projeto toma como ponto de partida a cidade como lugar privilegiado de ação da cultura. E propõe ao artista um exercício sobre o universo urbano, seu cotidiano, suas imagens e representações.

A ideia é exaltar a fotografia em suas múltiplas possibilidades de linguagem, suporte e poética, sob o tema “Crônicas Urbanas”. “O artista contemporâneo é parte importante na reconstrução dos valores urbanos. E a cidade do século XXI é desafiadora para o fotógrafo de hoje, porque é constituída de crise e superação diante das questões sociais, ambientais e artísticas”, diz Mariano Klautau Filho, curador geral do projeto.

As inscrições para o II Prêmio Diário Contemporâneo estão abertas a partir do dia 3 de janeiro e seguem até o dia 5 de fevereiro de 2011. Para ver o regulamento, basta acessar o site do projeto: www.diariocontemporaneo.com.br. O concurso, voltado a artistas de todo o Brasil, oferecerá três prêmios no valor de R$ 10 mil cada: Prêmio Crônicas Urbanas, destinado aos fotógrafos que apresentem trabalhos de abordagem documental, voltada ao cotidiano ou originados de um projeto autoral de documentação; Prêmio Diário Contemporâneo, voltado a todos os artistas selecionados cujo trabalho fotográfico dialogue com a instalação, vídeo, objeto ou performance; e Prêmio Diário do Pará, voltado exclusivamente a fotógrafos paraenses ou atuantes no Pará por pelo menos três anos, abrangendo todas as propostas conceituais.

Os trabalhos serão julgados por uma comissão formada pelo pesquisador e artista visual Alexandre Sequeira, e os pesquisadores e curadores Tadeu Chiarelli e Marisa Mokarzel. A primeira edição do projeto, que recebeu 247 inscrições de 45 cidades brasileiras, consagrou os paraenses Octávio Cardoso e Paulo Wagner Oliveira, e o coletivo Parênteses, de São Paulo, escolhidos nas categorias “Brasil Brasis”, “Diário do Pará” e “Diário Contemporâneo”, respectivamente.

FORMAÇÃO

Além da mostra coletiva, que será realizada no Museu da UFPA com trabalhos dos artistas selecionados e premiados e mais a participação de um fotógrafo convidado pela curadoria, o projeto prevê uma ampla programação que inclui ciclo de palestras, encontros com artistas, oficinas, atividades de arte-educação e publicação de livro. Segundo Jader Barbalho Filho, diretor presidente do Diário, o caráter de formação do projeto, que não se encerra enquanto prêmio, busca incentivar o surgimento de novos artistas.

“Nosso estado sempre se destacou pelo talento dos seus fotógrafos. Entretanto, o público local não tinha tantas oportunidades de apreciar a beleza e talento produzido por esses artistas. O Prêmio Diário Contemporâneo tem o objetivo claro de aproximar artistas do público e, ao mesmo tempo, dar a chance aos paraenses ou residentes no estado de conhecer ainda mais a produção local e nacional. As oficinas e atividades programadas durante o evento permitem a formação, o aperfeiçoamento e a revelação de novos talentos”, diz.

“Em um país que carece tanto de educação, não teria sentido fazermos um projeto que se limitasse a prêmios. O prêmio é muito importante para a sobrevivência do artista, mas este é um projeto de formação e que por isso inclui pesquisa, reflexão e atividades que promovam o encontro do público, do estudante, com a arte fotográfica”, completa Mariano Klautau.

Dentre as novidades desta segunda edição, está uma mostra especial com trabalhos dos fotógrafos do Diário. A exposição, cuja curadoria será assinada por um fotógrafo indicado, será montada no Museu Casa das Onze Janelas, ocupando a Sala Gratuliano Bibas e o Laboratório das Artes. É importante destacar que a participação na mostra não inviabiliza a inscrição dos fotógrafos do Diário como candidatos ao prêmio.

LIVRO

A cerimônia de hoje também marca o lançamento do livro-catálogo da primeira edição do projeto. Além das imagens dos trabalhos que integraram a mostra, a publicação reúne textos críticos, artigos e entrevistas que servirão como referência para quem pesquisa arte no Brasil. “O catálogo do prêmio reflete o seu caráter formativo. Temos, por exemplo, textos como o da [fotógrafa] Cláudia Leão, que atualmente desenvolve tese de doutorado na PUC de São Paulo, e uma parte importante da pesquisa de mestrado do jornalista e curador de fotografia Eder Chiodetto sobre mídia e representação, onde ele analisa a fotografia como informação na imprensa contemporânea. Este trabalho foi defendido no programa da Escola de Comunicação e Artes da USP e foi publicado em primeira mão no catálogo do Prêmio Diário Contemporâneo”, adianta Klautau.

“Destaco também o excelente artigo de Patrick Pardini sobre paisagem e retrato, que nos ajuda a pensar o conjunto de imagens que compuseram a mostra de fotografia da primeira edição do prêmio. Poder fazer uma publicação deste tipo é ainda raro no Brasil e estamos fazendo isso aqui no Pará”, ele ressalta.

Para Karla de Melo, gerente de comunicação regional da Vale, patrocinadora do projeto, “O catálogo proporciona um convite: a partir da visão particular de cada fotógrafo, podemos entender melhor a diversidade que torna nosso país um lugar único. Além disso, cada fotografia proporciona um deleite visual que faz bem ao olhos e à alma”.

PARTICIPE

Lançamento do II Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia. Hoje, às 19h, no Museu da UFPA (Av. Governador José Malcher, esquina com Generalíssimo Deodoro). Entrada franca. Informações: 3224-0871 / 3242–8340 e contato@diariocontemporaneo. com.br. Realização: Diário do Pará. Apoio: Museu da UFPA. Patrocínio: Vale.