Diário Contemporâneo realiza palestra sobre colecionismo

Share This:

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia realiza nesta semana a palestra “Quanto impacta o colecionismo, o mercado, as galerias de arte e as políticas de Estado na carreira de artistas?”, que será apresentada por Nei Vargas da Rosa, fruto da sua pesquisa de doutorado em Artes Visuais no PPGAV/UFRGS. O encontro com o público será no dia 14, quarta-feira, às 19h, no Museu da UFPA, com entrada franca.

Segundo Nei, “o sistema da arte tem sofrido inúmeras alterações em sua lógica interna de desenvolvimento nas últimas décadas, apresentando atores antigos que renovam suas formas de atuação e práticas obsoletas são substituídas por novas estratégias que reorientam a produção, a circulação, a legitimação e o consumo da produção das artes visuais. O Estado, com suas políticas públicas, reorganiza e interfere no funcionamento e nas especificidades do mercado de arte”.

Amazônia, de Rodrigo Correia, premiado nesta edição.

O pesquisador irá analisar como que ficam os artistas dentro deste cenário marcado por um ambiente de hierarquias, interesses e disputas nem sempre artísticas. Além de observar questões como políticas públicas, mercado da arte e colecionismo.

.

COLEÇÃO DIÁRIO CONTEMPORÂNEO DE FOTOGRAFIA

O Diário Contemporâneo formalizou, em 2016, a coleção de fotografias que vinha reunindo desde a sua primeira edição. São trabalhos em fotografia, vídeo, instalação e outras linguagens; aproximadamente 160 obras de mais de 40 artistas. Belém recebeu, através da ação do projeto, uma coleção de fotografia contemporânea que está sob a guarda das duas instituições públicas parceiras: o Espaço Cultural Casa das Onze Janelas e o Museu da UFPA.

A ação do Diário Contemporâneo, no sentido da formação de acervo, vai ao encontro das questões que serão debatidas a partir de pesquisas conduzidas por Nei. São elas: “Institucionalização de coleções privadas de arte contemporânea no Brasil”, na qual ele analisa a passagem do contexto privado para o público/privado de coleções de arte contemporânea; e “Perspectivas do Colecionismo de Arte Contemporânea”, inédita em âmbito nacional, onde ele faz uma imersão no procedimento colecionista de arte contemporânea, incluindo entrevistas com colecionadores de 17 estados do país.

.

NEI VARGAS DA ROSA

Doutorando em Artes Visuais no PPGAV/UFRGS, com pesquisa sobre a institucionalização de coleções privadas de arte contemporânea. Em paralelo, conduz a pesquisa Perspectivas do Colecionismo de Arte Contemporânea no Brasil, com Bolsa Pesquisador do Instituto de Cultura Contemporânea. Curador do ciclo de debates Dinâmicas do Colecionismo de Arte Contemporânea, na A Casa do Parque/SP. Organizou o dossiê Sistema da Arte no Brasil da Revista Ouvirouver/UFU. Compõe a Comissão Organizadora do Simpósio Internacional de Relações Sistêmicas da Arte. É associado ao The Internacional Art Market Association, pelo subcomitê Mercado de Arte e Colecionismo: Portugal, Espanha e Brasil.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará com apoio institucional do Museu do Estado do Pará, do Sistema Integrado de Museus e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática, parceria da Alubar e patrocínio da Vale.

.

SERVIÇO: Diário Contemporâneo realiza palestra com Nei Vargas da Rosa. Data: 14 de agosto, às 19h. Local: Museu da UFPA. Endereço: Av. Governador José Malcher – esquina com Generalíssimo Deodoro. Entrada franca. Informações: Rua Gaspar Viana, 773 – Reduto. Contatos: (91) 3184-9310; 98367-2400; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com e www.diariocontemporaneo.com.br

Exposição do Diário Contemporâneo abre hoje no MUFPA

Share This:

Ontem (06), o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia inaugurou a primeira parte da mostra “Interseções, 2010/2019” com trabalhos premiados, selecionados e convites da curadoria. Hoje, é no Museu da UFPA que será aberta a exposição na qual todos os artistas convidados das edições anteriores do projeto estarão reunidos em uma coletiva. A programação será às 19h, com entrada franca.

Miguel Chikaoka. Salvaterra, PA – 1994

“O MUFPA vem dedicando-se, a partir de 2012, exclusivamente à mostra individual do artista convidado de cada edição. As exposições foram produzidas especialmente para o projeto, por meio de pesquisa nos acervos dos artistas e contou, ao todo, com nove fotógrafos atuantes no Pará que apresentaram seus trabalhos de 2010 a 2018. A mostra ‘Interseções, 2010/2019’ comemora os dez anos do projeto no MUFPA, reunindo trabalhos que pertencem, em sua grande maioria, ao segmento da Coleção Diário Contemporâneo de Fotografia, abrigado neste museu”, explicou o curador do projeto, Mariano Klautau Filho.

A valorização da fotografia paraense ocorreu de maneiras diferentes ao longo destes dez anos de projeto, como na primeira edição, em que dois artistas foram homenageados, Cláudia Leão e Dirceu Maués.

Fotógrafos de outros estados como Miguel Chikaoka, que veio de São Paulo e Janduari Simões, nascido na Bahia, também já exibiram suas poéticas. Não interessa a origem, o que importa são as narrativas construídas por eles no Pará, sua atuação e relevância para a memória e imaginário do nosso estado.

Mas é claro que os nascidos na terra também têm seu espaço, assim como os da edição inaugural, Luiz Braga, Walda Marques, Jorane Castro, Geraldo Ramos e Flavya Mutran também apresentaram através do projeto recortes inéditos dos seus arquivos.

No ano em que comemora uma década de atuação, o Diário Contemporâneo traz todos eles de volta em uma coletiva que não se apresenta como retrospectiva, mas como uma outra leitura das suas visualidades. “O recorte proposto revelou o encontro interessante entre retrato e paisagem, figura e fundo. Ambos os gêneros e modos de percepção se dinamizam nas interseções entre uma fotografia de origem documental transferida – por contaminações – para uma estética cinemática”, finalizou Mariano.

ENCONTROS COM ARTISTAS

Os artistas premiados nesta edição Danielle Cavalcante, Julia Milward e Rodrigo José participarão de uma conversa com o público amanhã (08), às 19h, no Museu do Estado do Pará. Já na sexta-feira (09), o encontro será com os selecionados Bruno Zorzal e Claudia Tavares, no mesmo horário e local. Ambas as programações têm entrada franca.

SERVIÇO: Diário Contemporâneo abre exposição no MUFPA hoje. Data: 07/08, às 19h, no Museu da UFPA. Endereço: Av. Governador José Malcher – esquina com Generalíssimo Deodoro. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará com apoio institucional do Museu do Estado do Pará, do Sistema Integrado de Museus e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática, parceria da Alubar e patrocínio da Vale. Informações: (91) 3184-9310; 98367-2400; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com e www.diariocontemporaneo.com.br.

Visitação escolar têm opção de agendamento prévio

Share This:

Intitulada “Leituras conscientes, nas entrelinhas do Brasil”, a ação educativa deste ano atua nas exposições da 10º edição, que têm visitação aberta até setembro no Museu do Estado do Pará e Museu da UFPA. Os professores que queiram levar as suas turmas podem solicitar o agendamento das visitas pelo site www.diariocontemporaneo.com.br ou nos telefones 4009- 8695 e 98146-2506, de segunda a sexta, no horário de 10 às 15h. As solicitações estão sujeitas à disponibilidade de agenda. Após o cadastramento de informações no site, todos os pedidos serão respondidos por email ou telefone.

Visitação escolar. Foto: Irene Almeida

Qualquer grupo que se organize pode realizar um agendamento prévio da sua visita. Além disso, todo e qualquer visitante também encontra suporte na equipe de mediadores.

A ação educativa é de grande necessidade dentro da democratização cultural. E é de suma importância para o projeto a formação do olhar crítico a partir da arte.

Anualmente, o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia tem um cuidado na hora de formar a sua equipe de educadores, pois são eles que recebem os mais diversos públicos nos espaços dos museus. Com coordenação de Dairi Paixão, a equipe é constituída por estudantes universitários de diversas áreas. Eles participaram de um minicurso com dinâmicas de encontro, leituras sobre arte-educação em espaços culturais e mediação cultural, além do conhecimento das obras e artistas desta edição. Antes de terem a oportunidade de colocar o público em diálogo com os trabalhos, “eles foram convidados a inventar as suas próprias narrativas de mediação e refletir sobre o lugar da mediadora e do mediador nessa interlocução com os diversos públicos”, explicou Dairi.

A ação educativa tem compromisso com a formação de cidadãos de pensamento crítico, abertos ao diálogo, diversidade e colaboração. Temáticas contemporâneas debatidas na formação de mediadores “trouxeram, à luz da consciência, a reflexão sobre os temas que estão nas entrelinhas do país, além dos atravessamentos proporcionados pelas imagens e trabalhos selecionados. Tudo isso para conhecer as histórias que não são contadas e questionar um imaginário prévio diante de questões como feminicídio, racismo, territórios, identidade e Amazônia, por exemplo”, acrescentou.

Foi a partir desses questionamentos que foram preparadas as propostas educativas para a composição do tabloide anual do projeto. Este material servirá de suporte durante as visitas e acompanhará os professores na volta a sala de aula.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará com apoio institucional do Museu do Estado do Pará, do Sistema Integrado de Museus e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática, parceria da Alubar e patrocínio da Vale.

A criatividade nas lutas da arte em palestra de Isabel Gouvêa

Share This:

Abrindo formalmente a programação da 10ª edição, a fotógrafa Isabel Gouvêa realizou a palestra “Lutas criativas no campo da arte: As experiências da Bahia no Prêmio Pierre Verger e no Programa Kabum! de Arte e Tecnologia”. O encontro com o público ocorreu na última segunda-feira (24), no Museu da UFPA.

Foto: Irene Almeida

O público lotou o espaço para ouvir as experiências da artista com as duas diferentes instituições culturais. Ela apresentou a ONG CIPÓ-Comunicação Interativa e o seu desejo de transformação social. “Além de desenvolver os jovens, a gente sempre trabalhou a produção. Tudo o que a gente produzia, nós demos em retorno para a escola pública”, disse.

Sentimento de pertencimento e transformação dos sentidos. Foi o que ocorreu durante os 12 anos em que a Cipó realizou o Programa Kabum! de Arte e Tecnologia, para a formação de jovens de comunidades populares. Ela contou que “quando os jovens chegavam para iniciar uma nova turma, parecia que eles não tinham nenhuma identificação com o lugar de onde eles vinham”. Assim, uma das primeiras ações foi torná-los pesquisadores e conhecedores da sua cultura.

O mapeamento dos carrinhos de café, tradicionais na Bahia, foi um projeto de sucesso. Design, cultura e sustentabilidade estavam presentes em um objeto que simbolizava a criatividade e a inventividade dos anônimos em oposição ao design industrial. “É a necessidade versus o desejo forçado”, afirmou.

Outro tópico abordado foi o Prêmio Pierre Verger, nascido de uma lei e que não dialogava com a comunidade fotográfica local e nem dava retorno artístico, social e cultural ao estado. O Prêmio passou por diversas reformulações que foram fruto das lutas constantes. Em um certo momento existiu a possibilidade da sua não realização e Isabel contou que “mesmo a gente tendo críticas ao modelo, a gente lutou por ele”.

Ao fazer um paralelo entre a fotografia da Bahia e a do Pará ela não deixou de notar que só recentemente a articulação e o trabalho em grupo dos artistas do seu estado se fortaleceu.

Público vendo as publicações trazidas por Isabel. Foto: Irene Almeida

Criatividade, bom humor e persistência foram as ferramentas usadas, o que resultou, inclusive, na adesão da população à luta. “A gente usa pouco, a gente podia usar mais esse potencial criativo de se comunicar com o imaginário da população”, ressaltou.

Sua fala deu uma revigorada nos artistas locais ao comentar sobre os aspectos da luta do movimento em defesa da Casa das 11 Janelas. “Essa coisa de ninguém larga a mão de ninguém tem que reverberar na nossa energia para trazer a virada neste momento crítico em que nós vivemos”, comentou o fotografo Miguel Chikaoka.

Isabel também trouxe publicações que foram resultados de diferentes projetos que ela participou e deixou a disposição do público para conhecer.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do jornal Diário do Pará com apoio institucional do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática, parceria da Alubar e patrocínio da Vale.

Isabel Gouvêa abre a programação de palestras do Diário Contemporâneo

Share This:

Integrante da comissão de seleção do 10º Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, a fotógrafa Isabel Gouvêa aproveita a sua passagem pela capital paraense para realizar a palestra “Lutas criativas no campo da arte: As experiências da Bahia no Prêmio Pierre Verger e no Programa Kabum! de Arte e Tecnologia”. O bate-papo com o público será no dia 24 de junho, às 19h, no Museu da UFPA, com entrada franca.

Movimento Carta das Laranjeiras. Foto: Adelmo Santos

Paralelo ao seu trabalho pessoal de documentação antropológica do homem e da cultura das regiões Norte e Nordeste, com atenção especial para as festas populares, a artista também atua em colaboração com diferentes instituições culturais.

Na palestra, Isabel apresentará duas dessas experiências, o histórico do Prêmio Pierre Verger, criado em 2002 e que passou por mudanças e aperfeiçoamentos sempre como fruto de lutas da comunidade fotográfica local, através do Fórum de Fotografia da Bahia e do Movimento Carta das Laranjeiras. Serão compartilhados os aspectos criativos da luta desta última etapa do movimento.

Além disso, a fotógrafa abordará o Programa Kabum! de Arte e Tecnologia, desenvolvido por 12 anos pela ONG CIPÓ-Comunicação Interativa para a formação de jovens de comunidades populares. Segundo ela, “o programa trabalhou de forma transdisciplinar entre as linguagens de fotografia, vídeo, design e computação gráfica e alcançou resultados significativos na produção artística e em transformações socioeducativas”.

ISABEL GOUVÊA

Mestre em Artes Visuais pela UFBA, em 2008 e fotógrafa formada pela ECA/USP, em 1976. Atuou na comissão Prêmio Pierre Verger nos anos de 2006 e 2007 e como curadora da exposição e publicação da 6ª edição do Prêmio em 2017. Em 1980 começou a trabalhar na Fundação Cultural do Estado da Bahia, onde coordenou a pesquisa fotográfica do Projeto História dos Bairros de Salvador. Desenvolve trabalhos em arte e comunicação junto à ONG CIPÓ-Comunicação Interativa, com mostras realizadas em Salvador, São Paulo, Barcelona e Milão. Coordenou a Oi Kabum! Escola de Arte e Tecnologia de Salvador. Atualmente coordena a implantação do LabCIPÓ, espaço inovador de formação e produção em arte e tecnologia. Integra o Fórum dos Produtores Culturais da Fotografia Baiana e compõe a Diretoria Nacional da Gestão 2017-2019 da Rede de Produtores Culturais da Fotografia no Brasil – RPCFB.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do jornal Diário do Pará com apoio institucional do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática, parceria da Alubar e patrocínio da Vale.

SERVIÇO: Diário Contemporâneo realiza palestra com Isabel Gouvêa. Data: 24 de junho, às 19h. Local: Museu da UFPA. Endereço: Av. Governador José Malcher – esquina com Generalíssimo Deodoro. Entrada franca. Informações: Rua Gaspar Viana, 773 – Reduto. Contatos: (91) 3184-9310; 98367-2468; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com. Edital e inscrições no site:  www.diariocontemporaneo.com.br. Confirme presença no Evento do Facebook.

RETROSPECTIVA – 2010: O nascimento do Diário Contemporâneo

Share This:

No ano de 2010 Belém conheceu o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, projeto abrigado no Museu da UFPA e que nascia com o objetivo de trazer reflexões culturais, sociais, estéticas e politicas através da imagem fotográfica. A fotografia paraense já havia alcançado, décadas antes, um reconhecimento nacional, mas ainda não existia um projeto permanente para esta linguagem artística que continuamente estivesse formando, apresentando e analisando a arte contemporânea com um olhar mais descentralizado.

Seleção de trabalhos 2010. Foto: Irene Almeida

TEMÁTICA

O tema Brasil Brasis cabia muito bem à ideia de se pensar as múltiplas faces do país. Não há uma identidade e sim, várias. Uma cultura móvel que se monta, desmonta e se remonta de maneira dinâmica e imprevisível. O Diário Contemporâneo convidou os artistas a pensarem esses Brasis e compartilharem através das imagens suas ideias, questionamentos e ações sobre este país tão curioso. Ao mesmo tempo que já nasceu abrangente; pois mesmo sendo um prêmio de fotografia o projeto aceita propostas em vídeo, instalações, projeções e trabalhos que misturam suportes; o Prêmio, ao olhar o país em sua pluralidade de significados, apresentou a experiência intima do que é o Brasil.

COMISSÃO DE SELEÇÃO

O júri da edição de estreia foi formado por Cláudia Leão, fotógrafa, pesquisadora, professora em Artes e mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP; Eder Chiodetto, mestre em Comunicação e Artes pela USP, jornalista, autor, fotógrafo e curador independente especializado em fotografia; além de Mariano Klautau Filho, curador geral do projeto, fotógrafo, pesquisador, professor da UNAMA e, recentemente, doutor em Artes Visuais pela ECA/USP.

O trio premiou entre 282 inscritos os trabalhos de Octávio Cardoso (PA), Paulo Wagner (PA) e Coletivo Parêntesis (SP), além de selecionarem 22 outros artistas. O número de trabalhos submetidos ao edital já mostrava que o projeto tinha sido acolhido pela comunidade artística e estava com sua história apenas começando.

Cada um ainda teve a oportunidade de conversar com o público durante a programação do projeto. A palestras “Fotojornalismo Contemporâneo – Crise e Reinvenção”, com Eder Chiodetto; “Das Imagens e dos Esquecimentos”, com Cláudia Leão e “Territórios da Fotografia Contemporânea”, com Mariano Klautau Filho foram algumas das ações realizadas na 1ª edição.

ARTISTAS CONVIDADOS

Além de integrante do júri, Cláudia Leão também apresentou suas obras como artista convidada ao lado de Dirceu Maués. O artista, que recentemente conquistou seu doutorando em Artes na UFMG, é mestre em Artes Visuais pela Universidade de Brasília e desenvolve trabalho autoral nas áreas da fotografia, cinema e vídeo, tendo como base de pesquisa a desconstrução do dispositivo fotográfico. Ele apresentou os vídeos “Um Lugar Qualquer – Praia do Outeiro” e “Somewhere Alexanderplatz – Berlim”. Dirceu também teve a oportunidade de falar sobre o seu processo e pesquisa durante a palestra “De Outeiro a Berlim”, além de realizar a oficina “Fotografia para brincar de fotografia”.

Já Cláudia é uma das fundadoras do Caixa de Pandora, grupo com trabalhos de registro do patrimônio histórico de Belém e investigações semióticas. A artista apresentou trabalhos que misturavam retratos e fotografias de família através imagens presas em janelas e vidros. São obras construídas por meio da manipulação em laboratório fotográfico de memórias revisitadas em suportes como espelhos oxidados e vidros pontilhados.

Sem título, da série Lugares Imaginários, de Octavio Cardoso

PREMIADOS E SELECIONADOS

Os premiados na edição de estreia foram o Coletivo Parênteses (SP) que levou o Prêmio Diário Contemporâneo; Paulo Wagner (PA), vencedor do Prêmio Diário do Pará; e Octávio Cardoso (PA) que venceu o Prêmio Brasil Brasis.

O Coletivo Parênteses foi constituído por Paloma Klein, Rodrigo Antonio e Vicente Martos com o objetivo de trabalhar questões da atualidade através de múltiplas plataformas. As imagens de “Confluências”, série vencedora, apresentavam o espaço intimo doméstico com um item sempre ao centro, a televisão. Emoldurada por objetos afetivos e pela vida cotidiana, a tela apresenta diariamente a todos nós os outros Brasis.

“Preto Olympia”, “Azul Praça”, “Verde Barraca”, “Azul Amazônia”, “Cinza Avenida”. Os títulos dos trabalhos premiados de Paulo Wagner já denotam a sua relação anterior com a pintura. Imagens de cenários urbanos desfocadas e intervistas com formas geométricas apresentaram a cidade como uma paleta de cores.

A cor também foi destaque em na premiada série “Lugares Imaginários”, de Octávio Cardoso. O azul das imagens é hipnotizante e trouxe a sensação de sonho atrelado à memória. O fotojornalista usou o azul quase infinito para dar um tom mais subjetivo e menos documental às imagens que trazem um pouco da relação com as águas da Amazônia.

Além dos premiados e artistas convidados foram exibidos trabalhos de mais outros 18 artistas selecionados: Grupo UMCERTOOLHAR (SP), Flávio Damm (RS), Kenji Arimura (SP), Eurico Alencar (MA), Yukie Hori (SP), Pedro Motta (MG), Flavya Mutran (PA), José Diniz (RJ), Rodrigo Torres (RJ), Celso Oliveira (RJ), João Menna Barreto (RS), Haroldo Sabóia (CE), Felipe Pereira Barros (AL), Eliezer Carvalho (PA), Alberto Bitar (PA), Mateus Sá (PE), Sofia Dellatorre Borges (SP), Carlos Dadoorian (RJ).

A edição de estreia também concedeu menções honrosas à Walda Marques (PA), Gina Dinucci (SP), Felipe Pamplona (PA) e Flávio Araújo (PA).

Reflexões II, de Mateus Sá, selecionado em 2010

 AÇÕES

A programação do projeto contou ainda com a palestra “O mundo como fisionomia. Retrato ou paisagem?”, de Patrick Pardini que apresentou as diversas fisionomias (urbanas, arquitetônicas, minerais, animais, vegetais) obtidas através do formato do retrato, indicando uma relação muito mais intima com o que foi fotografado, mesmo que não seja a figura humana.

Miguel Chikaoka ministrou a oficina “De olhos vendados” com uma reflexão sobre a materialidade e o simbolismo da luz no fazer fotográfico. Miguel voltou à luz, gênese da fotografia, e convidou os participantes a desviciarem um pouco o olhar para além do visível, imediato e superficial.

Outro destaque da programação foi a oficina “Margem da Cor”, ministrada por Luiz Braga, com atividades e debates centrados na fotografia em cor como forma de expressão artística. O trabalho de Luiz tem o uso da cor como parte essencial da sua mensagem e o artista apresentou diversos efeitos que se obtém através do conhecimento da luz, suas diferentes fontes e intensidades.

O PROJETO

O Diário Contemporâneo contribuiu para a descentralização das questões sobre arte no país, pois há uma década vem lançando proposições e chamando os artistas para o debate, consolidando o Pará como um espaço de criação e reflexão em artes.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do jornal Diário do Pará com apoio institucional do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática, parceria da Alubar e patrocínio da Vale.

INSCRIÇÕES ABERTAS

Em 2019 o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia comemora 10 anos de atuação. As inscrições da edição especial de aniversário já estão abertas e seguem até dia 13 de junho sendo realizadas somente pelo site www.diariocontemporaneo.com.br

9ª Diário Contemporâneo segue com visitação até este domingo (15)

Share This:

Encerrando seus dois meses de exposições abertas ao público, a 9ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia chega aos seus últimos dias. Em 15 de julho (domingo) será encerrada a visitação das mostras no Museu do Estado do Pará e Museu da UFPA. O MEP recebe público interessado em ver ou rever as obras até sexta das 10 às 17h. No sábado e domingo a visitação será das 09 às 13h. Já o MUFPA tem visitação até sexta das 09 às 17h e no final de semana das 10 às 14h.

Visitação escolar. Foto: Irene Almeida

A mostra do Museu do Estado do Pará exibe os trabalhos premiados de Ionaldo Rodrigues (PA), Ricardo Ribeiro (SP) e Edu Marin (SP), os dois primeiros contemplados com residências artísticas em São Paulo e Belém, respectivamente. Além dos selecionados Ana Lira (PE), André Penteado (SP), Camila Falcão (SP), Élcio Miazaki (SP), Emídio Contente (PA), Fernando Schmitt (RS), Fernando de Tacca (SP), Gabriela Lima (RJ), Ivan Padovani (SP), João Castilho (MG), João Paulo Racy (RJ), José Diniz (RJ), Marcelo Kalif (PA), Marcílio Caldas Costa (PA), Marco Antonio Filho (RS), Maurício Igor (PA), Natasha Ganme (SP), Paulo Baraldi (SP), Pedro Clash (SP), Roberto Setton (SP), Sérgio Carvalho (PI), Thiéle Elissa (RS) e Tiago Coelho (RS). À convite da curadoria do projeto os artistas Armando Sobral (PA), Brenda Brito (PA), Lívia Aquino (CE) e Renata Aguiar (AM) também apresentam seus trabalhos no museu.

Visitação no Museu do Estado do Pará. Foto: Irene Almeida

NO MUFPA

A artista convidada deste ano é Flavya Mutran, que exibe no Museu da UFPA a mostra “Lapso” com um recorte inédito de suas pesquisas sobre arquivos fotográficos e compartilhamentos de imagens via web. O MUFPA também acolhe a mostra de videoarte “Audiovisual Sem Destino”, projeto da artista e professora Elaine Tedesco, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Durante todo o período de visitação das mostras, além do público flutuante (aquele que vem sem agendamento prévio), dezenas de escolas da região metropolitana de Belém transitaram no espaço dos museus. Centenas de alunos foram acolhidos pelos mediadores culturais do projeto que estavam prontos para conversar sobre os trabalhos e artistas.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará com apoio da Vale, apoio institucional do Museu da UFPA, Museu do Estado do Pará, Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e colaboração da Sol Informática.

SERVIÇO: Visitação do 9º Diário Contemporâneo segue até este domingo. Locais: Museu do Estado do Pará (Praça D. Pedro II, s/n. – Cidade Velha) e Museu da UFPA (Av. Governador José Malcher – esquina com Generalíssimo Deodoro). Informações: (91) 3184-9310; 98367-2468; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com e www.diariocontemporaneo.com.br.

Diário Contemporâneo debate Imagem, Política e a Sobrevivência do Desejo

Share This:

Imagem e testemunho. A fotografia é uma ferramenta para evidenciar situações sociais e trazer questionamentos sobre a complexidade do contexto vivido. Pensando nisso, o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia convidou o professor Leandro Lage para debater “Imagem, Política e a Sobrevivência do Desejo”. A conferência será realizada no dia 28 de junho, às 19h, no Museu da UFPA, com mediação de Mariano Klautau Filho. A entrada será franca.

Dinho, da série Experiência do Erro, de Armando Sobral

A imagem promove mudanças e também é afetada por elas, assim, a fotografia foi se adaptando ao longo dos anos. Hoje o digital, o online e a portabilidade já são características intrínsecas suas. Mas além do cunho acelerado e altamente compartilhável, existe na imagem o desejo pela demora do olhar e pela reflexão crítica. Estética e política chamam, juntas, a atenção para o desequilíbrio e tensões do mundo.

“São as imagens capazes de transfigurar poeticamente as dinâmicas sensíveis que atravessam a luta política? De que modo essas operações no visível conseguem manifestar, esteticamente, o caráter político do desejo de emancipação e do poder de resistência?”, questiona Leandro que em sua conferência abordará imagem, política e a confrontação do humano com seu exílio inspirado nas perspectivas de J. Rancière e Didi-Huberman.

SOBRE

Leandro Lage é professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Linguagens e Cultura (PPGCLC-UNAMA). É doutor e mestre em Comunicação e Sociabilidades Contemporâneas pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Especialista em Comunicação: Imagens e Culturas Midiáticas também pela UFMG.

VISITAÇÃO

A exposição “Realidades da Imagem, Histórias da Representação” exibe os trabalhos premiados, selecionados e participações especiais da 9ª edição do Diário Contemporâneo. As obras ficam no Museu do Estado do Pará – MEP. Além disso, o Museu da UFPA recebe a mostra individual “Lapso”, com trabalhos de Flavya Mutran, artista convidada e a mostra de videoarte “Audiovisual Sem Destino”, projeto de Elaine Tedesco. A visitação segue até dia 15 de julho.

SERVIÇO: Diário Contemporâneo realiza Conferência com Leandro Lage. Data: 28 de junho de 2018, às 19h. Local: Museu da UFPA. Endereço: Av. Governador José Malcher – esquina com Generalíssimo Deodoro. Entrada franca. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará com apoio da Vale, apoio institucional do Museu da UFPA, Museu do Estado do Pará, Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e colaboração da Sol Informática. Informações: (91) 3184-9310;98367-2468; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com. Site: www.diariocontemporaneo.com.br.

Diário Contemporâneo promove conversa sobre videoarte no Brasil

Share This:

A artista e professora, Elaine Tedesco, desembarca de Porto Alegre em Belém para a conversa “Audiovisual Sem Destino – um projeto de vídeo no Brasil”. A programação ocorre no dia 08 de junho (sexta-feira), às 19h, no Museu da UFPA, com entrada franca.

Iniciada em 2014, a mostra Audiovisual Sem Destino – AVSD vem sendo uma oportunidade de apreciação da produção jovem de videoarte no Brasil. Ela é um dos tripés da pesquisa de mesmo nome coordenada por Elaine na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre.

A saga do Herói (2016), de Lívia Pasqualli, que integra a mostra AVSD

Segundo a artista, o encontro no MUFPA terá um “relato sobre a concepção e estruturação da pesquisa AVSD, projeto que propõe o compartilhamento de poéticas audiovisuais entre artistas e pesquisadores e que tem como objetivo estudar processos de criação e reflexão em videoarte. A pesquisa aborda as diferentes possibilidades de apresentação da imagem-vídeo, bem como as porosidades entre fotografia, vídeo, instalação e performance, perpassadas pela tecnologia e por técnicas rudimentares de produção de imagem”.

Assim como o Diário Contemporâneo, a mostra Audiovisual Sem Destino abre um edital nacional para receber trabalhos de diferentes cantos do país e não encerra suas ações na exposição. Mostras paralelas, seminários de pesquisa e performances compõem os eventos do projeto.

Sem título, de Fernanda Pujol, que integra a mostra AVSD

EXPOSIÇÃO

Em Belém, o segundo andar do Museu da UFPA recebe a retrospectiva dos trabalhos selecionados nas três edições anteriores (2014, 2015 e 2016). São 68 vídeos de diferentes temáticas e estilos apresentados sequencialmente em looping contínuo. Além disso, dentro da AVSD também existe a sessão “Ao lado dela, do lado de lá”, trazendo vídeos contemporâneos de mulheres artistas. A mostra é dividida em quatro partes: vetores de outros trabalhos; registros de ações cotidianas; videoperformances e narrativas em vídeo.

SERVIÇO: Diário Contemporâneo realiza Conversa com Elaine Tedesco. Data: 08 de junho de 2018, às 19h. Local: Museu da UFPA. Endereço: Av. Governador José Malcher – esquina com Generalíssimo Deodoro. Entrada franca. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará com apoio da Vale, apoio institucional do Museu da UFPA, Museu do Estado do Pará, Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e colaboração da Sol Informática. Informações: (91) 3184-9310;98367-2468; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com. Site: www.diariocontemporaneo.com.br.

O pretexto da fotografia em conversa com Flavya Mutran

Share This:

A noite da última sexta-feira (18) foi marcada por uma “Conversa com Flavya Mutran”, artista convidada no 9º Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, dentro da sua mostra individual “Lapso”, no Museu da UFPA. A programação teve mediação de Mariano Klautau Filho, curador do projeto.

Flavya Mutran na exposição “Lapso”. Foto: Irene Almeida

A artista iniciou sua fala contando sobre o contexto do seu trabalho nos anos 90 e no grupo Caixa de Pandora (formado por Cláudia Leão, Flávia Mutran, Mariano Klautau Filho e Orlando Maneschy). Ela destacou a importância do trabalho fundamental da Associação Fotoativa já naquela época. “Na primeira oficina da Fotoativa eu já senti uma atração muito forte pelo trabalho de laboratório”, disse.

Porém, seu interesse sempre foi para além da fotografia, esta era apenas o pretexto das suas investigações. Daí que o trabalho do grupo com a “fotografia construída” veio ao encontro das suas buscas. “Eu sentia vontade de fazer montagens que não fossem só fotográficas, queria experiências com a fotografia para além do suporte dela”, explicou. O grupo produzia trabalhos que não cabiam no que estava sendo produzido naquela época em Belém. Usavam o vídeo, a fotografia construída e manipulações de formatos. “Cada um tinha sua linha individual, seu processo de pensamento, mas a gente compartilhava muito um com o outro”, lembrou.

Flavya atuou muito com a fotografia no jornalismo, pois trabalhou como editora de imagens para assessorias de comunicação pública e privada. Segundo ela, “a série Quase Memória, por exemplo, é muito feita das sobras do filme jornalístico e de fotos minhas de família que estavam apodrecendo. Então, de certa forma, a jornalista sustentava a artista”. Após muitos anos na área da comunicação, o surgimento da especialização em artes visuais na UFPA a fez retornar o olhar para a pesquisa acadêmica e para o seu trabalho pessoal.

Na ocasião também foi distribuído o catálogo da coleção. Foto: Irene Almeida

O pretexto da fotografia e a necessidade de reflexão foram essenciais para a realização da exposição “Lapso”, que já vem das pesquisas de mestrado e doutorado da artista. “Na abertura da exposição eu vi coisas que, nas outras vezes que apresentei esses trabalhos, não havia percebido. Eu nunca havia mostrado desta forma, inclusive”, observou.

Ela apresentou as séries que compõem a mostra e trouxe os questionamentos: “como que as imagens estão circulando?”, “as imagens estão sempre associadas ao seu autor?”, “como que as pessoas se apropriam disso?”. Flavya comentou sobre o desaparecimento e o apagamento natural da história. A artista abraça a efemeridade e a obsolescência das imagens. “Lapso é assumir o erro, é um tempo de respiro”, finalizou.

VISITAÇÃO

A exposição “Realidades da Imagem, Histórias da Representação” exibe os trabalhos premiados, selecionados e participações especiais da 9ª edição do Diário Contemporâneo. As obras ficam no Museu do Estado do Pará – MEP. Além disso, o Museu da UFPA recebe a mostra individual “Lapso”, com trabalhos de Flavya Mutran, artista convidada e a mostra de videoarte “Audiovisual Sem Destino”, projeto de Elaine Tedesco. A visitação segue até dia 15 de julho.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará com apoio da Vale, apoio institucional do Museu da UFPA, Museu do Estado do Pará, Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e colaboração da Sol Informática.