Encontro com Jussara Derenji debaterá a relação entre a arquitetura antiga e a arte moderna

Share This:

Por: Debb Cabral

O trabalho de preservação e difusão da arte realizado pela arquiteta Jussara Derenji, diretora do Museu da UFPA será tema de uma conversa intitulada “Velho ou antigo?”, como parte da programação de encerramento da 7ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo e Fotografia. O evento ocorre no dia 07 de junho, às 19h, no Museu da UFPA, com entrada franca.

O prédio que abriga atualmente o Museu da UFPA foi projetado pelo engenheiro Filinto Santoro por encomenda do então governador na época Augusto Montenegro. A arquitetura é eclética, resultado da diversidade cultural presente em Belém no Ciclo da Borracha, mas a forte inspiração no Renascimento Italiano é evidente, uma vez que Santoro era formado pela Real Escola de Nápoles.

Desenho da escada do Museu da UFPA
Desenho da escada do Museu da UFPA

Entre 1948 e 1950 o jardim foi incorporado à propriedade. A família que ocupava o prédio nessa época comprou residências vizinhas e as demoliu para construir o jardim neoclássico com estátuas e um chafariz central. A Universidade Federal do Pará comprou o imóvel com o objetivo de torná-lo a sede da Reitoria. Na época, nos anos 60, a ditadura militar retirou a maior parte de seus itens decorativos, por serem considerados inadequados. Em 1982 a Reitoria mudou-se para o Campus e o prédio foi destinado aio Museu da UFPA criado em 1983 e instalado em 1985.

Em 2013 o palacete Augusto Montenegro (nome oficial do espaço) foi tombado pelo Governo do Estado do Pará como Patrimônio Histórico e ficou sob a responsabilidade da diretora Jussara Derenji, que vem trabalhando desde então para sua conservação. Quando a arquiteta assumiu ele funcionava de maneira precária e sem direcionamento artístico definido.

>> Confirme presença no EVENTO

Hoje o prédio, que realiza exposições de arte regularmente, abriga uma Coleção de Fotografia Contemporânea e uma seção de livros de fotografia em sua biblioteca em parceria com o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia. Sua biblioteca é referência em Belém como fonte de pesquisa sobre o que foi produzido na Amazônia e/ou tendo esta como tema.

A fala de Jussara se articulará em dois eixos temáticos. No primeiro ela questionará “porque alguns objetos, móveis e imóveis se tornam velhos e podem ser esquecidos, abandonados ou destruídos e porque outros são considerados antigos, valiosos e dignos de ser zelosamente preservados?”. No segundo “quais relações educativas, artísticas e sociais se podem propor entre prédios antigos e arte moderna?”.

Isso se dará sempre destacando o seu lugar de atuação, o MUFPA como um Museu Universitário e de Arte Contemporânea. O prédio, por si só já é um objeto museal pelos aspectos construtivos e decorativos em relação ao acervo de arte contemporânea reunido nos últimos anos.

JUSSARA DERENJI

Possui graduação em Arquitetura pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1969), graduação em Urbanismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1972), especialização em Paisagismo pela Universidade de São Paulo (1980) e mestrado em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1992). Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em Fundamentos de Arquitetura e Urbanismo. É professora aposentada da FAU e atual diretora do Museu da Universidade Federal do Pará:

AS EXPOSIÇÕES DO DIÁRIO CONTEMPORÂNEO

A sétima edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é dedicada especialmente à constituição oficial da Coleção de Fotografias do Projeto, exibida no Museu da UFPA e no Espaço Cultural Casa das Onze Janelas até 19 de junho, contando com 46 artistas todas as regiões do país. Também faz parte da programação desta edição a exposição “Belém: ressacas, heranças”, que reúne trabalhos de oito artistas atuantes em Belém, os quais apresentam um olhar mais crítico em relação à cidade.

SERVIÇO: Encontro com Jussara Derenji debate a relação entre a arquitetura antiga e a arte moderna. Data: 07 de junho de 2016. Horário: 19h. Local: Museu da UFPA (Av. Governador José Malcher (esquina com Generalíssimo Deodoro). O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do jornal Diário do Pará, com patrocínio da Vale; apoio institucional do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA, Sol Informática e Museu da UFPA. Informações: Rua Aristides Lobo, 1055 (entre Tv. Benjamin Constant e Tv. Rui Barbosa) – Reduto. Contatos: (91) 3355-0002; 98367-2468; premiodiario@gmail.com, contato@diariocontemporaneo.com.br e www.diariocontemporaneo.com.br.

Biblioteca do Diário Contemporâneo foi destaque no encontro com Fernanda Grigolin

Share This:

Por: Debb Cabral

No último sábado (23), o público pode conhecer os livros que constituem a biblioteca do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia. A ação é uma parceria entre o Projeto, o Museu da UFPA e a Tenda de Livros, da artista curitibana Fernanda Grigolin.

Fotos: Lana Machado
Fotos: Lana Machado

Na ocasião, Mariano Klautau Filho, curador do projeto, apresentou Fernanda e observou que objetivo do encontro era, “a partir de uma conversa informal, criar mais um laço com as pessoas que acompanham o Prêmio”.

É o início de uma série de novos desdobramentos do Diário Contemporâneo. Fernanda contou que “a seção de livros foi pensada como um lugar de tensão entre a exposição e a biblioteca”. A escolha dos títulos vem de uma tentativa de mapear a produção nacional. Além disso, “a biblioteca é muito feliz em tentar parear a produção dos homens e das mulheres”, acrescentou. A artista apresentou os livros selecionados, mas também observou o que falta, tanto em relação temática, quanto em relação a geografia.

A Tenda de Livros também teve espaço no debate, chamando a atenção para o seu modo de atuação que busca sempre criar um ambiente pensado para a circulação dos livros e das pessoas. Um espaço de trocas e encontros.

O livro de artista é uma obra que tem como destaque a questão da portabilidade, a qual rompe com os padrões tradicionais de exposição da arte. Os livros da Coleção Diário Contemporâneo de Fotografia foram exibidos em mesas e o público presente pôde ter esse primeiro contato com a biblioteca do Projeto, bem como dialogar com seus propositores e alguns artistas que também estiveram presentes no evento.

>> Participantes da biblioteca da Coleção Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia

01. Abrasiva (Rio de Janeiro/RJ)

02. Adriel Visoto (Campinas – SP/Brasópolis – MG)

03. Alberto Bitar (Belém/PA)

04. Amália Barrio e Cuadra (Campinas-São Paulo/SP)

05. Ana Lira (Recife/PE)

06. Andre Penteado (São Paulo/SP)

07. Amanda Texeira (Porto Alegre/RS)

08. Azulejo Arte Impressa (Porto Alegre / RS)

09. Camila Otto e André Hauck (Belo Horizonte/MG)

10. Carine Wallauer (Porto Alegre/RS)

11. Carolina Cattan (Rio de Janeiro/RJ)

12. Claudia Zimmer (Florianópolis/SC)

13. Edições Tijuana (São Paulo/SP)

14. Elaine Pessoa (São Paulo/SP)

15. Fabio Morais (São Paulo/SP)

16. Felipe Russo (São Paulo/SP)

17. Fernanda Grigolin (Campinas – São Paulo /SP)

18. Franciele Favero (Florianópolis/SC)

19. Francisco Costa Lima (Manaus/AM)

20. Guilherme Gerais (Londrina/PR)

21. Ionaldo Rodrigues (Belém /PA)

22.João Castilho (Belo Horizonte/MG)

23. José Diniz (Rio de Janeiro/ RJ)

24. Jonathas de Andrade (Recife/PE)

25.Pingado Prés (São Paulo/SP)

26. Plataforma Par(ent)esis/ Regina Melim (Florianópolis/SC)

27. Kamikaze (São Paulo/ SP)

28. Laura Del Rey e Alziro Barbosa (São Paulo/ SP)

29. Letícia Lampert (Porto Alegre/RS)

30. Lila Botter e Rafaela Jemmene (São Paulo/SP)

31. Luana Navarro (Curitiba, PR)

32. Lucia Mindlim Loeb (São Paulo/SP)

33. Mariana David (Salvador/ Bahia)

34. Paula Sampaio (Belém/PA)

35.Rafael Adorján (Rio de Janeiro/RJ)

36. Rony Maltz (Rio de Janeiro/RJ)

37. Savant Editora (Brasília/DF)

38. Silvino Mendonça (Brasília/DF)

39. Walda Marques (Belém/PA)

Diário Contemporâneo abre agendamento de visitas às exposições da 5º edição

Share This:

Por: Debb Cabral

O maior impacto que um projeto como o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia deixa, na cidade, não é a premiação, mas a contribuição para a educação visual e cultural daqueles que entram em contato com as obras selecionadas. A ação educativa desta 5ª edição vem olhar cada participante como sujeito e caminho. “Olhos de assombro” é o nome dessa ação que se preocupa com o indivíduo, tido, tal qual a experiência fotográfica, que precisa de diferentes tempos, como o de observação, envolvimento, expectativa, e resultado.

As exposições do 5º Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia ocorrerão em Belém, no período de 22 e 23 de abril a 22 de junho de 2014, no Museu Casa das 11 Janelas e Museu da UFPA, respectivamente. Os interessados em agendar uma visita monitorada e mediada devem fazer via ficha de inscrição que está disponível no site www.diariocontemporaneo.com.br. Informações com Ademar Queiroz, no número 8270-4514 e no email ademarjunior22@gmail.com.

Foto: Irene Almeida

Educadores capacitados atuarão em visitas agendadas ou não, incitando as pessoas a se expressar e saber comunicar-se artisticamente; articulando a percepção, a imaginação, a emoção, a sensibilidade e a reflexão ao entrar em contato com as produções artísticas.

O foco na formação, mais do que nunca esteve presente no direcionamento de esforços do Prêmio Diário, a começar pelo primeiro workshop oferecido nessa edição, “Do visível ao invisível”, com Ana Mokarzel. Seu público-alvo foi o de professores e educadores de arte, numa proposta de sensibilizar as pessoas que estão diariamente em sala de aula, e torná-las multiplicadoras. “A gente tem que vencer o medo e incorporar. As pessoas aprendem na escola a ler e a escrever, mas eu queria muito que as pessoas também tivessem uma educação visual”, comenta o fotógrafo e professor de fotografia, Igor Melo.

Foto: Irene Almeida

Na ação educativa, duas frentes de trabalho. Dois olhares. O primeiro, “Olhar de brinquedo”, é voltado ao público de professores/educadores, desenvolvendo a partir de encontros uma apresentação do material educativo e artístico do desta 5ª edição, a fim de gerar conteúdo e material a ser desdobrado em sala de aula.

O segundo olhar, chamado de “Olhar vagabundo”, é voltado aos educadores dos espaços culturais e suas práticas/experiências transformadas em saber científico compartilhado.

Criado em 2010, o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é um projeto nacional que incentiva a cultura, a arte e a linguagem fotográfica em toda a sua diversidade.

PROFESSOR E EDUCADOR, FAÇA O AGENDAMENTO DA SUA VISITA AQUI

SERVIÇO: Diário Contemporâneo abre agendamento de visitas às exposições da 5º edição. O agendamento de visitas é feito via ficha de inscrição, que está disponível no site www.diariocontemporaneo.com.br. Informações com Ademar Queiroz, no número, 8270-4514 e no email ademarjunior22@gmail.com. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do jornal Diário do Pará, com patrocínio do Shopping Pátio Belém e Vale, apoio institucional da Casa das Onze Janelas do Sistema Integrado de Museus/ Secult-PA, Sol Informática e Museu da Universidade Federal do Pará (MUFPA). Informações: Rua Aristides Lobo, 1055 (entre Tv. Benjamin Constant e Tv. Rui Barbosa) – Reduto. Contatos: (91) 3355-0002; 8367-2468 e premiodiario@gmail.com.

A fotografia e o museu contemporâneo

Share This:

Na próxima quinta-feira, dia 10, o II Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia inicia o ciclo de bate-papos com “A Fotografia e o Museu Contemporâneo: curadoria e pesquisa”, trazendo a Belém o curador, pesquisador e crítico de arte Tadeu Chiarelli (foto). Considerado um dos mais atuantes curadores de arte brasileira contemporânea, Tadeu discutirá assuntos como a inserção cada vez mais forte da fotografia na arte contemporânea e o papel cultural que exerce o museu de arte hoje.

A conversa com o público, que inicia às 19h no Museu da UFPA, será conduzida pela crítica e curadora paraense Marisa Mokarzel. Tadeu Chiarelli também é professor do Departamento de Artes Plásticas da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo e esteve à frente do MAM-SP – Museu de Arte Moderna de São Paulo entre 1996 e 2000. Tem se dedicado nos últimos anos à pesquisa sobre fotografia na história da arte.

No encontro com o público, Chiarelli irá apresentar obras que fazem parte do acervo do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC-SP) e como este acervo está sendo repensado no novo projeto de mudança espacial do MAC – um dos maiores e mais recentes projetos de museu contemporâneo no Brasil.

PARTICIPE

Bate-papo “A Fotografia e o Museu Contemporâneo: curadoria e pesquisa”, com Tadeu Chiarelli. Mediação: Marisa Mokarzel. Nesta quinta-feira (10), às 19h, no Museu da UFPA. Entrada Franca. Informações: 3224-0871. www.diariocontemporaneo.com.br. Twitter: www.twitter.com/premiodiario

(Texto: Assessoria de  Comunicação)