[INSCRIÇÕES ENCERRADAS] Inscrições abertas para oficina com Mateus Sá

Share This:

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia abriu inscrições para a oficina “Fotografia: Vivência de Corpo e Alma” que será ministrada pelo fotógrafo e artista visual, Mateus Sá, no período de 23 a 25 de setembro, das 09:30 às 12:30h, no Museu da UFPA. As inscrições são gratuitas e seguem abertas até dia 19 (quinta-feira), sendo realizadas somente pelo site www.diaricontemporaneo.com.br.

Autorretrato. Foto: Mateus Sá

A oficina é destinada a artistas, fotógrafos e estudantes da imagem. Ela busca estimular a percepção da fotografia como narrativa e leitura de mundo, tudo isso através de vivências, articulação de referências e análises de trabalhos dos participantes.

Segundo o artista, ela “é estruturada de modo que tenhamos momentos de vivências práticas, reflexão e compartilhamento, atiçados por produções de diversos artistas e fotógrafos, incluindo aqueles que participam da oficina. Exploramos noções de leitura e de concepção de discursos através da fotografia, com dinâmicas de sensibilização do olhar, práticas perceptivas, discussão sobre construção de narrativas e aprofundamento temático”.

Questões como “qual é a sua fotografia?”, “qual a sua relação com as imagens que produz?” e “qual o potencial que as imagens carregam na construção de sua expressão?” serão debatidas com os participantes.

Mateus solicita que, aqueles que já possuem trabalhos prontos ou em andamento, enviassem uma amostra antecipadamente (PDF com 10 imagens), uma vez que serão vivenciados momentos de análise e diálogo sobre esses trabalhos na oficina. Aos selecionados também será indicada a produção de uma imagem específica que deverá ser apresentada no primeiro encontro.

BIOGRAFIA

Fotógrafo e artista visual, Mateus Sá também atua como professor universitário, produtor cultural, editor de livros e exposições.  É cofundador da Escola Livre de Imagem e do Projeto FotoLibras. Suas pesquisas artísticas transitam principalmente pelo universo da memória e pelas relações desarmônicas e harmônicas do ser humano com o meio ambiente. Integra a Coleção Diário Contemporâneo de Fotografia. Coordenou a Semana de Fotografia do Recife, foi um dos coordenadores do Encontro de Fotografia e Educação e, atualmente, é um dos coordenadores do “Pequeno Encontro da Fotografia”.

SERVIÇO: Inscrições abertas para oficina com Mateus Sá. Inscrições até 19 de setembro pelo site www.diariocontemporaneo.com.br. Vagas limitadas. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará com apoio institucional do Museu do Estado do Pará, do Sistema Integrado de Museus e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática, parceria da Alubar e patrocínio da Vale. Informações: (91) 3184-9310; 98367-2400; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com e www.diariocontemporaneo.com.br.

[INSCRIÇÕES ENCERRADAS] Inscrições abertas para oficina com José Diniz

Share This:

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia abriu inscrições para a oficina “Experiência: [foto] livro de artista” que será ministrada pelo fotógrafo José Diniz, no período de 12 a 14 de setembro, das 09 às 12h, no Museu da UFPA. As inscrições são gratuitas e serão feitas somente pelo site www.diaricontemporaneo.com.br.

O livro é um espaço onde o artista tem a possibilidade de expressar suas ideias, experimentações, reflexões e formas visuais baseadas no contexto dos seus projetos.

Foto: José Diniz

Segundo José, a oficina “tem como objetivo demonstrar práticas e caminhos para a produção do livro de artista tendo como base a sua própria experiência. Durante o curso também serão apresentados alguns conceitos e experiências de alguns artistas mundo afora”.

Na ação formativa alunos terão a oportunidade de ouvir sobre vários projetos desenvolvidos pelo artista e as respectivas soluções tendo o livro como produto final.

José Diniz integra a mostra “Interseções, 2010/2019” com “Travessia”, trabalho fruto de uma visita à região em que Guimarães Rosa descreve a desafiadora e difícil travessia do Liso do Sussuarão no seu livro Grande Sertão: Veredas. Um espaço físico e simbólico da travessia da vida. O ensaio é parte do projeto Sertão Cerrado.

O ARTISTA

Nascido em Niterói, José Diniz atualmente mora no Rio de Janeiro. Fez pós-graduação em Fotografia na Universidade Cândido Mendes. Em 2012, foi contemplado pelo prêmio Funarte – Marc Ferrez de fotografia, com o projeto Maresia e a Menção Honrosa no Concurso Fotolivro Iberoamericano – RM Editor Barcelona. Expôs pelo Diário Contemporâneo em 2010, 2011, 2018 e, agora, em 2019.

SERVIÇO: Diário Contemporâneo inscreve para oficina com José Diniz. As inscrições são feitas pelo site www.diariocontemporaneo.com.br. Vagas limitadas. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará com apoio institucional do Museu do Estado do Pará, do Sistema Integrado de Museus e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática, parceria da Alubar e patrocínio da Vale. Informações: (91) 3184-9310; 98367-2400; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com e www.diariocontemporaneo.com.br.

O Som da Imagem em oficina de Claudia Tavares

Share This:

Com informações de Andressa Munhoz

Logo na sequência da semana de abertura das mostras da 10ª edição, o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia realizou a oficina “O Som da Imagem”, ministrada pela artista carioca, Claudia Tavares, que foi selecionada neste ano. A ação formativa ocorreu nos dias 12 e 13 de agosto, no Museu da UFPA.

A oficina parte como uma proposta de se pensar numa organização para projeções de imagens que saia do padrão e tradicional slide de fotos com música ao fundo.

Frame do vídeo “Mãe Gentil”, de Claudia Tavares, selecionada nesta edição

O uso do som com importância igual à da imagem vem para potencializar a composição no total, pensando em não usar apenas músicas em si, mas ruídos, narração e/ou sons ambiente. Essa experiência possibilita criar uma atmosfera em que os vídeos passam a ser algo próximo de um filme (longa-metragem) não pelo tempo, mas por todas as sensações que eles despertam.

A oficina teve entre os participantes professores e acadêmicos de artes, teatro, música, filosofia, entre outros. A partir de exercícios propostos por Claudia, os alunos puderam conhecer obras de outros artistas que também usam como suporte o som e a imagem (ou o contrário), como por exemplo Marcos Bonisso em “A Imagem do Som”. A partir dessa obra foi feito um exercício que consistia em ouvir determinadas músicas escolhidas por Marcos e pensar em que imagem aquilo poderia remeter. O interessante nesse exercício foi perceber o quanto o local aonde cada pessoa vive reflete na sua forma de interpretar uma música, os relatos das pessoas dentro da sala aproximaram-se entre si, mas foram completamente diferentes das imagens registradas pelo fotógrafo.

“Letras de música nos dão imagem muito mais do que pequenos sons, ruídos, mas também é possível consegui-las a partir deles”, observou Claudia.

Para o segundo dia, os alunos trouxeram suas produções para que os outros participantes pudessem conversar sobre. Algo comentado foi que é importante não se prender as ideias de videoclipes ou vídeos de publicidade. “As imagens podem ficar estáticas por algum tempo”, disse a facilitadora.

Assim, é fundamental pensar que o artista vê as mesmas imagens inúmeras vezes por conta dos processos, mas as pessoas que vão se deparar com aquela obra ainda não passaram por essa experiência. “Porque a pessoa que produziu aquela imagem já está habituada a aquele material, mas o telespectador não”, afirmou. Então, é importante permitir que elas possam observar essas imagens com mais calma.

Como o controle sobre o tempo de exibição de cada imagem é feito pelo próprio artista é interessante brincar com o que cada pessoa vai ver e por quanto tempo vai ver. “O tempo de um fade out é como se fosse o tempo de uma respiração”, finalizou.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará com apoio institucional do Museu do Estado do Pará, do Sistema Integrado de Museus e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática, parceria da Alubar e patrocínio da Vale.

[INSCRIÇÕES ENCERRADAS] Inscrições abertas para oficina com Claudia Tavares

Share This:

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia abriu inscrições para a oficina “O Som da Imagem” que será ministrada pela artista carioca, Claudia Tavares, nos dias 12 e 13 de agosto, das 14 às 18h, no Museu da UFPA. As inscrições são gratuitas e serão feitas somente pelo no site www.diaricontemporaneo.com.br. O requisito para participação é ter conhecimento básico de fotografia.

Colateral, de Sonia Góes, trabalho que será apresentado na oficina.

Segundo a facilitadora, “a oficina propõe estabelecer uma diferença entre projeções de fotografia e projeções audiovisuais pela apresentação de trabalhos onde o som é agente potencializador da narrativa visual apresentada. O objetivo principal é pensar na relação de complementaridade, justaposição e simbiose entre imagens e sons”.

Claudia Tavares integra a mostra “Interseções, 2010/2019” com o vídeo “Mãe Gentil”, no qual apresenta um desenho da bandeira do Brasil em um tanque de água corrente. “A aquarela vai lentamente se desfazendo, desaparecendo levada pela água. Um som estranhamente distorcido. Trechos do Hino da Independência do Brasil em rotação alterada, prolongada e esticada alternados ao som da água. A dissolvência se torna uma ideia de muitos sentidos no atual momento brasileiro”, explicou.

Com carga horária de 12 horas, a ação formativa é destinada aos fotógrafos interessados em explorar mais o som como agente fortalecedor das experimentações visuais.

A ARTISTA

Claudia Tavares utiliza as linguagens da fotografia e do vídeo, em geral com pensamento instalativo que propõe o convívio das imagens técnicas com objetos, desenhos e cadernos de artista. É doutora em Processos Artísticos Contemporâneos pelo Instituto de Artes UERJ, Mestra em Artes pela Goldsmiths College, Londres e em Linguagens Visuais pela Escola de Belas Artes, UFRJ.

SERVIÇO: Diário Contemporâneo inscreve para oficina com Claudia Tavares. As inscrições são feitas pelo site www.diariocontemporaneo.com.br. Vagas limitadas. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará com apoio institucional do Museu do Estado do Pará, do Sistema Integrado de Museus e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática, parceria da Alubar e patrocínio da Vale. Informações: (91) 3184-9310; 98367-2400; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com e www.diariocontemporaneo.com.br.

O olhar para os processos na oficina de Ana Lira

Share This:

Encerrando a programação formativa da 9ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, a fotógrafa e artista visual pernambucana, Ana Lira, ministrou a oficina “Entre-frestas”.

Foto: Irene Almeida

Ana ensinou a manufatura de cadernos que os participantes usaram como diários de trabalho. A diversidade cromática dos cadernos evidenciava o relacionamento com seus projetos. Tons claros, escuros, quentes, frios. Projetos parados, abandonados e por vir. “A ideia é tentar conectar sua temperatura de cor com os projetos que está desenvolvendo. A cor, a gramatura, o tamanho, tudo isso dialoga com a dinâmica que você está atualmente vivendo no seu trabalho. Tudo aqui é uma escolha sua, eu só sou o dispositivo”, explicou a facilitadora.

Entre costuras e tramas, textos de auxílio foram compartilhados. Ana apresentou o trabalho de Dan Eldon, fotógrafo de guerra que desde muito jovem usava o caderno como recurso de memória e comunicação. “Às vezes, é nessa revisão de cadernos que existe o start para um novo projeto ou para voltar a trabalhar em algo que foi abandonado e não desenvolvido”, disse.

Ela reforçou a importância de criar autonomia nos processos criativos para além das demandas do circuito artístico. Na ocasião, cada participante contou um pouco de si e de como lida com seus projetos, compartilhado anotações, desenhos, críticas e personagens.

Foto: Irene Almeida

No decorrer da oficina, Ana ainda propôs o exercício de mapas mentais para que cada participante pudesse investigar a origem dos seus processos e o que eles têm em comum, o que falam e as questões que trazem. “Nós precisamos observar em nossos trabalhos qual a temática de fundo que atravessa todos eles”, acrescentou.

Os últimos dias foram marcados pelo vídeo “O Evento Racial”, uma proposição da socióloga Denise Ferreira da Silva, assistido com os participantes e que ajudou a debater o circuito da arte, a produção de conhecimento, além das desigualdades sociais. “Cada experiencia está relacionada a uma dinâmica de mundo”, afirmou Ana.

Para pensar em como construímos nossas narrativas e nossas histórias ela sentou individualmente com cada participante, observando seus trabalhos e anotações. O que parecia uma leitura de portfólio tradicional, se mostrou uma conversa franca na qual novas reflexões foram trazidas e cada um teve novas perspectivas e questionamentos acerca do que vem desenvolvendo.

VISITAÇÃO

A exposição “Realidades da Imagem, Histórias da Representação” exibe os trabalhos premiados, selecionados e participações especiais da 9ª edição do Diário Contemporâneo. As obras ficam no Museu do Estado do Pará – MEP. Além disso, o Museu da UFPA recebe a mostra individual “Lapso”, com trabalhos de Flavya Mutran, artista convidada e a mostra de videoarte “Audiovisual Sem Destino”, projeto de Elaine Tedesco. A visitação segue até dia 15 de julho.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará com apoio da Vale, apoio institucional do Museu da UFPA, Museu do Estado do Pará, Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e colaboração da Sol Informática.

Selecionados para oficina com Ana Lira

Share This:

“Entre-frestas”, oficina com a fotógrafa e artista visual Ana Lira, visa promover uma reflexão sobre os circuitos de criação, pensando no cotidiano como espaço de construção permanente.

Foto: Ana Lira

Confira a lista dos selecionados:

  • Andressa Rodrigues Dos Reis
  • Angelica Francisca De Araujo
  • Breno Luz Morais
  • Dairi Paixão
  • Débora Cinthia Rodrigues Monteiro
  • Heldilene Guerreiro Reale
  • Jorge David Ramos
  • Karina Da Silva Martins
  • Lorena Tamyres Trindade Da Costa
  • Mauricio Igor Neves Almeida De Almeida
  • Myrna Castelo Reis
  • Ramon Reis Souza
  • Raphael Da Luz Melo
  • Raphaella Marques De Oliveira (raphíssima)
  • Véronique Isabelle

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará com apoio da Vale, apoio institucional do Museu da UFPA, Museu do Estado do Pará, Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e colaboração da Sol Informática.

Diário Contemporâneo abre inscrições para oficina com Ana Lira

Share This:

A fotógrafa e artista visual pernambucana Ana Lira foi uma das selecionadas na 9ª edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia e, a convite do projeto, ministrará uma oficina para o público de Belém. “Entre-frestas” visa promover uma reflexão sobre os circuitos de criação, pensando no cotidiano como espaço de construção permanente. A ação formativa ocorrerá de 03 a 07 de julho, das 16 às 20 horas, na Associação Fotoativa. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas até dia 28 de junho pelo site www.diariocontemporaneo.com.br. As vagas são limitadas.

Foto: Ana Lira

A experiência de formação foi pensada para ser compartilhada com fotógrafos, artistas visuais, designers, ilustradores, arte-educadores, estudantes, pesquisadores e qualquer pessoa que tenha interesse em desenvolver seus processos criativos.

Segundo Ana, “por meio de vivências e discussões, o meu objetivo é colaborar na investigação de trajetórias criativas individuais e coletivas dos participantes. Isso inclui tanto debruçar um tempo sobre si mesmo e as iniciativas que consideram interessantes em suas caminhadas, quanto observar com mais cautela projetos sem conclusão, rascunhos, ideias vagas e outras formas de produção abandonadas. Revisão de processo criativo como estratégia para criar novas rotas”, explica.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

  • Processo de criação I: uma reflexão sobre percursos individuais
  • Revisão de percurso como ferramenta de trabalho
  • Processos Inacabados I: identificando projetos possíveis
  • Processos Inacabados II: estratégias de articulação de projetos a partir de rascunhos de ideias
  • A produção de imagem como experiência de articulação de processo
  • Diário Gráfico e o espaço de elaboração da pesquisa
  • A criação como prática de reflexão territorial
  • Criação, redes e articulações
Processo da oficina. Foto: Ana Lira

SOBRE A ARTISTA

Ana Lira é especialista em Teoria e Critica de Cultura e, nos últimos anos, também desenvolveu trabalhos de pesquisa independente, curadoria e projetos educacionais articulados com projetos visuais. Atualmente desenvolve a pesquisa do projeto Terrane (selecionado no 9º Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia), uma narrativa visual construída com as mulheres pedreiras do semiárido brasileiro, a partir da experiência da Casa da Mulher do Nordeste.

SERVIÇO: Diário Contemporâneo promove oficina com Ana Lira. As inscrições são feitas pelo site www.diariocontemporaneo.com.br até 28 de junho. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará com apoio da Vale, apoio institucional do Museu da UFPA, Museu do Estado do Pará, Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e colaboração da Sol Informática. Informações: Rua Gaspar Vianna, 773 – Reduto. Contatos: (91) 3184-9310; 98367-2468; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com e www.diariocontemporaneo.com.br.

Diário Contemporâneo aproxima crianças e adolescentes da fotografia

Share This:

Desde a sua primeira edição, o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia tem o objetivo de estimular reflexões e debates a partir do contato com a arte. Os museus que recebem as mostras têm uma ação educativa totalmente pensada para as turmas escolares que as visitam. Além disso, o projeto tem expandindo a sua atuação para fora dos espaços expositivos.

No último dia 03, o Mercado do Porto do Sal recebeu a exposição “Um convite para [o] olhar” resultado de uma oficina homônima realizada por meio de uma parceria entre Diário Contemporâneo, Associação Fotoativa e Projeto Aparelho.

José Rosenildo foi um dos jovens que integrou o projeto no Porto do Sal e no último domingo exibia todo orgulhoso a foto que produziu. Foto: Irene Almeida

As crianças da comunidade produziram fotografias daquilo que mais achavam bonito no lugar onde vivem e tudo foi exposto em uma fotoinstatalação com câmaras obscuras que abrigavam histórias dentro e fora delas. “Eu gostei muito de ver a minha foto na caixa. Ficou muito legal e eu fiz umas fotos bacanas”, contou Talisson Tavares que em suas imagens mostrava desde uma garça voando no porto até um grafite de onça-pintada no muro.

Quinze crianças participaram da oficina e um mural com o retrato de cada uma delas foi feito. Era divertido se ver e reconhecer os amigos. Os próprios pequenos guiavam para apresentar suas fotos assim como fizeram com as facilitadoras durante a oficina. Dandara Ataíde nunca tinha tido a experiência de fotografar as ruas que vê diariamente. A câmara obscura também foi uma divertida novidade para ela. “Eu gostei muito de ver as fotos que fiz junto da caixa. Gostei da oficina, da experiência, de tudo”, disse.

A comunidade estava aberta à ação artística e se mostrou interessada em todo o processo. Parentes, amigos e outros moradores apareciam para ver o que estava acontecendo no Mercado e se surpreendiam com as produções das crianças.

“Foi uma das melhores coisas que já aconteceu aqui. Quando tem oficina todo mundo gosta. Eles aprendem e eu aprendo também”, comentou Dona Graça, dona de uma fruteira no box 2 do Mercado e que acompanhou de perto todo o trabalho realizado com as crianças.

Imagem feita durante a oficina feita pelo Diário Contemporâneo, Fotoativa e Coletivo Aparelho. Foto: José Roberto

DENTRO DOS MUSEUS

As exposições da 9ª edição seguem abertas e desde a sua inauguração os mediadores culturais atuam diariamente recebendo o público visitante. “Felicidade é trabalhar com o que se gosta”, afirmou Denise Sá que pelo segundo ano consecutivo repete a experiência de atuar na ação educativa do projeto.

“Tempo para duvidar: por uma formação de espíritos livres” é a proposta educativa desta edição e tem o compromisso com a formação de cidadãos de pensamento crítico e abertos ao diálogo entre arte e sociedade. A partir das obras, temáticas contemporâneas são debatidas com alunos e professores.

Os educadores que queiram levar as suas turmas podem solicitar o agendamento das visitas pelo site ou no telefone 4009-8695, no horário de 10 às 15h. As solicitações estão sujeitas à disponibilidade de agenda. Após o cadastramento de informações no site, todos os pedidos serão respondidos por email ou telefone.

VISITAÇÃO

A exposição “Realidades da Imagem, Histórias da Representação” exibe os trabalhos premiados, selecionados e participações especiais da 9ª edição do Diário Contemporâneo. As obras ficam no Museu do Estado do Pará – MEP. Além disso, o Museu da UFPA recebe a mostra individual “Lapso”, com trabalhos de Flavya Mutran, artista convidada e a mostra de videoarte “Audiovisual Sem Destino”, projeto de Elaine Tedesco. A visitação segue até dia 15 de julho.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará com apoio da Vale, apoio institucional do Museu da UFPA, Museu do Estado do Pará, Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e colaboração da Sol Informática.

Diário Contemporâneo participa de ação no Porto do Sal neste Circular

Share This:

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia tem o objetivo de ir além das exposições, ele busca ser um meio de formação e reflexão a partir da arte. Pensando nisso, o Prêmio, em parceria com a Associação Fotoativa e o Projeto Aparelho, promoverá neste domingo (03), das 09 às 17h, uma programação especial no Mercado do Porto do Sal, integrando o Projeto Circular Campina Cidade-Velha. A entrada será franca.

Facilitadoras e crianças do Porto do Sal. Foto: Irene Almeida

No último final de semana foi realizada a oficina “Um convite para [o] olhar” com as crianças do Porto. Com giz de cera, canetinha, lápis de cor e papel, cada uma delas confeccionou um convite para que as facilitadoras do projeto aceitassem conhecer o Porto do Sal pelo seu olhar. “A dinâmica começou com as crianças produzindo o convite com o qual nos convidavam a olhar o seu lugar de vivência. Elas nos levaram para conhecer o lugar delas e o que mais gostavam ali”, explicou Irene Almeida, do Diário Contemporâneo.

Confecção de convites. Foto: Anne Dias

Com as câmeras nas mãos os pequenos foram guiando pelas ruas do entorno do Mercado e fotografando o que mais gostavam no lugar onde vivem. Duas saídas fotográficas foram realizadas, além de uma exibição particular do que foi produzido. Ao verem as imagens projetadas, reconheciam amigos e parentes, além de compartilharem histórias sobre os cenários e personagens que integram as fotos. Cassiane, uma das crianças do projeto, “mostrava por cada lugar que passava as pessoas de afeto e os locais onde costuma brincar e correr com os amigos” comentou Mireille Pic, da Fotoativa.

As crianças do Porto do Sal são muito autônomas e encontram na biblioteca no Projeto Aparelho um espaço de convivência. “Aqui as crianças são vistas pelos adultos como seres completos que participam da sociedade local opinando e discutindo os mais variados temas com liberdade”, acrescentou Mireille.

Convite para o olhar. Foto: Anne Dias

Anne Dias, do Coletivo Aparelho, destacou a importância da parceria entre com o Diário Contemporâneo e a Fotoativa para potencializar as ações artísticos/culturais que são desenvolvidas na comunidade, sobretudo relacionadas a linguagem fotográfica. “As crianças e adolescentes são muito sensíveis às belezas e fragilidades do território. Elas encontram na fotografia uma oportunidade para expressar e problematizar o que veem e vivem nesse contexto”, disse.

O clic não era aleatório, mas sim já direcionado aos seus lugares afetivos. O resultado será visto neste domingo em uma exposição dentro do espaço do Mercado, com fotografias impressas e em projeção. Além disso, haverá contação de histórias pela parte da manhã.

Foto: Anne Dias

EXPOSIÇÕES

No dia do Circular, o Museu do Estado do Pará tem entrada franca e horário de funcionamento das 09h às 13h. Lá pode ser vista a exposição “Realidades da Imagem, Histórias da Representação”, que exibe os trabalhos premiados, selecionados e participações especiais da 9ª edição do Diário Contemporâneo. Além disso, o Museu da UFPA recebe a mostra individual “Lapso”, com trabalhos de Flavya Mutran, artista convidada e a mostra de videoarte “Audiovisual Sem Destino”, projeto de Elaine Tedesco. No domingo a visitação é de 10 às 14h.

SERVIÇO: Diário Contemporâneo participa de ação no Porto do Sal neste Circular. Data: 03 de junho, das 09 às 17h, no Mercado do Porto do Sal (Rua São Boaventura, s/n – Cidade Velha). Entrada franca. O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará, com apoio da Vale, apoio institucional do Museu da UFPA, Museu do Estado do Pará, Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e colaboração da Sol Informática. Informações: Rua Gaspar Vianna, 773 – Reduto. Contatos: (91) 3184-9310; 98367-2468; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com e www.diariocontemporaneo.com.br.

Oficina do Diário Contemporâneo exercitou a relação entre “O Retrato e o Tempo”

Share This:

O 8º Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia ofertou ao público, no período de 05 a 08 de junho, mais uma programação formativa. A oficina “O Retrato e o Tempo”, foi ministrada pelo professor de artes visuais, desenhista e fotógrafo, Valério Silveira e contou com uma metodologia que instigava o olhar para si e para o outro.

Valério Silveira selecionou todos as pessoas que se inscreveram, seu único critério era que o participante gostasse de fotografia. Dessa maneira, a oficina foi amplamente democrática e teve a participação desde fotógrafos experientes até os iniciantes, que encontraram na ação formativa do Diário Contemporâneo o seu primeiro contato com os exercícios do fazer e da reflexão fotográfica.

Belém, Pará, Brasil. Cultura. Oficina O Retrato e o tempo com Valério Silveira, realizado durante a programação da VIII edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia. 08/06/2017. Foto: Irene Almeida.
Foto: Irene Almeida

O professor apresentou um pouco do princípio da fotografia, sua história, relação com as outras linguagens artísticas e com a sociedade, além da democratização do fazer fotográfico com o advento da imagem digital e a portabilidade das câmeras.

Questões éticas como intimidade e respeito com o fotografado também foram debatidas. A fotografia é uma maneira de se aproximar das pessoas, se comunicar com elas, pois “quem retrata, também coloca um pouco de si na foto”, afirmou Valério.

Memória e o medo da própria imagem. O homem persegue o tempo. “Nós temos uma série de retratos nossos feitos ao longo da vida e aqueles nas imagens não são que somos, mas quem um dia fomos”, refletiu. A máquina fotográfica seria então uma máquina do tempo? Qual é o tempo da fotografia? Muita coisa acontece antes e depois do instante do clique. “A fotografia retira do tempo o que o tempo retira do homem”, acrescentou.

Com todas essas questões em mente, Valério propôs aos participantes retratar um colega, mas também permitir que ele o fotografasse. O retrato envolve a pose e o consentimento, é uma frontalidade que comunica.

“A vivência foi muito boa. Foi interessante poder fotografar outros colegas, treinar outras técnicas e aprender mais. O que eu preciso agora é praticar as técnicas que eu não domino, pois algumas eu quero dominar com a excelência que o Valério faz. Acho que partir daí as coisas possam mudar”, contou Úrsula Bahia, fotógrafa com mais de 20 anos de experiência na área e que participou da oficina.

Além da primeira, dedicada aos debates sobre a temática da oficina, foram duas tardes de produção e uma de seleção, em uma espécie de curadoria coletiva, na qual todos compartilharam as imagens produzidas, suas dificuldades, surpresas e relatos de experiências. “Toda fotografia reconstrói seus lugares e personagens, mais que tudo, reconstrói suas memórias”, finalizou Valério Silveira.

Foto: Beatriz Araújo
Foto: Elisa Bentes

VISITAÇÃO

A exposição “Poéticas e Lugares do Retrato” exibe os trabalhos premiados, selecionados e participações especiais da 8ª edição do Diário Contemporâneo. As obras ficam divididas entre o Museu da UFPA e o Espaço Cultural Casa das Onze Janelas. Além disso, o MUFPA recebe a mostra individual “Interiores”, com trabalhos de Geraldo Ramos, artista convidado. A visitação segue até dia 30 de junho, no MUFPA e 02 de julho, nas Onze Janelas.

 SERVIÇO: O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará, com patrocínio da Vale, apoio institucional do Museu da Universidade Federal do Pará, Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e apoio da Sol Informática. Informações: Rua Gaspar Vianna, 773 – Reduto. Contatos: (91) 3184-9310; 98367-2468; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com e www.diariocontemporaneo.com.br.