RETROSPECTIVA – 2010: O nascimento do Diário Contemporâneo

Share This:

No ano de 2010 Belém conheceu o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, projeto abrigado no Museu da UFPA e que nascia com o objetivo de trazer reflexões culturais, sociais, estéticas e politicas através da imagem fotográfica. A fotografia paraense já havia alcançado, décadas antes, um reconhecimento nacional, mas ainda não existia um projeto permanente para esta linguagem artística que continuamente estivesse formando, apresentando e analisando a arte contemporânea com um olhar mais descentralizado.

Seleção de trabalhos 2010. Foto: Irene Almeida

TEMÁTICA

O tema Brasil Brasis cabia muito bem à ideia de se pensar as múltiplas faces do país. Não há uma identidade e sim, várias. Uma cultura móvel que se monta, desmonta e se remonta de maneira dinâmica e imprevisível. O Diário Contemporâneo convidou os artistas a pensarem esses Brasis e compartilharem através das imagens suas ideias, questionamentos e ações sobre este país tão curioso. Ao mesmo tempo que já nasceu abrangente; pois mesmo sendo um prêmio de fotografia o projeto aceita propostas em vídeo, instalações, projeções e trabalhos que misturam suportes; o Prêmio, ao olhar o país em sua pluralidade de significados, apresentou a experiência intima do que é o Brasil.

COMISSÃO DE SELEÇÃO

O júri da edição de estreia foi formado por Cláudia Leão, fotógrafa, pesquisadora, professora em Artes e mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP; Eder Chiodetto, mestre em Comunicação e Artes pela USP, jornalista, autor, fotógrafo e curador independente especializado em fotografia; além de Mariano Klautau Filho, curador geral do projeto, fotógrafo, pesquisador, professor da UNAMA e, recentemente, doutor em Artes Visuais pela ECA/USP.

O trio premiou entre 282 inscritos os trabalhos de Octávio Cardoso (PA), Paulo Wagner (PA) e Coletivo Parêntesis (SP), além de selecionarem 22 outros artistas. O número de trabalhos submetidos ao edital já mostrava que o projeto tinha sido acolhido pela comunidade artística e estava com sua história apenas começando.

Cada um ainda teve a oportunidade de conversar com o público durante a programação do projeto. A palestras “Fotojornalismo Contemporâneo – Crise e Reinvenção”, com Eder Chiodetto; “Das Imagens e dos Esquecimentos”, com Cláudia Leão e “Territórios da Fotografia Contemporânea”, com Mariano Klautau Filho foram algumas das ações realizadas na 1ª edição.

ARTISTAS CONVIDADOS

Além de integrante do júri, Cláudia Leão também apresentou suas obras como artista convidada ao lado de Dirceu Maués. O artista, que recentemente conquistou seu doutorando em Artes na UFMG, é mestre em Artes Visuais pela Universidade de Brasília e desenvolve trabalho autoral nas áreas da fotografia, cinema e vídeo, tendo como base de pesquisa a desconstrução do dispositivo fotográfico. Ele apresentou os vídeos “Um Lugar Qualquer – Praia do Outeiro” e “Somewhere Alexanderplatz – Berlim”. Dirceu também teve a oportunidade de falar sobre o seu processo e pesquisa durante a palestra “De Outeiro a Berlim”, além de realizar a oficina “Fotografia para brincar de fotografia”.

Já Cláudia é uma das fundadoras do Caixa de Pandora, grupo com trabalhos de registro do patrimônio histórico de Belém e investigações semióticas. A artista apresentou trabalhos que misturavam retratos e fotografias de família através imagens presas em janelas e vidros. São obras construídas por meio da manipulação em laboratório fotográfico de memórias revisitadas em suportes como espelhos oxidados e vidros pontilhados.

Sem título, da série Lugares Imaginários, de Octavio Cardoso

PREMIADOS E SELECIONADOS

Os premiados na edição de estreia foram o Coletivo Parênteses (SP) que levou o Prêmio Diário Contemporâneo; Paulo Wagner (PA), vencedor do Prêmio Diário do Pará; e Octávio Cardoso (PA) que venceu o Prêmio Brasil Brasis.

O Coletivo Parênteses foi constituído por Paloma Klein, Rodrigo Antonio e Vicente Martos com o objetivo de trabalhar questões da atualidade através de múltiplas plataformas. As imagens de “Confluências”, série vencedora, apresentavam o espaço intimo doméstico com um item sempre ao centro, a televisão. Emoldurada por objetos afetivos e pela vida cotidiana, a tela apresenta diariamente a todos nós os outros Brasis.

“Preto Olympia”, “Azul Praça”, “Verde Barraca”, “Azul Amazônia”, “Cinza Avenida”. Os títulos dos trabalhos premiados de Paulo Wagner já denotam a sua relação anterior com a pintura. Imagens de cenários urbanos desfocadas e intervistas com formas geométricas apresentaram a cidade como uma paleta de cores.

A cor também foi destaque em na premiada série “Lugares Imaginários”, de Octávio Cardoso. O azul das imagens é hipnotizante e trouxe a sensação de sonho atrelado à memória. O fotojornalista usou o azul quase infinito para dar um tom mais subjetivo e menos documental às imagens que trazem um pouco da relação com as águas da Amazônia.

Além dos premiados e artistas convidados foram exibidos trabalhos de mais outros 18 artistas selecionados: Grupo UMCERTOOLHAR (SP), Flávio Damm (RS), Kenji Arimura (SP), Eurico Alencar (MA), Yukie Hori (SP), Pedro Motta (MG), Flavya Mutran (PA), José Diniz (RJ), Rodrigo Torres (RJ), Celso Oliveira (RJ), João Menna Barreto (RS), Haroldo Sabóia (CE), Felipe Pereira Barros (AL), Eliezer Carvalho (PA), Alberto Bitar (PA), Mateus Sá (PE), Sofia Dellatorre Borges (SP), Carlos Dadoorian (RJ).

A edição de estreia também concedeu menções honrosas à Walda Marques (PA), Gina Dinucci (SP), Felipe Pamplona (PA) e Flávio Araújo (PA).

Reflexões II, de Mateus Sá, selecionado em 2010

 AÇÕES

A programação do projeto contou ainda com a palestra “O mundo como fisionomia. Retrato ou paisagem?”, de Patrick Pardini que apresentou as diversas fisionomias (urbanas, arquitetônicas, minerais, animais, vegetais) obtidas através do formato do retrato, indicando uma relação muito mais intima com o que foi fotografado, mesmo que não seja a figura humana.

Miguel Chikaoka ministrou a oficina “De olhos vendados” com uma reflexão sobre a materialidade e o simbolismo da luz no fazer fotográfico. Miguel voltou à luz, gênese da fotografia, e convidou os participantes a desviciarem um pouco o olhar para além do visível, imediato e superficial.

Outro destaque da programação foi a oficina “Margem da Cor”, ministrada por Luiz Braga, com atividades e debates centrados na fotografia em cor como forma de expressão artística. O trabalho de Luiz tem o uso da cor como parte essencial da sua mensagem e o artista apresentou diversos efeitos que se obtém através do conhecimento da luz, suas diferentes fontes e intensidades.

O PROJETO

O Diário Contemporâneo contribuiu para a descentralização das questões sobre arte no país, pois há uma década vem lançando proposições e chamando os artistas para o debate, consolidando o Pará como um espaço de criação e reflexão em artes.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do jornal Diário do Pará com apoio institucional do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática, parceria da Alubar e patrocínio da Vale.

INSCRIÇÕES ABERTAS

Em 2019 o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia comemora 10 anos de atuação. As inscrições da edição especial de aniversário já estão abertas e seguem até dia 13 de junho sendo realizadas somente pelo site www.diariocontemporaneo.com.br

Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia investe em talentos

Share This:

Pensar o retrato desde a sua configuração tradicional até as experiências e significações que possam expandi-lo. Com base nisso, o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia escolheu para esta sua 8ª edição a temática “Poéticas e lugares do retrato” que premiou os trabalhos de João Urban (PR), Hirosuke Kitamura (BA) e Guido Couceiro Elias (PA).

João Urban ganhou na categoria “Prêmio Diário Contemporâneo” com o ensaio “Tu i Tam, poloneses aqui e lá”, sobre imigrantes poloneses no Paraná e que busca semelhanças na Polônia. As imagens que serão exibidas têm a característica de apresentar os mesmos personagens fotografados com até 24 anos de diferença, entre 1980 e 2004.

Foto do ensaio “Tu i Tam, Poloneses Aqui e Lá”, de João Urban

João contou que a vitória “foi uma grata surpresa. Fico feliz não só pelo prêmio, que vem em muito boa hora, mas pela possibilidade de divulgar esse trabalho tão longe de sua origem, nesse país grande e diverso. Também fico feliz porque poderei rever Belém e os bons amigos que a fotografia me apresentou nessa bela cidade. Agradeço a todos os criadores do Prêmio, a curadoria e aos avaliadores dos projetos”.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia tornou-se um dos maiores editais de fotografia do Brasil, promovendo o diálogo entre as produções de diversos estados e a reflexão em artes. Sobre isso, João comentou, “acho de grande importância a atuação do Diário Contemporâneo, é um grande estímulo à produção fotográfica. Gostei muito da importância dada ao retrato, esse gênero por vezes esquecido, mas tão importante dentro da fotografia. Espero que o Prêmio possa ter continuidade para que muitos fotógrafos recebam esse estímulo”.

RESIDÊNCIAS ARTÍSTICAS

Este ano, o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia inovou mais uma vez e trouxe a residência artística como grande novidade da edição. Dois prêmios foram concedidos na forma de bolsa para residência artística. Um artista de Belém foi contemplado com a residência artística em São Paulo, sob a orientação da artista e pesquisadora Lívia Aquino, em parceria com o Condomínio Cultural, e um artista de fora da capital paraense foi premiado com a residência em Belém, sob a orientação do artista e pesquisador Alexandre Sequeira, por meio de seu projeto “Residência São Jerônimo”.

Hirosuke Kitamura, que levou o “Prêmio Residência Artística em Belém”, apresentará dois vídeos. “Doce Obsessão Vol.1” vem de uma vivência em Guaicurus, bairro de grande prostituição em Belo Horizonte (MG). Neste lugar repleto de energia, prazer, dinheiro e obsessão, o artista mostra o misto de sensações vividas dentro de um motel, desde as emoções saturadas até a percepção de si próprio, com um autodescobrimento dentro daquele ambiente caótico. Já “Doce Obsessão Vol.2” mostra um pedaço da vida de uma personagem transexual da mesma região. Aquela pessoa torna-se a representação de toda a oposição da realidade humana, do prazer até o sofrimento, passando pela alegria até a solidão e chegando à masculinidade e a feminilidade, nesta mistura de ordem e caos tão humana.

“Doce Obsessão Vol. 2”, de Hirosuke Kitamura

O artista que, em sua trajetória, já participou de uma outra residência artística, não imaginava que ia ser premiado no Diário Contemporâneo e ficou muito feliz com a notícia. Sobre as expectativas para essa nova vivência ele afirmou, “agora tenho a oportunidade de ficar mais tempo imenso em uma experiência que propõe a produção de imagens sobre poética e lugares do retrato. Nessa experiência busco explorar o ambiente para que possa ter uma nova percepção que contribua para produzir algo diferente do que estou acostumado”.

Guido Couceiro Elias é calouro do curso de Artes Visuais da Universidade Federal do Pará e ganhou o “Prêmio Residência Artística em São Paulo”, mostrando que a sensibilidade artística é algo que está presente desde jovem. Sua série fotográfica, “Vivaz”, percorre retratos atuais e antigos de família, focando no contraste de relações entre o núcleo desta e a memória carregada nos lugares de realização das imagens fotográficas. O trabalho veio de um desejo particular de registrar a própria família, focando em seus integrantes mais idosos e nas relações destes que convivem juntos há mais de um século.

O universitário ficou eufórico com a notícia e com a valorização desse trabalho que tem um significado muito importante para si. “Eu sinceramente fiquei muito feliz de ver que essa edição tem pelo menos (que eu saiba) três artistas bem jovens, Lucas Negrão, Tarcísio Gabriel e eu. Acho de extrema importância um projeto como o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia dar espaço e visibilidade para artistas jovens, mesmo porque, Belém está borbulhando grandes artistas e jovens artistas e isso parece ter sido visto pelo pessoal do Diário”, comentou.

“Vivaz”, de Guido Couceiro Elias

Guido ficará imerso em São Paulo, a maior cidade do país, convivendo com artísticas de diferentes capitais e dialogando com outras linguagens artísticas. “A residência artística antes de tudo, veio para mim como um desafio pessoal. Minhas expectativas quanto a ela são de meio que viver o centro cultural com mais visibilidade do Brasil e poder estar sendo assistido e trocar ideias com a Lívia Aquino e todos do Condomínio Cultural. Acredito na residência como uma oportunidade única de poder ir, tão jovem, pensar e produzir algo fora do meu espaço, da minha zona de conforto. Acho que essa experiência renderá bons frutos. Estou ansioso”, finalizou.

 A Mostra VIII Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, com trabalhos premiados e selecionados desta edição, ocorrerá no período de 04 de maio a 02 de julho, no Espaço Cultural Casa das Onze Janelas.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará, com patrocínio da Vale, apoio institucional do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA, Sol Informática e Museu da Universidade Federal do Pará. No site www.diariocontemporaneo.com.br estão disponíveis todas as informações sobre a 8ª edição, bem como a memória do projeto desde 2010 quando foi criado.

Tabloide da 6ª edição está disponível para download

Share This:

Por: Debb Cabral

O Tabloide do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma mídia do projeto que contém matérias sobre os  Premiados, Selecionados, Artista Convidado, Ação Educativa, além de conteúdos produzidos somente para ela.

A capa  tem como destaque uma fotografia da série “Tempo Arenoso”, de Elaine Pessoa. Tempo Movimento, tema desta edição, ressalta trabalhos que estabelecem dinâmicas de mobilidade da imagem.

O Tabloide foi encartado no Jornal Diário do Pará no final de semana que antecedeu a abertura das exposições, sempre no domingo, dia de maior circulação e tiragem do jornal. Ele também foi distribuído nas aberturas das mostras e estará disponível para os visitantes das exposições. Essa mídia possui o material da Ação Educativa do projeto que pode ser trabalhado em sala de aula por professores e educadores.

Baixe gratuitamente AQUI!

Criado em 2010, o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é um projeto nacional que incentiva a cultura, a arte e a linguagem fotográfica em toda a sua diversidade.

As mostras “Tempo Movimento”, com trabalhos dos artistas premiados, selecionados e participações especiais, no Espaço Cultural Casa das 11 Janelas; e “Diante das cidades, sob o signo do tempo”, de Jorane Castro, artista convidada desta edição, no MUFPA;  seguem com visitação aberta até o dia 28 de junho de 2015. A entrada é franca.

Mesa-redonda “Fotografia: campos de expansão”, com Alexandre Santos e Rubens Fernandes Junior, mediação de Mariano Klautau Filho.

Share This:

[nggallery id=38]

Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia prorroga inscrições

Share This:

Por: Debb Cabral

Devido à greve dos funcionários dos Correios que completou duas semanas, deixando 13 estados brasileiros com problemas de atraso nas entregas, o 5º Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia decidiu prorrogar suas inscrições até o dia 25 de fevereiro. Criado em 2010 pelo Jornal Diário do Pará, o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é um projeto nacional que incentiva a cultura, a arte e a linguagem fotográfica em toda a sua diversidade, aberto a todos os artistas brasileiros ou residentes no país, o qual oferece três prêmios no valor de R$ 10.000,00 cada. O Edital e a Ficha de Inscrição estão disponíveis no site www.diariocontemporaneo.com.br.

Este ano, ao contrário das edições anteriores, não será proposto nenhum tema específico. O que norteará o resultado final da Mostra será a livre experimentação do artista no amplo território da fotografia. As inscrições prorrogadas seguirão até dia 25 de fevereiro, porém para os trabalhos enviados via Correios até a data limite (25), é aconselhado o uso de serviços de correio expresso.

A comissão de seleção e premiação desta 5ª edição será composta pelo pesquisador, curador e crítico de fotografia, Rubens Fernandes Junior; por Alexandre Santos, historiador, crítico de arte e curador independente; e Mariano Klautau Filho, fotógrafo e pesquisador em arte, curador do Projeto Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia.

O Diário Contemporâneo de Fotografia não se restringe à premiação, ele incentiva a educação e a pesquisa com uma programação de palestras, encontros com artistas, oficinas e atividade educativa com as escolas; ações que acontecem nos espaços expositivos dos parceiros Casa das Onze Janelas e Museu da UFPA.

Os selecionados e premiados participarão da Mostra V Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, na Casa das Onze Janelas, que ocorrerá no período de 22 de abril a 22 de junho.

SERVIÇO: Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia prorroga inscrições até dia 25 de fevereiro. Edital e Ficha de Inscrição no site http://www.diariocontemporaneo.com.br.  Realização do jornal Diário do Pará, com patrocínio do Shopping Pátio Belém e Vale, apoio institucional da Casa das Onze Janelas do Sistema Integrado de Museus/ Secult-PA, Sol Informática e Museu da Universidade Federal do Pará (MUFPA). Informações: Rua Aristides Lobo, 1055 (entre Tv. Benjamin Constant e Tv. Rui Barbosa) – Reduto. Contatos: (91) 3355-0002; 8367-2468 e premiodiario@gmail.com.

Pesquisa e memória nos catálogos do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia

Share This:

Por: Debb Cabral

Criado em 2010 pelo Jornal Diário do Pará, o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia chega a sua 5ª edição em 2014. A cada ano é lançado um catálogo, que além de ser a memória do projeto, é também fonte de pesquisa sobre a fotografia e a arte contemporânea brasileira. Sua distribuição de forma gratuita permitiu que ele chegasse aos artistas participantes do projeto, curadores, pesquisadores, instituições da área, cursos de graduação e pós-graduação em artes, além das bibliotecas de todas as regiões do país. A disponibilização online no site do projeto de todas as edições já lançadas ajuda ainda mais na disseminação deste material e democratiza o seu acesso.

É um produto que tem seu lançamento como um dos momentos mais aguardados do projeto, pois compila os trabalhos dos premiados e selecionados, textos transcritos das conversas com os artistas convidados, além de artigos de pesquisadores atuantes na área de fotografia e arte contemporânea, que dão um teor ainda mais significativo enquanto referência para a pesquisa em fotografia.

Até agora foram lançadas quatro publicações que seguiram as temáticas Brasil Brasis em 2010; Crônicas Urbanas em 2011; Memórias da Imagem em 2012 e Cultura Natureza em 2013, norteadoras, em seus respectivos anos, das diversas mostras de artistas selecionados, premiados e convidados, palestras, encontros, cursos e oficinas. As publicações já reuniram até agora entre textos críticos, artigos, ensaios e depoimentos as participações de Eder Chiodetto, Patrick Pardini, Tadeu Chiarelli, Marisa Mokarzel, Heloisa Espada, Cláudia Leão, Ernani Chaves, Alexandre Sequeira, Val Sampaio, Maria Helena Bernardes e Andréia Feijó além dos textos de análise dos trabalhos selecionados assinados pelo curador do projeto. Entre os ensaios fotográficos e depoimentos de artistas convidados reunidos especialmente para o prêmio estão Luiz Braga, Miguel Chikaoka, Dirceu Maués, Cláudia Leão e Walda Marques.

.A produção paraense vem sendo reconhecida em todo país, porém ações como a publicação destes catálogos do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia ampliam o debate crítico em Belém sobre arte produzida no Brasil. Os catálogos são o resultado do encontro de pesquisadores de todas as regiões do país fazendo com que as fronteiras de acesso sejam extrapoladas. Além disso, ganhando visibilidade nacional e com esse retorno dado ao público, o número de participantes de outros estados tem aumentado a cada ano.

O projeto Diário Contemporâneo de Fotografia incentiva a cultura, a arte e a fotografia em toda a sua diversidade, aberto a todos os artistas brasileiros ou residentes no país, o qual oferece três prêmios no valor de R$ 10.000,00 cada. Este ano, ao contrário das edições anteriores, não será proposto nenhum tema específico, e as inscrições seguem abertas até o dia 18 de fevereiro. O Edital e a Ficha de Inscrição estão disponíveis no site www.diariocontemporaneo.com.br.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é um projeto realizado em Belém, promovido pelo jornal Diário do Pará, em parceria com o Museu da Universidade Federal do Pará e o Espaço Cultural Casa das Onze Janelas da Secretaria de Cultura do Estado.

.SERVIÇO: Pesquisa e memória nos catálogos do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia. Inscrições para a 5ª edição até dia 18 de fevereiro. Os catálogos das edições anteriores, além do Edital e da Ficha de Inscrição deste ano podem ser acessados no site http://www.diariocontemporaneo.com.br.  Realização do jornal Diário do Pará, Rede Brasil Amazônia de Comunicação com patrocínio do Shopping Pátio Belém e Vale. Informações: Rua Aristides Lobo, 1055 (entre Tv. Benjamin Constant e Tv. Rui Barbosa) – Reduto. Contatos: (91) 3355-0002; 8367-2468 e premiodiario@gmail.com.