Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia divulga premiados e selecionados da 10ª edição

Share This:

No ano em que comemora uma década de atuação, o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia teve um recorde de inscrições, recebendo 585 dossiês. Este também o primeiro ano em que todo o processo de inscrição foi realizado online. O grande volume de trabalhos submetidos ao edital demandou mais um dia de avaliação.

Octavio Cardoso, Isabel Gouvêa e Heldilene Reale durante a avaliação dos dossiês. Foto: Irene Almeida.

O júri ficou reunido desde a terça-feira, passando pelo feriado e encerrando somente na sexta a noite. Um trabalho intenso e atento foi realizado por Heldilene Reale, Octavio Cardoso e Isabel Gouvêa, integrantes da comissão de seleção deste ano.

Confira a lista:

X PRÊMIO DIÁRIO CONTEMPORÂNEO DE FOTOGRAFIA

SELECIONADOS E PREMIADOS

  • Daniele Cavalcante (CE) – Prêmio Diário de Fotografia
  • Júlia Milward (RJ) – Prêmio X Diário Contemporâneo
  • Rodrigo José (PA) – Prêmio Diário do Pará
  • André Parente (PA)
  • Bruno Zorzal (ES)
  • Ceci Bandeira (PA)
  • Claudia Tavares (RJ)
  • Coletivo Amapoa (SP)
  • Daniela de Moraes (RS)
  • Felipe Fittipaldi (RJ)
  • Francine Lasevitch (RS)
  • Gui Christ (RJ)
  • João Paulo Guimarães (PA)
  • Márcio Vasconcelos (MA)
  • Maria Baigur (BA)
  • Maria Vaz (MG)
  • Paulo Coqueiro (BA)
  • Pedro David (MG)
  • Priscilla Buhr (PE)
  • Rodrigo Pinheiro e Ton Zaranza (RJ)

O PROJETO

Há uma década o Diário Contemporâneo vem lançando proposições e chamando os artistas para o debate, consolidando o Pará como um espaço de criação e reflexão em artes.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará com apoio institucional do Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus e do Museu da UFPA; colaboração da Sol Informática, parceria da Alubar e patrocínio da Vale.

Diário Contemporâneo divulga os premiados e selecionados da 9ª edição

Share This:

Após avaliação intensa das obras inscritas, a comissão de seleção e premiação desta edição, composta por Rosely Nakagawa (SP), curadora e pesquisadora; Walda Marques (PA), fotógrafa e Flavya Mutran (PA), artista e professora, escolheu os trabalhos que irão compor a exposição do 9º Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia.

A partir da temática “Realidades da imagem, Histórias da Representação” vieram 300 dossiês de todas as regiões do país concorrendo a um dos três prêmios no valor de R$ 10.000,00 cada, sendo dois deles concedidos na forma de bolsa para residência artística nas cidades de São Paulo e de Belém.

Seleção da IX edição do Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia. Foto: Irene Almeida.

O início dos trabalhos de seleção foi marcado por uma conversa com o curador do projeto, Mariano Klautau Filho, que abordou a trajetória do Prêmio e destrinchou a temática escolhida para 2018.

Cada ano traz um processo de seleção particular. A proposição temática entra em contato com o artista e o trabalho deste entra em contato com o olhar da comissão. “Devemos pensar as relações que a arte tem com a sociedade, com a realidade, com o contexto social”, observou Flavya.

O alto nível dos trabalhos inscritos fez com que a comissão optasse por aumentar o número de contemplados. Inicialmente o edital previa a escolha de até 20 trabalhos, já contando com os três premiados. Ao final, 26 trabalhos integrarão a mostra.

Criado em 2010, o Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia trata-se de um projeto nacional, que em seus anos de atuação contribuiu para a consolidação do Pará como lugar de reflexão e criação em artes, além de proporcionar o diálogo entre a produção local e nacional. É uma realização do jornal Diário do Pará com apoio da Vale, apoio institucional do Museu do Estado do Pará – MEP, do Sistema Integrado de Museus/Secult-PA e do Museu da UFPA.

Veja abaixo a lista completa dos fotógrafos premiados e selecionados:

  • Prêmio Diário Contemporâneo – Edu Marin Kessedjian (SP)
  • Prêmio Residência Artística São Paulo – Ionaldo Rodrigues (PA)
  • Prêmio Residência Artística Belém – Ricardo Ribeiro (SP)
  • Ana Lira (PE)
  • André Penteado (SP)
  • Camila Falcão (SP)
  • Élcio Miazaki (SP)
  • Emídio Contente (PA)
  • Fernando Schmitt (RS)
  • Fernando de Tacca (SP)
  • Gabriela Lima (RJ)
  • Ivan Padovani (SP)
  • João Castilho (MG)
  • João Paulo Racy (RJ)
  • José Diniz (RJ)
  • Marcelo Kalif (PA)
  • Marcílio Caldas Costa (PA)
  • Marco A. F. (RS)
  • Maurício Igor (PA)
  • Natasha Ganme (SP)
  • Paulo Baraldi (SP)
  • Pedro Clash (SP)
  • Roberto Setton (SP)
  • Sérgio Carvalho (PI)
  • Thiéle Elissa (RS)
  • Tiago Coelho (RS)

Oficina com Alex Oliveira faz a fotografia ocupar a cidade

Share This:

O fotógrafo e artista visual, Alex Oliveira, foi selecionado para participar da mostra “Poéticas e Lugares do Retrato”, do 8º Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia. O Projeto aproveitou a passagem dele pela capital paraense para oferecer ao público uma programação formativa. “Fora do Lugar – Oficina de Fotografia Contemporânea”, foi realizada de 09 a 12 de maio e contou com uma metodologia que foi desde a história da fotografia até a exposição de imagens nas ruas do centro da cidade.

No primeiro dia de atividades, Alex conversou com o grupo, contou sobre sua trajetória e comentou trabalhos de outros artistas como Berna Reale, Edu Monteiro, Cindy Sherman, Alexandre Mury, Duane Michals, Francesca Woodman, Nan Goldin, Shirin Neshat, Ricardo Alvarenga, Nona Faustine e Michelle Mattiuzzi. “A metodologia da oficina é pensada a partir de aulas teóricas e práticas, buscando o compartilhamento de experimentações que derivam da história da fotografia até os diferentes trabalhos de fotógrafos e artistas contemporâneos, numa busca por ampliar as referências visuais dos participantes, apurando o olhar para os acontecimentos cotidianos capazes de nortear uma produção que mescla fotografia, performance e intervenção urbana”, explicou o fotografo.

Fotos: Irene Almeida

No dia seguinte a ação foi na rua. Os participantes saíram do auditório do Museu de Arte Sacra, onde foi realizada a oficina, e partiram rumo ao Ver-o-Peso e ruas da Cidade Velha. “Neste caso específico, a produção de imagens visou estabelecer uma relação direta com o espaço urbano, seja nos possíveis deslocamentos de objetos, pessoas e situações encontrados durante a saída a campo, como também em situações e acontecimentos criados pelos participantes, numa busca por uma atitude que visa dialogar e transmitir diferentes sentidos e informações”, acrescentou.

Quando se sai em busca de imagens deve se estar aberto ao imprevisível. A cidade é como uma grande performance que ocorre ininterruptamente. A fotografia é, então, o registro desse movimento frenético. Marcelo Brasil, professor, contou que “a oficina propôs uma abrangente discussão sobre a produção de imagens na contemporaneidade, passando pela história da fotografia, a relação desta com a performance, a intervenção urbana e o deslocamento de realidades”.

O espaço urbano é vivo e pulsante. “A cidade pode ser considerada a partir de um olhar, ou olhares, que passam a visualiza-la como uma ação que se desenrola sem roteiro pré-estabelecido, no qual cabe o fotógrafo/artista buscar desenvolver um corpo aberto e uma escuta ativa que possa ser atravessada por questões, pessoas e encontros ao acaso, que, de antemão, poderiam passar despercebidas”, disse Alex.

Em sua trajetória, Alex Oliveira tem um trabalho de performance bem extenso, mas a maior característica dele é o fato de que as suas diferentes séries só foram possíveis graças à relação com o outro, aos vínculos e às conexões pessoais estabelecidas. “Meu interesse com a oficina foi nortear um olhar apurado para estas relações, visando uma abertura para as experimentações e processos de criação que utilizem a cidade como um campo aberto, capaz de trazer e levantar questões que falem tanto de si, quanto do outro, ou até mesmo de como estas relações são construídas”, explicou.

Uma vez produzidas as imagens, o terceiro dia da oficina foi dedicado ao olhar conjunto, numa espécie de curadoria coletiva na qual foram compartilhadas impressões, críticas e sugestões.

A fotógrafa, Joyce Nabiça, contou que “o que eu mais gosto é dessa relação de troca de conhecimentos, porque eu sempre vou ter alguma coisa para colaborar e as outras pessoas também sempre terão alguma coisa para me doar. Quando o Alex apresentou o trabalho dele e de outras pessoas que interferem no meio urbano, de certa forma isso acabou abrindo a nossa mente para o lugar onde nós vivemos e que não reconhecemos. Nós começamos a ficar mais sensíveis, como eu, que percebi nas minhas imagens a questão forte dos rios, pois eles fazem parte do espaço urbano de Belém e da dinâmica natural da cidade”.

A fotografia foi, então, o vetor de comunicação direta com o entorno. Assim, retirar as imagens e não as devolver não fazia sentido para a proposta do artista. Segundo ele, a importância dessa ação “vem do interesse por pensar numa produção fotográfica que possa não somente captar, registrar e expor em museus e galerias, mas também no espaço urbano, estabelecendo assim, um ciclo criativo que envolve a produção, edição, curadoria e exposição fotográfica – que passa a ser materializada a partir do retorno das imagens para a cidade. Como estas fotografias são recebidas pelas pessoas que convivem diariamente naquele ambiente? Como as imagens podem despertar o imaginário e a memória dos transeuntes e passantes? Estas e outras questões perpassam as motivações e interesses da oficina”, afirmou Alex.

O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia expõe as suas obras em dois museus da capital paraense, o Espaço Cultural Casa das Onze Janelas e o Museu da UFPA, e desde a sua primeira edição tem investido no acesso à arte. A oficina de Alex Oliveira vem de encontro a esse propósito, pois o resultado da saída fotográfica e da curadoria compartilhada foi devolvido a cidade em imagens no formato “lambe-lambe”, afixadas próximas aos locais de sua realização.

“A exposição das imagens nas cidades visa democratizar o acesso à arte fotográfica para além dos museus e galerias, que geralmente é habitado por uma grande maioria do público especializado das artes, levando a fotografia para habitar, mesmo que de forma efêmera e temporária, a cidade e seus respectivos espaços. No caso da oficina, as fotografias serão expostas em contextos que são marcados por uma grande produção imagética, como o Ver-o-Peso, a Feira do Açaí e a Cidade Velha”, finalizou Alex.

VISITAÇÃO

A exposição “Poéticas e Lugares do Retrato” exibe os trabalhos premiados, selecionados e participações especiais da 8ª edição do Diário Contemporâneo. As obras ficam divididas entre o Museu da UFPA e o Espaço Cultural Casa das Onze Janelas. Além disso, o MUFPA recebe a mostra individual “Interiores”, com trabalhos de Geraldo Ramos, artista convidado. A visitação segue até dia 30 de junho, no MUFPA e 02 de julho, nas Onze Janelas.

SERVIÇO: O Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia é uma realização do Jornal Diário do Pará, com patrocínio da Vale, apoio institucional do Museu da Universidade Federal do Pará, Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, do Sistema Integrado de Museus/SECULT-PA e apoio da Sol Informática. Informações: Rua Gaspar Vianna, 773 – Reduto. Contatos: (91) 3184-9310; 98367-2468; diariocontemporaneodfotografia@gmail.com ewww.diariocontemporaneo.com.br.

Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia divulga premiados e selecionados da 8ª edição

Share This:

Após quatro dias de avaliação intensa das obras inscritas, a comissão de seleção e premiação desta edição, composta por Alexandre Sequeira (PA), artista plástico e fotógrafo; Camila Fialho (RS), pesquisadora independente em artes e Isabel Amado (RJ), curadora e especialista em conservação; escolheu os trabalhos que irão compor a exposição do 8º Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia.

Os selecionados e premiados participarão da Mostra VIII Prêmio Diário Contemporâneo de Fotografia, no Espaço Cultural Casa das Onze Janelas, que ocorrerá no período de 04 de maio a 02 de julho.

A partir da temática “Poéticas e lugares do retrato” vieram 390 dossiês de todas as regiões do país para concorrer a um dos três prêmios no valor de R$ 10.000,00 cada, sendo que dois deles são concedidos na forma de bolsa para residência artística nas cidades de São Paulo e de Belém.

 Veja abaixo a lista completa dos fotógrafos premiados e selecionados:

  • Prêmio Residência Artística em Belém – Hirosuke Kitamura (BA)
  • Prêmio Residência Artística em São Paulo – Guido Couceiro Elias (PA)
  • Prêmio Diário Contemporâneo – João Urban (PR)
  • Alexsandro Oliveira Santos (MG)
  • André de Sampaio Penteado (SP)
  • Antonio Carlos de Faria Junior (RJ)
  • Emanoela de Souza Neves (PA)
  • Filipe Miguel dos Santos Barrocas (SP)
  • Francisco de Assis Pereira Junior (MG)
  • Gui Mohallem (MG)
  • Gringo Coletivo – Gui Christ e Gabi Di Bella (SP)
  • Hans Richard Georg (RJ)
  • Isabel Maria Sobreira de Santana Terron (SP)
  • Janaina Wagner (SP)
  • Juliana Jacyntho Lima Ferreira Caldeira Meira (SP)
  • Keyla Sobral (PA)
  • Leticia Ranzani de Paiva (SP)
  • Marcelo José Costa (SP)
  • Mirian da Silva Ferreira Guimarães (SP)
  • Pedro Henrique Silveira Vieira (MG)
  • Renata Laguardia Xavier (MG)
  • Rodrigo Linhares (SP)
  • Sara Alves Braga (MG)
  • Silas José de Paula (CE)
  • Victor de Oliveira Galvão (MG)
  • Viviane Gueller (RS)

A comissão também ressaltou a importância da participação de Lucas da Silva Negrão e Tarcisio Gabriel C. Santos na mostra final do projeto na condição de participações especiais como estímulo à produção de jovens artistas no Estado do Pará.